ECONOMIA

Estratégia de redução gradual do déficit é consistente, diz Tesouro

27 Fev 2019 - 16h30Por Idiana Tomazelli e Eduardo Rodrigues

A estratégia de redução gradual do déficit nas contas públicas no horizonte de médio prazo é "consistente" com trajetória fiscal sustentável e tem como premissas a adoção de reformas estruturais e o cumprimento do teto de gastos, destaca o Tesouro Nacional em sumário executivo que acompanha a divulgação do resultado primário de janeiro deste ano.

"O desafio fiscal brasileiro está posto e é significativo", observa o órgão. "A superação do desafio fiscal passa, necessariamente, por reformas que estabilizem a dinâmica das despesas obrigatórias e que exigem o esforço em conjunto de toda a sociedade brasileira."

Segundo o Tesouro, o resultado do governo central (que reúne as contas do Tesouro, do Banco Central e do INSS) está num patamar 4 pontos porcentuais do PIB abaixo do período pré-crise de 2008. O crescimento das despesas públicas é responsável por 75% dessa piora, aponta o órgão. Só os gastos com Previdência cresceram isoladamente 2,1 p.p. do PIB nesse período.

A previsão do governo é que os benefícios previdenciários e os gastos com pessoal crescerão R$ 78,4 bilhões só neste ano.

Fevereiro

Apesar do resultado positivo em janeiro, as contas do Tesouro Nacional, INSS e Banco Central devem registrar déficit em fevereiro, alertou o Tesouro. Segundo o órgão, essa tendência é sazonal e se deve à maior repartição de tributos com Estados e municípios.

Em janeiro, o superávit de R$ 30,8 bilhões foi melhor que a expectativa dos analistas coletadas no Prisma Fiscal, que apontava resultado positivo de R$ 28,4 bilhões, segundo a mediana.

O Tesouro informou ainda que o relatório bimestral que será divulgado até 22 de março trará as novas estimativas de receitas e despesas e uma atualização "da eventual necessidade de realização de limitação da execução do Orçamento".

O órgão alerta que persistem os problemas de excesso de vinculações nas despesas, que podem resultar no chamado "empoçamento", quando o dinheiro é repassado aos ministérios, não é gasto e, mesmo assim, não pode ser remanejado a outros que necessitem de recursos.

Como mostrou o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, o governo deve, no relatório de março, retirar das previsões de receitas a expectativa de arrecadar R$ 12,2 bilhões com a privatização da Eletrobras. Isso aumenta o risco de necessidade de um bloqueio de despesas.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado

Segundo Talita Beber, presidente da CDL Jaraguá do Sul, o comércio local está preparado com promoções, ações de vendas casadas e, com foco na segurança por causa da pandemia
Lojas de Jaraguá ficam abertas até 17h neste sábado
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Economia

Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia

O investimento do Executivo será superior a R$ 37 milhões, com recursos já garantidos no orçamento
Governo do Estado propõe auxílio emergencial para amenizar efeitos da pandemia
Economia

Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp

Instituição financeira cooperativa oferece nova opção de transferência para os associados por meio de parceria com o Facebook
Sicredi disponibiliza opção de pagamentos no WhatsApp
Ver mais de Economia