Campanha Sarampo
ECONOMIA

Governo não pode ser máquina de transferência perversa de renda, diz Guedes

13 Fev 2019 - 12h16Por Anne Warth e Eduardo Rodrigues

O ministro da Economia, Paulo Guedes, disse na manhã desta quarta-feira, 13, que o governo não pode agir como uma "máquina de transferência perversa de renda" por meio da Previdência Social, dos impostos e dos subsídios. Ele afirmou que o governo precisa fazer transferências de renda legítimas e que cheguem aos municípios e às pessoas que mais precisam.

"Somos uma sociedade fraterna, somos solidários. Não podemos ser máquina de transferência perversa de renda através da Previdência Social, impostos e subsídios", destacou Guedes, em discurso no lançamento do Painel de Viagens, ferramenta de controle e transparência de viagens de servidores públicos.

Na terça, 12, após pressão do agronegócio, o governo recuou e garantiu vantagens aos produtores de leite, com o aumento do imposto sobre o produto em pó importado da União Europeia, para compensar o fim da taxa de antidumping. A medida foi comemorada pelo presidente Jair Bolsonaro, na rede social Twitter, em uma derrota da equipe econômica, que era contra a manutenção dos benefícios.

"Todos os dias, vem gente de todo o Brasil para pedir coisas ao Brasil. Mas eu pergunto: o que eles podem dar ao Brasil?", questionou o ministro. Entre os pedidos dessas pessoas estão "subsídios, dinheiro para isso, dinheiro para aquilo". "Quebraram o Brasil", disse Guedes. "Muitas vezes nossa vida é jogada de um lado para o outro e não são as melhores opções."

O ministro fez uma defesa dos servidores públicos, que lotaram o auditório do Ministério da Economia para assistir ao lançamento do programa. "Nós somos servidores, muito mais que autoridades. Estamos servindo o Brasil por um curto período de tempo. Vocês não, são servidores há muito tempo e estão defendendo o patrimônio do Brasil", disse, ressaltando políticas que elevem a transparência e a eficiência da máquina pública, entre elas o Painel de Viagens.

Em seu discurso, o ministro elogiou ainda o Tribunal de Contas da União (TCU) e afirmou que o órgão tem cooperado com o governo. Guedes disse ainda que os tribunais de conta estaduais devem "subir ao padrão do TCU" e elevar o nível de controle sobre as finanças dos Estados. O assunto foi revelado por reportagem do Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado.

"O TCU tem dado uma demonstração extraordinária de competência. Corrige o Executivo quando está errado, e agora vai ter que ajudar os tribunais de contas estaduais (TCEs), porque os Estados estouraram, em visível falta de controle dos tribunais estaduais", disse ele.

Matérias Relacionadas

Economia

Vendas do varejo sobem 0,1% de julho para agosto

O setor de veículos, motos, partes e peças caiu 1,7% e o segmento de material de construção recuou 0,8% em agosto
Vendas do varejo sobem 0,1% de julho para agosto
Economia

Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019

A área colhida de cereais, leguminosas e oleaginosas foi estimada em 63,1 milhões de hectares, ou seja, 3,5% a mais do que em 2018
Safra de grãos deve crescer 6,3% e fechar com recorde em 2019
Santa Catarina

Governo de Santa Catarina economiza R$ 6,4 milhões na compra de combustível em nove meses

O Governo do Estado economizou 896 mil litros de gasolina e óleo diesel em nove meses, resultado do novo modelo de aquisição de combustíveis da frota estadual
Governo de Santa Catarina economiza R$ 6,4 milhões na compra de combustível em nove meses
Economia

Em reunião com Guedes, FIESC defende agenda liberal e mais investimentos em SC

No encontro com o ministro da Economia, na sexta-feira (4), no Rio de Janeiro, o presidente Mario Cezar de Aguiar disse que apesar de Santa Catarina gerar a sétima arrecadação de tributos (R$ 58,7 bilhões) do País, é o 14º estado em recebimento de recurso
Em reunião com Guedes, FIESC defende agenda liberal e mais investimentos em SC
Ver mais de Economia