ECONOMIA

Bolsas de NY fecham em alta expressiva com comércio EUA-China e sinais do Fed

15 Fev 2019 - 20h58Por Victor Rezende

Os mercados acionários americanos apresentaram alta expressiva nesta sexta-feira, 15, alimentados por sinais de que a redução do balanço patrimonial do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) pode acabar este ano e pelo otimismo em torno das negociações comerciais entre Estados Unidos e China em Pequim, o qual já se fazia presente em pregões anteriores. Comentários do presidente americano, Donald Trump, sobre a questão comercial também foram monitorados, enquanto a declaração de emergência nacional para a construção de um muro na fronteira dos EUA com o México ficou em segundo plano.

Na Bolsa de Valores de Nova York (Nyse), o índice Dow Jones chegou ao fim do dia com 25.883,25 pontos, em alta de 1,74% no dia e de 1,33% na semana. Ainda em Wall Street, o S&P 500 subiu 1,09%, para 2.775,50 pontos, com ganho semanal de 1,40%. O índice eletrônico Nasdaq, por sua vez, avançou 0,61% nesta sexta e 1,76% na semana, para 7.472,41 pontos.

O presidente americano cumpriu a promessa de campanha. Durante a tarde desta sexta-feira, ele enviou uma carta ao vice-presidente, Mike Pence, e à presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, onde afirma que declarou emergência nacional relacionada à fronteira sul do país. O ato havia sido antecipado ainda na quinta-feira tanto pela Casa Branca quanto por líderes republicanos no Congresso. Ainda assim, os valores estavam imprecisos. O chefe de gabinete interino do governo, Mick Mulvaney, indicou, antes de um pronunciamento de Trump, que destinaria US$ 6,7 bilhões para a segurança na fronteira, o que, acrescido do valor de US$ 1,4 bilhão contido no programa orçamentário deste ano, somaria pouco mais de US$ 8 bilhões para a construção de um muro fronteiriço.

O assunto, contudo, já estava precificado nos mercados. Após a oficialização, os principais indicadores acionários nova-iorquinos até chegaram a apagar um pouco os ganhos do dia, mas voltaram a se recuperar. As bolsas já abriram no positivo enquanto monitoravam questões relacionadas às conversas comerciais em Pequim. Por lá, não houve muito progresso. No entanto, as negociações continuarão na próxima semana à medida que o prazo de 1º de março se aproxima. Trump, aliás, voltou a dizer que pode estender esse limite caso um acordo esteja "muito próximo" de ser concluído. O otimismo no setor industrial (+1,34%) foi generalizado: Boeing subiu 1,99%, 3M ganhou 1,92%, Caterpillar avançou 2,60% e Lockheed Martin teve alta de 2,07%.

"Entendemos que um aumento adicional nas tarifas pode ser evitado e que um acordo de curto prazo pode intensificar o rali nos ativos de risco, mas continuamos a acreditar que a disputa comercial EUA-China é um sintoma de um conflito muito mais profundo para a supremacia tecnológica e que se revelará muito mais difícil de se resolver", comentou o chefe de investimentos globais do UBS, Mark Haefele. O banco suíço acredita que a economia chinesa crescerá 6,1% este ano, o que indica forte desaceleração na comparação com 2018, quando o Produto Interno Bruto (PIB) chinês teve expansão de 6,6%.

Ainda mais cautela às questões sobre a economia global pode ser adicionada após novos dados dos EUA. A indústria do país produziu 0,6% menos em janeiro na comparação com dezembro e acabou frustrando as projeções de alta de 0,1%. O Goldman Sachs, que já havia cortado as estimativas de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA do quarto trimestre do ano passado, voltou a reduzir suas projeções. Agora, o banco prevê expansão anualizada de 1,9% em relação aos três meses anteriores. Antes, esperava 2,0% de crescimento.

Atento aos sinais de desaceleração da economia americana, o Fed voltou a aparecer. Dessa vez, foi Mary Daly, que não tem direito a voto em 2019, que indicou que o enxugamento do portfólio de ativos do banco central pode acabar este ano e que as taxas de juros podem não subir caso a performance da economia fique em linha com o esperado por ela. Mesmo assim, foi o setor financeiro (+1,86%) que liderou a alta no dia, com o salto de ações de bancos como Goldman Sachs (+3,10%), JPMorgan (+3,06%), Citigroup (+2,96%) e Morgan Stanley (+3,12%).

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2

Parcela varia de R$ 150 a R$ 375, dependendo do beneficiário
Auxílio emergencial é pago a beneficiários do Bolsa Família com NIS 2
Economia

Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado

Apostas podem ser feitas até as 19h
Caixa sorteia R$ 30 milhões da Dupla-Sena da Páscoa neste sábado
Economia

WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais

Com uma nova fábrica de Eletrocentros em Betim, companhia pretende fortalecer sua posição em um dos mais importantes mercados de equipamentos elétricos industriais e para geração de energia do país
WEG anuncia novos investimentos em Minas Gerais
Economia

Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias

Litro do diesel passará a custar R$ 2,76, e o da gasolina, R$ 2,64
Petrobras aumenta preços do diesel e da gasolina nas refinarias
Ver mais de Economia