ECONOMIA

Cintra agrada ao defender proposta que comece por mudar tributos federais

17 Mai 2019 - 18h44Por Francisco Carlos de Assis

O secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra, agradou aos empresários presentes nesta sexta-feira, 17, no Fórum Nacional da Indústria, na sede da Confederação Nacional da Indústria (CNI), em São Paulo, ao defender uma reforma tributária que se iniciaria pela simplificação dos impostos federais. A saber, PIS, Cofins e IPI. Só na segunda etapa entrariam os impostos estaduais e municipais.

A defesa feita pelo secretário foi contemplar na primeira etapa pontos da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) formulada pelo deputado Baleia Rossi (MDB-SP), segundo relatou ao Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, um participante do fórum. ICMS e ISS ficariam para a segunda etapa.

A reforma iniciada pela simplificação dos tributos federais enfrentaria menos resistência, na avaliação do interlocutor que participou do evento e segundo quem esse teria sido o entendimento quase consensual de seus pares no encontro. "Acreditamos que desta forma será mais fácil aprovar a reforma porque boa parte dos congressistas ou é empresário ou tem contato com o setor empresarial", disse a fonte.

O secretário da Receita também teria se mostrado favorável a adotar uma espécie de Imposto de Valor Agregado (IVA), mas para unificar, na primeira etapa, apenas os impostos federais.

Ainda de acordo com o empresário, Cintra teria colocado para os presentes o fim da tributação previdenciária sobre a folha de pagamentos. Para compensar desoneração da folha, Cintra propôs a criação de um novo imposto que tributaria o consumo. O recurso seria usado para financiar a Previdência e teria uma alíquota inferior a 1%, que seria dividida igualmente entre o consumidor e o vendedor.

Os empresários, de acordo com o interlocutor, teriam aprovado a ideia porque, se realmente levada a cabo, aumentaria a base de arrecadação previdenciária e eliminaria o vínculo das empresas e empresários com a Previdência. "Seria uma reforma que além de simplificar o sistema tributário resolveria o problema da Previdência no Brasil", disse.

Cintra também teria feito menção à carteira de trabalho verde e amarela, proposta de campanha do presidente Jair Bolsonaro. Este foi outro ponto que teria deixado satisfeitos os empresários porque se trata de um projeto que faria recair apenas sobre os trabalhadores a responsabilidade de fazer uma poupança para sua aposentadoria.

Matérias Relacionadas

Economia

Governo defende reformas após a pandemia para recuperar o PIB

Ministério da Economia também pede manutenção do teto de gastos
Governo defende reformas após a pandemia para recuperar o PIB
Economia

Beneficiários do auxílio emergencial podem pagar compras via celular

A Caixa Econômica Federal liberou uma atualização do aplicativo Caixa Tem que permite o pagamento por meio de código QR
Beneficiários do auxílio emergencial podem pagar compras via celular
Economia

Agências da Caixa abrem neste sábado para atendimento aos beneficiários do Auxílio Emergencial

Em Jaraguá do Sul, a agência da Rua Gumercindo da Silva estará aberta faz 8h às 12h.
Agências da Caixa abrem neste sábado para atendimento aos beneficiários do Auxílio Emergencial
Economia

Prefeitura presta conta das metas fiscais do 1° quadrimestre

A arrecadação com ICMS que era de R$ 14 milhões em março, caiu para R$ 10,8 milhões em abril.
Prefeitura presta conta das metas fiscais do 1° quadrimestre
Ver mais de Economia