ECONOMIA

Dólar tem maior queda porcentual em 15 dias com expectativa de avanço da reforma

11 Mar 2019 - 19h20Por Altamiro Silva Junior

O dólar engatou a segunda queda consecutiva e fechou no maior ritmo de baixa (-0,75%) em 15 dias, cotado em R$ 3,8409 nesta segunda-feira, 11. Após bater em R$ 3,90 na semana passada, investidores seguiram desmontando posições compradas em dólar, aquelas que ganham com a alta da moeda americana, em meio ao otimismo com a reforma da Previdência, com a confirmação da instalação na quarta-feira (13) da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) na Câmara, onde a medida inicia sua tramitação no Congresso. O exterior mais positivo também ajudou, com o dólar recuando ante moedas emergentes como o peso mexicano e o rand da África do Sul.

Investidores estrangeiros reduziram em US$ 1,1 bilhão suas posições compradas em dólar no mercado futuro somente na sexta-feira (4), segundo dados da B3. O movimento deu continuidade à redução dessas posições iniciadas no dia anterior, quando o presidente Jair Bolsonaro começou a postar mensagens sobre a prioridade da reforma da Previdência. Na sexta, o ministro da Economia Paulo Guedes declarou ao 'Estado' que mapeamento do governo mostra que faltam apenas 48 votos para a reforma conseguir ser aprovada na Câmara.

Também repercutiu bem nas mesas de operação nesta segunda a reunião no final de semana entre o presidente Jair Bolsonaro e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para discutir a reforma. Segundo relatos, Bolsonaro deu sinal verde para Maia encaminhar pedidos de nomeações no segundo escalão do governo. Nesta segunda, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) disse que a articulação do governo vai melhorar e em duas semanas "tudo estará fluindo no céu de brigadeiro".

Na avaliação do gerente de tesouraria do Travelex Bank, Felipe Pellegrini, todas essas notícias sobre a Previdência contribuíram para um clima de otimismo com reforma, refletido na queda do dólar nesta segunda. Ele vê chance de o dólar voltar a operar abaixo dos R$ 3,80 se houver novos desdobramentos positivos. Já se ocorrerem "engasgos", o câmbio pode ficar mais estressado, destaca ele.

Sobre a CCJ, os economistas do JPMorgan esperam que a reforma seja aprovada nesta comissão, mas a tramitação também será útil para ver a capacidade do Planalto de negociar com o Congresso. Qualquer atraso na CCJ pode adiar a tramitação, ressalta o JP em relatório. "Continuamos a ver uma estrada com solavancos para a aprovação de uma reforma mais diluída no final do ano", observa o banco, destacando que prevê economia fiscal ao redor de R$ 700 bilhões.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Geral

Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem

Dados de uma pesquisa referente ao ano de 2020, revelaram que 91% da população entrevistada em nosso município pratica a reciclagem em suas residências.
Jaraguá do Sul é destaque no Dia Mundial da Reciclagem
Economia

Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021

Texto determina a reversão de reajustes já aplicados neste ano
Senado aprova suspensão no aumento de preço de medicamentos em 2021
Economia

Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos

Empresas de serviço e de comércio têm usado mais programa do governo
Programa de redução de salário preserva 1,5 milhão de empregos
Economia

Petrobras obtém lucro de mais de R$ 1 bilhão no primeiro trimestre

Empresa aumentou produção de petróleo e gás natural em 3%
Petrobras obtém lucro de mais de R$ 1 bilhão no primeiro trimestre
Ver mais de Economia