ECONOMIA

Dólar têm forte alta com ruídos sobre Maia e temor de recessão nos EUA

22 Mar 2019 - 11h14Por Silvana Rocha

O dólar segue pressionado para cima por aversão ao risco com a reforma da Previdência e nos mercados internacionais em meio a receios renovados de desaceleração global e de recessão nos EUA, de acordo com operadores do mercado. Protestos de rua contra a reforma da Previdência estão marcados para esta sexta-feira, 22, no País e serão monitorados pelo mercado para avaliar o grau de adesão da população às manifestações.

O investidor opera na defensiva temendo sobretudo os desdobramentos dos ruídos entre o presidente da Câmara e o ministro da Justiça Sérgio Moro. Irritado com os ataques que tem recebido nas redes sociais, com a falta de articulação do governo e com os recentes embates com o ministro da Justiça, Sergio Moro, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), ameaçou se afastar da articulação pela reforma da Previdência, pelo menos por enquanto, segundo relato de aliados.

Maia afirmou a interlocutores não entender porque o núcleo do governo não o defendeu e deixou os ataques aumentarem se ele estava ajudando na articulação. Maia fez questão de enfatizar que quem pediu urgência na tramitação da proposta da Previdência foi o próprio presidente Jair Bolsonaro. Líderes governistas avaliaram que o afastamento de Maia mina um dos únicos canais de interlocução que o Congresso ainda tinha com Planalto.

O movimento de Maia começou a gerar reações. Os líderes do Centrão, já insatisfeitos com a proposta da Previdência para os militares, aproveitaram o clima para rejeitar a relatoria da PEC da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara.

No Chile, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista ao jornal El Mercurio, que a sociedade brasileira tem maturidade hoje para uma reforma da Previdência e que cabe aos parlamentares aperfeiçoar e aprovar a proposta enviada ao Congresso.

No exterior, o achatamento da curva de rendimentos dos Treasuries gerou novos temores de recessão nos Estados Unidos nesta manhã. Após dados abaixo do esperado no Japão, na Alemanha e na zona do euro, investidores optaram pela compra de títulos americanos de prazo mais longo, levando o spread entre os retornos dos títulos de três meses e de dez anos a menos de 1 ponto-base. Essa é a principal relação acompanhada pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano) para indicar possíveis recessões econômicas em solo americano.

Às 9h47, o dólar à vista estava em alta de 1,69%, em R$ 3,8647. O dólar futuro de abril subia 1,91%, aos R$ 3,8660.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central

Medida prevê mandatos para dirigentes do órgão
Bolsonaro sanciona projeto que dá autonomia ao Banco Central
Economia

Dólar tem pequena queda e fecha a R$ 5,42

Bolsa sobe 0,38% em dia de recuperação
Geral

Prefeito e vice participam da plenária da CDL de Jaraguá desta quarta

Eles falam sobre os projetos para a gestão 2021-2024.
Prefeito e vice participam da plenária da CDL de Jaraguá desta quarta
Economia

Presidente da Fapesc visita Jaraguá do Sul

Fábio Zabot Holthausen veio a Jaraguá para estreitar laços, trocar ideias e visitar, novamente, o Centro de Inovação - NovaleHub no bairro Três Rios do Sul.
Presidente da Fapesc visita Jaraguá do Sul
Ver mais de Economia