105 Ouça
Valeio Gorges
ECONOMIA

Em compasso de espera por Previdência, Ibovespa cai com exterior negativo

27 Fev 2019 - 19h45Por Antonio Perez

Em meio a um ambiente conturbado, com bolsas americanas no vermelho, e sem sinais concretos sobre as chances de aprovação da reforma da Previdência no Congresso, o mercado acionário doméstico trabalhou em marcha lenta nesta quarta-feira, 27. Alternando ligeiros avanços e recuos ao longo da tarde, o Ibovespa encerrou o dia em queda, mas ainda na casa dos 97 mil pontos.

Segundo operadores, o mercado deve seguir sem ânimo até pelo menos a instalação da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara - por onde começará a tramitar a reforma da Previdência -, que deve ocorrer apenas depois do carnaval. Além disso, investidores não querem se expor a uma eventual piora no exterior no início da semana que vem - em meio a notícias sobre negociações comerciais entre China e Estados Unidos e a novela do Brexit, por exemplo - com a B3 fechada.

O gerente da mesa de operação da Coinvalores, Marco Antônio Siqueira, afirma que o mercado está em compasso de espera e não deve engatar uma nova rodada de alta enquanto não houver sinais claros de que o governo tem grandes chances de aprovar a reforma. "A direção da bolsa, seja para cima ou para baixo, vem dessa questão da Previdência", afirma.

Com máxima de 97.781,81 pontos e mínima de 96.885,98 pontos, o Ibovespa fechou em queda de 0,30%, aos 97.307,50 pontos, em linha com as bolsas americanas, abaladas por sinais de impasse nas conversa entre China e Estados Unidos. A liquidez foi reduzida, na casa de R$ 11 bilhões.

O tombo não foi pior porque as ações da Petrobras avançaram, estimuladas pela alta do petróleo e a expectativa de que os resultados da companhia do quarto trimestre. O papel PN da petroleira subiu 1,88%, e o ON, 0,52%. Também avançaram os papéis da Eletrobras, na esteira da informação dada pelo ministro de Minas e Energia, Bento Albuquerque, de que o modelo de capitalização deve ser definido até junho. O papel ON subiu 4,76%, a segunda maior alta do Ibovespa. Do lado negativo, a Vale caiu 0,78% após a Moody's rebaixar o rating da mineradora, que perdeu o grau de investimento (selo de bom pagador).

"Quem salvou hoje o Ibovespa foi a Petrobras, com o petróleo e a questão do balanço. A verdade é que o mercado está sem fôlego", afirma Felipe Favero, analista da Criteria Investimentos, ressaltando que investidores esperam uma postura mais ativa do presidente Jair Bolsonaro em relação à reforma da Previdência.

No início da tarde, o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, disse que Bolsonaro vai entrar de vez na batalha pela aprovação da reforma previdência na semana que vem. "Logo depois do carnaval, o presidente vai 'botar o peito n'água". Leia-se: falar publicamente a favor da reforma. O ministro também disse que "se tudo correr bem, e Deus há de querer", em junho a reforma já terá sido aprovada no Congresso.

Escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro para ocupar a liderança do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-S) saiu de encontro com Paulo Guedes dizendo que o ministro da Economia até aceita conversar sobre pontos da reforma como o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e aposentadoria rural. Há, contudo, um ponto inegociável: a reforma tem que trazer uma economia prevista na casa de R$ 1 trilhão.

Valeio Gorges

Matérias Relacionadas

Economia

Gustavo Bardim realiza turnê com Orquestra Jovem da SCAR

A turnê terá um repertório eclético, com canções que vão do clássico sertanejo ao rock e prometem agradar todos os públicos.
Gustavo Bardim realiza turnê com Orquestra Jovem da SCAR
Economia

Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto

Portaria que amplia transação tributária foi publicada hoje
Empresas poderão renegociar dívidas com o Fisco com 70% de desconto
Economia

Decreto regulamenta crédito consignado no Auxílio Brasil

Texto foi publicado hoje no Diário Oficial da União
Decreto regulamenta crédito consignado no Auxílio Brasil
Economia

Desemprego registra queda em 22 unidades da federação

Maior recuo foi registrado em Tocantins
Desemprego registra queda em 22 unidades da federação
Ver mais de Economia