Joaçaba Pneus
ECONOMIA

Dólar avança com preocupações sobre reforma após Guedes cancelar visita à CCJ

26 Mar 2019 - 18h57Por Antonio Perez

Depois do alívio do pregão de segunda-feira, o mercado de câmbio voltou a se estressar nesta terça-feira, 26, com as dúvidas em relação ao andamento da reforma da Previdência, após o ministro da Economia, Paulo Guedes, cancelar sua visita à Comissão de Constituição e Justiça(CCJ) na Câmara. Afora uma pequena queda logo na abertura dos negócios, o dólar operou em alta na sessão desta terça-feira e, com máxima de R$ 3,87, fechou a R$ 3,8675, avanço de 0,29%%. Com alta de 3,27% em março, em meio à arrancada na semana passada por conta da crise política, o dólar praticamente zerou a queda no ano (-0,21%). Lá fora, o dia foi de leve alta do dólar em relação a pares desenvolvidos e na comparação com divisas emergentes mais próximas do real, como o peso mexicano e o rand sul-africano.

A ausência de Guedes na CCJ deu lugar a um embate entre oposição e governo na comissão e demonstrou, uma vez mais, as falhas na articulação política do governo Jair Bolsonaro, que, no meio do furacão, encontrou tempo para ir assistir à pré-estreia de um filme de cunho religioso em Brasília. Com o pregão praticamente encerrado, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia, disse que concordou em pautar a PEC sobre o Orçamento a pedido dos líderes dos partidos. Maia negou, contudo, que se tratava de retaliação ao governo.

Guedes cancelou ida a CCJ alegando que não faria sentido falar sobre Previdência à comissão sem que o relator sobre o tema fosse definido. Coube ao secretário especial de Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, ir à comissão. Em meio a troca de farpas entre oposição e governo, contudo, o presidente da CCJ, deputado Felipe Francischini (PSL-PR), cancelou a sessão. Depois de pedir votação de requerimento para convocar o ministro, a oposição fechou acordo com o governo para que Guedes vá à Comissão no dia 3 de abril. Já Francischini disse que deve indicar relator da reforma ainda nesta semana.

Para Jayme Ferreira, diretor de câmbio da corretora Intercam, o dólar deve seguir girando acima de R$ 3,85 e pode furar novamente o teto de R$ 3,90 no curto prazo caso não haja uma melhora no relacionamento entre o governo e as principais lideranças na Câmara, em especial o presidente da Casa, Rodrigo Maia. "Se não houver alívio no estresse político, o dólar pode superar R$ 3,90 novamente e até buscar os R$ 4", afirma Ferreira, acrescentando que a indicação de um relator para a CCJ e a ida de Guedes podem, contudo, desanuviar o ambiente.

Diante das tensões na articulação com o Congresso, parece cada vez menos crível que o governo consiga emplacar o texto-base da reforma da Previdência. Até a aprovação de uma versão desidratada ainda no primeiro semestre já é posta em dúvida. Nesta terça-feira, líderes de 13 partidos que formam o bloco informal 'Centrão' divulgaram um documento em que apoiam a reforma da Previdência enviada por Bolsonaro, mas ressaltaram que pretendem retirar dois pontos do texto: as mudanças no benefício assistencial pago a idosos e pessoas com deficiência de baixa renda (BPC) e na aposentadoria rural.

Matérias Relacionadas

Economia

Exportação de SC cresce 36,3% em maio

No acumulado de janeiro a maio, os embarques do estado somaram US$ 3,8 bilhões - um aumento de 11,2% em relação ao mesmo período de 2020
Exportação de SC cresce 36,3% em maio
Economia

Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses

Programa de Microcrédito Municipal atende micro e pequenas empresas, microempreendedores individuais e autônomos
Programa Juro Zero libera mais de R$ 2 milhões em dois meses
Economia

Bolsonaro pede a empresários para segurarem preço dos alimentos

Pedido ocorreu durante encontro no Rio de Janeiro
Bolsonaro pede a empresários para segurarem preço dos alimentos
Economia

Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano

Decisão de elevar a Selic pela terceira vez era esperada pelo mercado
Copom eleva taxa básica de juros para 4,25% ao ano
Ver mais de Economia