ECONOMIA

Bolsas da Europa caem e Stoxx-600 cai ao menor nível em mais de 2 anos

20 Dez 2018 - 15h03Por Monique Heemann

Os mercados acionários da Europa fecharam em queda nesta quinta-feira, 20, depois da decisão do Federal Reserve (Fed, o banco central americano) de elevar os juros nos Estados Unidos em 0,25 ponto porcentual e em meio à decisão do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que manteve o nível das taxas mas ressaltou os riscos do Brexit. Com isso, o índice Stoxx-600 registrou queda de 1,45%, aos 336,58 pontos, no menor nível de fechamento em mais de dois anos.

O índice FTSE 100, de Londres, fechou em queda de 0,80%, aos 6.711,93 pontos, enquanto o DAX, de Frankfurt, recuou 1,44%, aos 10.611,10 pontos, e o Ibex 35, de Madri, registrou queda de 1,97%, para 8.596,50 pontos. Ao mesmo tempo, o FTSE MIB, de Milão, perdeu 1,93%, aos 18.576,90, e o PSI 20, de Lisboa, caiu 1,46%, para 4.674,81 pontos.

"Investidores estão preocupados que o Fed vá avançar com os planos de aperto monetário mesmo com a economia se abrandando", avalia o analista da CMC Markets David Madden. Na quarta-feira, a autoridade monetária dos EUA elevou a taxa de juros no país para a faixa entre 2,25% e 2,50% e sinalizou mais duas altas em 2019, a despeito de indicadores recentes da atividade americana abaixo do esperado, que elevaram as preocupações com uma recessão no país, e diante da expectativa de uma perda de ímpeto global.

Outra decisão monetária, desta vez do BoE, chamou atenção apesar de não ter apresentado mudanças na taxa de juros. O banco central britânico avaliou, na ata sobre a reunião mais recente, que as incertezas em torno da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) se intensificaram "consideravelmente" após um mês de turbulência política. No país, o governo britânico deve apresentar um acordo do Brexit para ser votado no Parlamento no início de janeiro, depois de ter cancelado uma votação neste mês diante de uma iminente derrota.

Também no Reino Unido, foram divulgadas as vendas no varejo de novembro, que apresentaram crescimento de 1,4% na comparação com o mês anterior, bem acima das expectativas de avanço de 0,5%, de acordo com relatório oficial divulgado nesta quinta-feira pelo Escritório Nacional de Estatísticas (ONS, na sigla em inglês). Na comparação anual, a alta também foi maior do que a previsão.

Na França, por sua vez, os papéis da Airbus caíram 4,44%, em meio a informações do jornal Le Monde de que o Departamento de Justiça americano está conduzindo uma investigação sobre a empresa, que poderia levá-la a enfrentar uma multa de bilhões de dólares. O índice CAC 40, da bolsa de Paris, registrou queda de 1,78%, aos 4.692,46 pontos.

Além disso, investidores acompanharam a decisão do Banco Central da Suécia, conhecido como Riksbank, que elevou sua principal taxa de juros pela primeira vez desde 2011, de -0,50% para -0,25%. Na madrugada, o Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês), por outro lado, manteve sua política monetária inalterada, como amplamente esperado. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Matérias Relacionadas

Economia

Sorteio da Quina de São João será neste sábado

Prêmio de R$ 170 milhões é o maior do concurso
Sorteio da Quina de São João será neste sábado
Economia

Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado

Segundo órgão, mensagem que circula na internet não passa de rumor
Banco Central nega possibilidade de golpe com Pix agendado
Economia

Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes

Ministro se reuniu com empresário na Fiesp, em São Paulo
Governo deve anunciar prorrogação do auxílio nesta semana, diz Guedes
Política

Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec

A iniciativa visa tornar os benefícios do principal programa de incentivo ao desenvolvimento da indústria mais acessíveis ao investidor
Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec
Ver mais de Economia