ECONOMIA

Freada global quebra ritmo de exportação

23 Mar 2019 - 10h18Por Luciana Dyniewicz

Após dois anos de crescimento expressivo, que ajudou o Produto Interno Bruto (PIB) a registrar resultado positivo, as exportações brasileiras terão um desempenho modesto em 2019. Entre os fatores que pesam sobre as vendas externas estão a desaceleração da economia global, a crise argentina e, até mesmo, uma eventual pacificação na guerra comercial entre China e Estados Unidos.

Em 2017 e 2018, o País aumentou 17,6% e 10,2%, respectivamente, os embarques. Nesses anos, além de vir de um período de vendas externas fracas, o que favoreceu a base de comparação, o Brasil se beneficiou da desvalorização do real, do crescimento da economia mundial e, no ano passado, da guerra comercial. O embate entre as duas maiores economias do mundo fez com que o Brasil registrasse recorde na venda de soja para a China, que preteriu a produção americana.

Agora, com o cenário se invertendo quase completamente, as estimativas não são animadoras. O Itaú projeta estabilidade nas exportações na comparação com 2018 e o Santander, alta de 3,4%. Ambos consideram o valor dos embarques em dólares, e não o volume. A Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), mais pessimista, prevê uma retração de 9% e a consultoria Tendências, que chegou a projetar um incremento de 4,6%, revisou a alta para 1,7%. "Os números do primeiro bimestre decepcionaram um pouco e o risco (de rever a projeção novamente) é para o lado negativo. O quadro é menos benigno do que se esperava", disse Silvio Campos Neto, economista da Tendências. Em janeiro e fevereiro, a alta das exportações foi de 1,4%, mas os economistas ressaltam que o comércio de plataformas de petróleo no período distorce os dados e dificulta uma análise.

O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, também reduziu as projeções. Em janeiro, a estimativa era de US$ 240 bilhões - mesmo valor do ano passado. Agora, prevê entre US$ 5 bilhões e US$ 6 bilhões menos. O economista Livio Ribeiro, do instituto, afirma, porém, que, com a desaceleração global, os preços das commodities cairão, o que poderá resultar em um aumento da demanda e, consequentemente, das exportações brasileiras em volume.

Também do Ibre, a economista Lia Pereira afirma que o maior risco para as vendas internacionais brasileiras está no apaziguamento da guerra entre EUA e China. "A agropecuária e a soja sustentaram as exportações em 2018. Não necessariamente isso vai continuar. A China está oferecendo tirar barreiras dos EUA."

Lia explica que, com a suspensão da compra de soja dos americanos, os chineses elevaram as importações brasileiras do produto em 35% em 2018, absorvendo 82% das nossas exportações. Nas negociações atuais entre os dois países, explica a economista, Pequim poderá conceder preferência à produção americana, não apenas na soja, mas também no frango. Hoje, o frango americano é proibido na China.

Parceiros

Economista do Santander, Jankiel Santos destaca que, além da China, os principais parceiros comerciais do Brasil estão "sofrendo", o que deverá resultar em um freio no ritmo de expansão das importações brasileiras. "A atividade nos Estados Unidos está se acomodando, e a Argentina não deve melhorar tão rápido."

O Itaú projeta que a economia global cresça 3,4% neste ano, ante uma estimativa de 3,8% em 2018. A expansão na China deve passar de 6,6%, no ano passado, para 6,1% em 2019, causando impacto negativo no preço das commodities. O presidente da AEB, José Augusto de Castro, lembra que a queda nas commodities, além de prejudicar o Brasil, afeta toda a América do Sul, que também é produtora desses itens. "Esses países compram 40% das exportações manufaturadas brasileiras. Se eles são prejudicados, importam menos do Brasil, que acaba sendo duplamente atingido (nas commodities e nas manufaturas)."

Castro conta que, desde 2014, as vendas de manufaturados brasileiros estão estagnadas entre 36% e 38% do total das exportações. A dependência das commodities deixa o País sem controle sobre seu comércio internacional, explica ele. "O panorama depende mais do mundo e menos do Brasil." No ano passado, por exemplo, uma seca sem precedentes dizimou a produção de soja argentina, deixando o Brasil sem concorrentes no primeiro semestre do ano, época da safra na região, e impulsionando os embarques.

Segundo Castro, se as reformas da Previdência e tributária forem aprovadas, esse cenário de dependência completa do cenário internacional pode começar a mudar a partir de 2020, com um aumento da produtividade e, consequentemente, da comercialização de manufaturados. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado

Segundo Talita Beber, presidente da CDL Jaraguá do Sul, o comércio local está preparado com promoções, ações de vendas casadas e, com foco na segurança por causa da pandemia
Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Ver mais de Economia