ECONOMIA

Espera pela instação da CCJ na Câmara gera cautela no Ibovespa

13 Mar 2019 - 12h47Por Maria Regina Silva

Na direção contrária do exterior, o Ibovespa cai nesta quarta-feira - recuo de 0,10%, às 10h56, aos 97.732,96 pontos -, podendo dar sequência ao segundo dia seguido de recuo, após fechar com declínio de 0,20% ontem, aos 97.828,03 pontos. Os investidores locais estão no aguardo de novidades sobre a reforma da Previdência e a instalação da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), que está prevista para ocorrer somente à noite.

"A articulação do governo parece que está fluindo. A CCJ parece que vai avançar. Ou seja, as noticias positivas estão repercutindo na Bolsa, e isso pode ajudar hoje, mas temos de esperar", pondera o economista Antônio Madeira, da MCM Consultores.

Embora a largada no andamento da reforma seja esperado para esta quarta, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), afirmou ontem que os líderes partidários acertaram só votar a reforma na comissão quando o texto da proposta de aposentadoria para os para os militares chegar ao Congresso, o que deve ocorrer no próximo dia 20.

Em conversa com jornalistas, na manhã desta terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a reforma da Previdência "exige uma negociação política muito grande". Ele também disse que tem buscado atuar diretamente no diálogo com parlamentares para tentar viabilizar a aprovação da proposta no Congresso.

"O mercado quer saber como ficará a aposentadoria dos militares e ainda quem será o relator da PEC da Previdência o que pode ocorrer semana que vem", observa um operador de renda variável.

Além da atenção no desenrolar do processo envolvendo a reforma, a fonte cita ainda que as dúvidas sobre a saída ou não do Reino Unido da zona do euro persistem. "Não sabemos qual será o efeito do Brexit nas relações comerciais mundiais, lembrando que já temos o impasse entre as conversas entre EUA e China, que tem afetado o crescimento."

Nesta quarta, nos EUA, as encomendas de bens duráveis subiram 0,4% em janeiro ante dezembro, contrariando as expectativas de queda de 0,6%. Já a taxa de inflação ao produtor por lá avançou 0,1% no mês passado, ficando abaixo da previsão de 0,2%.

Já no Brasil, nesta quarta, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que a produção industrial caiu 0,8% em janeiro ante dezembro e cedeu 2,6% em relação ao primeiro mês de 2018. As quedas vieram mais fortes do que as medianas (-0,27% e -1,6%, respectivamente) das estimativas na pesquisa do Projeções Broadcast.

Conforme o economista da MCM, os indicadores coincidentes já mostravam um enfraquecimento da indústria no período. "O ponto é que para fevereiro pode vir melhor, por causa do setor automotivo", estima Madeira. Entretanto, pondera que a perspectiva de retomada sustentável da economia só tende a acontecer com uma boa reforma da Previdência. Consequentemente, diz, abrirá espaço para a volta mais robusta do investidor estrangeiro para a Bolsa brasileira.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2

Parcela varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do beneficiário
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2
Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Ver mais de Economia