GNet
ECONOMIA

Enquanto investidor avalia detalhes do texto da reforma, Ibovespa avança

20 Fev 2019 - 12h19Por Maria Regina Silva

A apresentação da proposta da reforma da Previdência à Câmara nesta quarta-feira, 20, norteia os negócios na Bolsa brasileira, que abriu em alta, e passou a renovas máximas após a divulgação do texto, que foi entregue pelo presidente Jair Bolsonaro. Contudo, perdeu um pouco de ímpeto. Mas o Ibovespa ainda mantém-se na marca dos 98 mil pontos.

Dentre os detalhes está o impacto estimado em dez anos, de R$ 1,164 trilhão, e de R$ 189 bilhões, em quatro anos. Conforme o Secretário Especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, o presidente definiu que ao final de seu mandato pela transição da idade será 62 e 57. Também informou que a alíquota de contribuição da Previdência para os que contribuem cairá de 8% para 7,5%.

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que a nova previdência irá transformar o País. "Consertamos o navio atual. O casco está furado e agora vai navegar por muitos anos", disse.

Enquanto o governo divulgava a proposta da reforma da Previdência, as ações do setor financeiro subiam, bem como as blue chips Vale e Petrobras. Já o dólar à vista renovava mínimas.

Para um operador, a reação dos ativos sinaliza que o mercado está percebendo que o governo está "virando a página", após a exoneração do ministro da Secretária-Geral, Gustavo Bebianno. "Agora, é que o governo começa", diz.

Contudo, o desconforto dos investidores com a crise política recente pode não ter sido superada totalmente. A dúvida de muitos é saber como será o processo de articulação do governo para aprovar a reforma.

Depois da exoneração de Bebianno, na terça, o governo teve a primeira derrota na Câmara. A Casa derrubou o projeto que susta o decreto assinado pelo vice-presidente Hamilton Mourão em janeiro que ampliou a funcionários comissionados e de segundo escalão o poder de impor sigilo a documentos público.

O economista Antônio Madeira, da MCM Consultores, pondera que essa derrota do governo pode ser um risco e limitar ganhos do Ibovespa. "É um fator de risco. Portanto, pode ter efeito. Mas os principais pontos da reforma já foram antecipados. Ontem, quando saiu a notícia, estava próximo do fechamento do pregão. Então, não reagiu a isso", avalia.

O Ibovespa subiu 1,19%, terminando aos 97.659,15 pontos. Às 11h01, o Ibovespa subia 0,53%, aos 98.179,81 pontos, após alcançar a máxima de 98.543,68 pontos. Bradesco ON tinha alta de 0,67%, enquanto a PN avançava 0,75%. Itaú Unibanco PN tinha ganho de 1,22%. Vale ON estava em 0,13%; Petrobras PN em 0,11% e ON, 0,70%. O dólar à vista era negociado a R$ 3,6984, com queda de 0,48%.

Madeira acrescenta que a dúvida é saber o quanto de capacidade o governo terá para avançar na aprovação da reforma previdenciária. Ele lembra que o próprio presidente da Câmara, Rodrigo Maia, tem cogitado a possibilidade de finalizar a proposta no primeiro semestre na Casa. "Até tudo isso avançar, o mercado pode ficar um pouco de lado, com o investidor meio cauteloso", estima.

A expectativa é que o noticiário doméstico se sobreponha ao externo. Na Europa, as bolsas sobem e a indicação é que o mercado acionário em Nova York abra em leve queda. À tarde, será divulgada a ata do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) da última reunião.

GNet

Matérias Relacionadas

Economia

Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões

Dezenas serão sorteadas nesta noite em São Paulo
Mega-Sena deste sábado tem prêmio estimado em R$ 35 milhões
Geral

Empréstimos não autorizados lideram lista de reclamações

Procon de Jaraguá do Sul fechou levantamento de ocorrências referente ao 1º quadrimestre deste ano
Empréstimos não autorizados lideram lista de reclamações
Geral

Motoboys fazem manifestação contra cobrança do estacionamento rotativo em Jaraguá

Profissionais querem isenção na cobrança do estacionamento para motocicletas
Motoboys fazem manifestação contra cobrança do estacionamento rotativo em Jaraguá
Economia

Para conter inflação, governo zera imposto de importação de alimentos

Carnes, farinha de trigo e biscoitos estão entre os produtos afetados
Para conter inflação, governo zera imposto de importação de alimentos
Ver mais de Economia