Imobiliária Coralli
Economia

Fecomércio SC entra com mandado de segurança para garantir funcionamento dos portos

26 Jul 2012 - 22h11

Diante da greve dos servidores da Agência Nacional da Vigilância Sanitária (Anvisa) e a provável paralisação dos auditores da Receita Federal, no dia 1º de agosto, nos portos brasileiros, a Fecomércio SC, entrou com seis mandados de segurança, nos últimos dois dias, nas varas federais das comarcas de Joinville, Itajaí e Laguna, pedindo a continuidade dos serviços públicos indispensáveis à atividade econômica no estado catarinense. A entidade considera o posicionamento judicial indispensável na qualidade de substituta processual das empresas do comércio de Santa Catarina.


Apesar de o direito de greve ser reconhecido na Constituição Federal, não há como negar que o estado de greve adotado pelos servidores federais lotados nos portos catarinenses está implicando evidente ofensa ao princípio da continuidade do serviço público. Impede, por exemplo, o direito da livre iniciativa da atividade econômica, colocando em risco a economia catarinense e restringe o trabalho de terceiros envolvidos nas operações portuárias. Por conta disso, a Poder Judiciário tem considerado ilegal a instauração da greve, conforme liminares já concedidas em outros estados.

Os mandados de segurança impetrados pela entidade aguardam o prazo de 72 horas da intimação do Poder Público para que os juízes manifestem-se quanto ao pedido da Fecomércio SC.

Matérias Relacionadas

Economia

Criação de empregos em agosto atinge melhor nível em nove anos

Segundo Caged, 249,3 mil postos de trabalho foram abertos mês passado
Criação de empregos em agosto atinge melhor nível em nove anos
Geral

IBGE: taxa de desocupação fica em 13,8% no trimestre de maio a julho

É a maior taxa da série histórica iniciada em 2012
IBGE: taxa de desocupação fica em 13,8% no trimestre de maio a julho
Economia

Contas públicas têm déficit recorde de R$ 87,6 bilhões em agosto

Saldo negativo foi causado pelas despesas vinculadas à pandemia
Contas públicas têm déficit recorde de R$ 87,6 bilhões em agosto
Economia

FIESC lança cartilha para indústria se adequar à Lei de Proteção de Dados

A nova lei prevê sanções que vão de advertência a multa de R$ 50 milhões, dependendo da gravidade da infração, embora a aplicação de penalidade para as empresas que desobedecerem às novas regras tenha sido adiada para agosto de 2021
FIESC lança cartilha para indústria se adequar à Lei de Proteção de Dados
Ver mais de Economia