Dia internacional das Mulheres
ECONOMIA

Dólar avança com preocupações sobre reforma após Guedes cancelar visita à CCJ

26 Mar 2019 - 18h57Por Antonio Perez

Depois do alívio do pregão de segunda-feira, o mercado de câmbio voltou a se estressar nesta terça-feira, 26, com as dúvidas em relação ao andamento da reforma da Previdência, após o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelar sua visita à Comissão de Constituição e Justiça(CCJ) na Câmara. Afora uma pequena queda logo na abertura dos negócios, o dólar operou em alta na sessão desta terça-feira e, com máxima de R$ 3,87, fechou a R$ 3,8675, avanço de 0,29%%. Com alta de 3,27% em março, em meio à arrancada na semana passada por conta da crise política, o dólar praticamente zerou a queda no ano (-0,21%). Lá fora, o dia foi de leve alta do dólar em relação a pares desenvolvidos e na comparação com divisas emergentes mais próximas do real, como o peso mexicano e o rand sul-africano.

A ausência de Guedes na CCJ deu lugar a um embate entre oposição e governo na comissão e demonstrou, uma vez mais, as falhas na articulação política do governo Jair Bolsonaro, que, no meio do furacão, encontrou tempo para ir assistir à pré-estreia de um filme de cunho religioso em Brasília. Com o pregão praticamente encerrado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que concordou em pautar a PEC sobre o Orçamento a pedido dos líderes dos partidos. Maia negou, contudo, que se tratava de retaliação ao governo.

Guedes cancelou ida a CCJ alegando que não faria sentido falar sobre Previdência à comissão sem que o relator sobre o tema fosse definido. Coube ao secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, ir à comissão. Em meio a troca de farpas entre oposição e governo, contudo, o presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), cancelou a sessão. Depois de pedir votação de requerimento para convocar o ministro, a oposição fechou acordo com o governo para que Guedes vá à Comissão no dia 3 de abril. Já Francischini disse que deve indicar relator da reforma ainda nesta semana.

Para Jayme Ferreira, diretor de câmbio da corretora Intercam, o dólar deve seguir girando acima de R$ 3,85 e pode furar novamente o teto de R$ 3,90 no curto prazo caso não haja uma melhora no relacionamento entre o governo e as principais lideranças na Câmara, em especial o presidente da Casa, Rodrigo Maia. "Se não houver alívio no estresse político, o dólar pode superar R$ 3,90 novamente e até buscar os R$ 4", afirma Ferreira, acrescentando que a indicação de um relator para a CCJ e a ida de Guedes podem, contudo, desanuviar o ambiente.

Diante das tensões na articulação com o Congresso, parece cada vez menos crível que o governo consiga emplacar o texto-base da reforma da Previdência. Até a aprovação de uma versão desidratada ainda no primeiro semestre já é posta em dúvida. Nesta terça-feira, líderes de 13 partidos que formam o bloco informal 'Centrão' divulgaram um documento em que apoiam a reforma da Previdência enviada por Bolsonaro, mas ressaltaram que pretendem retirar dois pontos do texto: as mudanças no benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda (BPC) e na aposentadoria rural.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Operação fecha seis estabelecimentos que descumpriram decreto de combate à Covid-19 em Guaramirim

Os donos dos estabelecimentos foram orientados sobre as regras em vigor e informados sobre as penalidades caso descumpram as medidas de combate ao coronavírus
Operação fecha seis estabelecimentos que descumpriram decreto de combate à Covid-19 em Guaramirim
Economia

Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo

Ferramenta diminui comparecimento às agências
Banco do Brasil oferece prova de vida do INSS por aplicativo
Geral

Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim

Todas as pessoas físicas podem fazer doações de recursos financeiros aos Fundos Municipais
Contribuinte pode destinar parte do IR para projetos sociais de Guaramirim
Economia

Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol

Álcool acumula aumento de 21% desde janeiro
Aumento da gasolina também causa impacto no preço do etanol
Ver mais de Economia