ECONOMIA

Governo sinaliza alinhamento com frente parlamentar do Novo Pacto Federativo

13 Mar 2019 - 20h39Por Camila Turtelli

A líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), afirmou que a pauta da Frente Parlamentar Mista em Defesa do Novo Pacto Federativo está alinhada com o governo de Jair Bolsonaro. "É uma missão também do Paulo Guedes (ministro da Economia) trabalhar com essa descentralização dos recursos. A situação dos Estados é uma tragédia", disse Hasselmann, durante o lançamento da frente nesta quarta-feira, 13, na Câmara.

O presidente da frente, deputado Silvio Costa Filho (PRB-PE), afirmou que o grupo quer promover um "amplo diálogo entre prefeitos e governadores". Costa Filho ressaltou que a questão não é apenas ampliar o repasse de tributos feito pelos Estados. Ele afirmou que a frente pretende discutir outras questões como a Lei Kandir e a flexibilização das dívidas das unidades federativas. O deputado quer reunir os tribunais de contas dos Estados para debater. "Recebi hoje (quarta) uma ligação do presidente do Tribunal de Contas da União, o ministro José Múcio. Ele quer vir a essa comissão e ver como é possível integrar os tribunais dos Estados nessa discussão", disse.

Participaram do lançamento os presidentes da Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e da Frente Nacional de Prefeitos (FNP). "Vamos discutir uma nova relação federativa, entendemos que é uma regulamentação do pacto", afirmou o presidente da CNM, Glademir Aroldi.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Receita espera receber 32,6 mi de declarações até 30 de abril
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Mega-Sena sai para um apostador que ganha 49 milhões

Próximo sorteio será quarta-feira
Saúde

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Saúde

Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março

Medida terá validade por 15 dias
Jaraguá terá novas medidas contra covid-19 a partir de 1º de março
Ver mais de Economia