Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Economia fiscal com reforma é maior que se esperava, diz Arminio

20 Fev 2019 - 16h37Por Vinicius Neder

O ex-presidente do Banco Central (BC) Arminio Fraga afirmou nesta quarta-feira, 20, que, embora não tenha tido tempo de ler a apresentação sobre a proposta de reforma da Previdência feita pelo governo federal, "o número (de economia fiscal ao longo do tempo) é maior do que se esperava".

"Agora, é preciso ver os detalhes, como essa reforma vai sair do Congresso", afirmou Arminio, em aula magna do curso de relações internacionais do FGV Educação Executiva, na Fundação Getulio Vargas (FGV) do Rio.

O ex-presidente do BC destacou que o que foi apresentado pelo governo federal é a proposta inicial. Para Arminio, estamos vendo como a reforma "está entrando" no Congresso, mas é preciso "ver como vai sair". "Minha torcida é que essa reforma saia até mais forte do que entrou, mas isso é um certo sonho", disse Arminio.

Para o economista, o fundamental é que a reforma da Previdência, além de "justa", seja "impactante" do ponto de vista fiscal, gerando economia aos cofres públicos. Nas contas de Arminio, citadas por ele na aula magna, o governo federal precisaria de um ajuste fiscal de cinco a seis pontos porcentuais do PIB, para passar de um déficit a um superávit primário nas contas públicas. Se houver economia pequena com a Previdência, o ajuste terá que ser feito em outros gastos públicos, como saúde e educação.

Matérias Relacionadas

Economia

Exportação de SC cresce 36,3% em maio

No acumulado de janeiro a maio, os embarques do estado somaram US$ 3,8 bilhões - um aumento de 11,2% em relação ao mesmo período de 2020
Exportação de SC cresce 36,3% em maio
Economia

Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses

Programa de Microcrédito Municipal atende micro e pequenas empresas, microempreendedores individuais e autônomos
Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses
Economia

Bolsonaro pede a empresários para segurarem preço dos alimentos

Pedido ocorreu durante encontro no Rio de Janeiro
Bolsonaro pede a empresários para segurarem preço dos alimentos
Economia

Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano

Decisão de elevar a Selic pela terceira vez era esperada pelo mercado
Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano
Ver mais de Economia