Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Economia fiscal com reforma é maior que se esperava, diz Arminio

20 Fev 2019 - 16h37Por Vinicius Neder

O ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga afirmou nesta quarta-feira, 20, que, embora não tenha tido tempo de ler a apresentação sobre a proposta de reforma da Previdência feita pelo governo federal, "o número (de economia fiscal ao longo do tempo) é maior do que se esperava".

"Agora, é preciso ver os detalhes, como essa reforma vai sair do Congresso", afirmou Arminio, em aula magna do curso de relações internacionais do FGV Educação Executiva, na Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio.

O ex-presidente do BC destacou que o que foi apresentado pelo governo federal é a proposta inicial. Para Arminio, estamos vendo como a reforma "está entrando" no Congresso, mas é preciso "ver como vai sair". "Minha torcida é que essa reforma saia até mais forte do que entrou, mas isso é um certo sonho", disse Arminio.

Para o economista, o fundamental é que a reforma da Previdência, além de "justa", seja "impactante" do ponto de vista fiscal, gerando economia aos cofres públicos. Nas contas de Arminio, citadas por ele na aula magna, o governo federal precisaria de um ajuste fiscal de cinco a seis pontos porcentuais do PIB, para passar de um déficit a um superávit primário nas contas públicas. Se houver economia pequena com a Previdência, o ajuste terá que ser feito em outros gastos públicos, como saúde e educação.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Valor médio de auxílio emergencial será de R$ 250, diz Guedes

Expectativa é que benefício comece a ser pago ainda neste mês
Valor médio de auxílio emergencial será de R$ 250, diz Guedes
Economia

Petrobras aumenta preços da gasolina e do diesel nas refinarias

Sexto aumento da gasolina do ano é da ordem de 9,2% para R$ 2,84
Petrobras aumenta preços da gasolina e do diesel nas refinarias
Política

Governo indica seis nomes para Conselho da Petrobras

Indicados serão apresentados à Assembleia Geral Extraordinária
Governo indica seis nomes para Conselho da Petrobras
Saúde

Supremo confirma vigência de medidas sanitárias contra a covid-19

Ministros mantiveram decisão de Lewandowski, de dezembro
Supremo confirma vigência de medidas sanitárias contra a covid-19
Ver mais de Economia