transito
ECONOMIA

Dólar fecha perto da estabilidade com cautela em relação à Previdência

25 Fev 2019 - 19h25Por Altamiro Silva Junior

O mercado de câmbio terminou a segunda-feira, 25, em compasso de espera, na expectativa por detalhes da tramitação da reforma da Previdência e por uma série de eventos previstos para os próximos dias, no Brasil e no exterior. O dólar chegou a cair a R$ 3,72 pela manhã, seguindo o enfraquecimento da moeda americana no mercado internacional, mas na parte da tarde chegou até a ensaiar alta e terminou o dia perto da estabilidade. Uma das notícias que não agradaram foi a confirmação de que a instalação da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Câmara, por onde a proposta da Previdência vai começar a tramitar no Congresso, foi adiada para depois do carnaval. O dólar à vista fechou em leve alta de 0,08%, a R$ 3,7437, enquanto a moeda americana caiu ante outros emergentes, como a Turquia e a África do Sul.

Nem mesmo a queda do risco-país, medida pelo Credit Default Swap (CDS) de 5 anos do Brasil, ajudou a retirar pressão do mercado de câmbio na parte da tarde. O contrato caiu de 162 pontos do fechamento de sexta-feira para 158 no final da tarde, segundo cotações da IHS Markit. Desde 19 de abril de 2018 o CDS não fecha abaixo de 160 pontos. "A organização do governo ainda está lenta", disse o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) ao falar do adiamento da instalação da CCJ. Mais cedo, ele havia declarado que os pontos mais sensíveis da reforma são os benefícios (BPC), aposentaria rural e tempo de contribuição.

O sócio-diretor da Assessoria Via Brasil, Durval Corrêa, destaca que o mercado de câmbio está operando sem fôlego para firmar uma tendência, na ausência de detalhes mais concretos das articulações do governo para a tramitação da reforma. Além disso, o investidor estrangeiro segue de fora do mercado, também no aguardo pela Previdência. Sem fluxo externo forte, a moeda também tem dificuldade de firmar uma rumo. Para Corrêa, sem fatos novos sobre a reforma, a expectativa é que a moeda americana fique oscilando na casa dos R$ 3,70/R$ 3,75.

Além da reforma, as mesas de operação aguardam eventos que virão nos próximos dias, que incluem a divulgação de indicadores importantes, como o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil e dos Estados Unidos, além de ter a definição do referencial Ptax de fevereiro, discursos no Congresso do presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano), Jerome Powell, e a sabatina nesta terça no Senado do novo presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto. O dólar começou o dia em queda no exterior, por conta do maior apetite por risco após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciar a extensão do prazo de 1º de março, que marcaria o fim da trégua tarifária com a China. "Isto marca mais um passo positivo no processo de desarmar as tensões comerciais bilaterais", ressaltam os estrategistas do JPMorgan.

Matérias Relacionadas

Economia

Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história

Cerca de 5,6 milhões de contribuintes receberão R$ 9,5 bilhões
Receita abre consulta a maior lote de restituição do IR da história
Economia

Intenção de Consumo das Famílias avança 1,3% em maio

Esse é o segundo resultado positivo consecutivo, apurado pela CNC
Intenção de Consumo das Famílias avança 1,3% em maio
Santa Catarina

Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia

Implantação do novo sistema comercial teria apresentado instabilidade
Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia
Economia

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC
Ver mais de Economia