GNet
Caraguá
ECONOMIA

Bolsas de NY fecham em alta puxadas por ações de tecnologia e saúde

13 Mar 2019 - 19h38Por Gabriel Wainer

As bolsas de Nova York fecharam em alta nesta quarta-feira, 13, impulsionadas pelos setores de tecnologia e saúde. Os ganhos ocorreram mesmo diante das incertezas acerca do Brexit, após o Parlamento britânico rejeitar a possibilidade de o Reino Unido sair da União Europeia sem um acordo e a premiê do país, Theresa May, afirmar que "o padrão segue sendo deixar UE sem um acordo a não ser que algo seja acordado".

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,58%, em 25.702,89 pontos, o S&P 500 subiu 0,69%, em 2.810,92 e o Nasdaq avançou 0,69%, em 7.643,41 pontos. As ações da UnitedHealth subiram 2,59%, da Intel Corp. avançaram 1,49% e as da farmacêutica Wallgreens fecharam em alta de 1,48%.

As ações da Boeing contribuíram para o movimento, ao encerrarem o pregão em alta mesmo após o presidente americano, Donald Trump, ter anunciado que os Estados Unidos também manterão no chão as aeronaves da companhia do tipo 737 Max 8 e 9. Os papéis da Boeing despencaram mais de 3% após o anúncio de Trump, mas se recuperaram durante a sessão.

O Facebook, o Instagram e o Whastapp apresentaram instabilidades durante todo o dia. Desde a manhã, usuários relataram que não era possível comentar ou publicar conteúdo no Facebook, tanto em páginas pessoais quanto perfis. No Instagram ocorreu o mesmo problema, sendo que para alguns usuários o feed de notícias da rede parou de carregar. Já no aplicativo de mensagens instantâneas, o Whatsapp apresenta erro para enviar áudios e imagens. Apesar disso, as ações do Faceboook fecharam em alta de 0,84%, e as do Twitter subiram 0,45%.

Do outro lado do Atlântico, no Reino Unido, o Parlamento britânico aprovou o projeto que rejeita a possibilidade de ocorrer um Brexit sem acordo. Nesta quinta, o Parlamento votará se o Reino Unido irá ou não solicitar uma extensão do prazo descrito no Artigo 50 do Tratado de Lisboa.

Nesta quarta pela manhã, o principal negociador da UE para o Brexit, Michael Barnier, questionou a relevância de eventualmente estender a saída do Reino Unido para além do dia 29, uma vez que as duas propostas de acordo de May foram derrotadas no Parlamento. Sobre isso, o analista da CMC Markets, Michael Hewson, disse que "embora o adiamento seja fácil de alcançar, não é de forma alguma correto que a UE se sinta obrigada a aceitar esta opção, se não houver forte razão que justifique o adiamento".

Caraguá

Matérias Relacionadas

Segurança

Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix

Foram vazados dados cadastrais da Acesso Pagamentos
Banco Central comunica vazamento de dados de 160,1 mil chaves Pix
Economia

Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis

Em 2021, a gasolina e o diesel subiram 47%, Etanol acumula alta de 62%
Presidente negocia PEC para zerar impostos sobre combustíveis
Economia

Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022

Confira o reajuste que será concedido aos trabalhadores
Sindicato dos Metalúrgicos da região e classe patronal fecham reajuste para 2022
Geral

Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões

Próximo sorteio será no sábado
Mega-Sena acumula e próximo concurso deve pagar R$ 22 milhões
Ver mais de Economia