ECONOMIA

Bolsa cai e perde os 98 mil pontos em movimento de realização de lucros

15 Fev 2019 - 20h04Por Antonio Perez

O Ibovespa operou nesta sexta-feira, 15, descolado tanto do otimismo externo quanto dos demais ativos domésticos. A despeito da apreciação do real e da queda das taxas futuras ao longo da tarde, a bolsa brasileira fechou no vermelho, abaixo da linha dos 98 mil pontos, em uma realização de lucros após a disparada do índice na reta final do pregão de quinta-feira.

Com máxima de 98.237,80 pontos e mínima de 97.083,07 pontos, o Ibovespa encerrou os negócios aos 97.525,91 pontos, queda de 0,50%. Apesar da perda de fôlego nesta sexta-feira, o índice acumulou alta de 2,29% na semana e zerou as perdas no mês.

Entre as blue chips mais ligadas ao ambiente externo, os papéis PN da Petrobras caíram 0,41%, na contramão da alta superior a 2% das cotações do petróleo. Já a ação da Vale subiu 0,48%, a despeito da prisão pela manhã de oito funcionários da companhia, envolvidos na investigação sobre o rompimento da barragem de Brumadinho (MG). Entre as maiores queda do Ibovespa, estiveram as ações da Kroton (-6,21%) e da Estácio (-5,20%), abaladas pela intenção de Bolsonaro de dar início a uma "Lava Jato da Educação", para garantir que investimentos na área sejam bem aplicados.

Para o analista da Necton Álvaro Frasson, uma correção do Ibovespa era esperada, já que a alta de quinta foi muito forte e em pouquíssimo tempo, o que acabou gerando excessos. Além disso, o fato de a economia brasileira se recuperar em ritmo mais lento que o esperado - como mostrou o IBC-Br de 2018 (alta de 1,15%, abaixo da mediana de 1,30% apurada pelo Projeções Broadcast)- diminuiu um pouco o apetite dos investidores. "Com a atividade fraca e a possibilidade de revisão das projeções para o PIB, houve espaço para uma realização na bolsa", diz Frasson.

Para um experiente operador, com a proximidade do vencimento de opções de ações, na segunda-feira, e a 'gordura' acumulada na arrancada de quinta, o investidor que acabou deixando de lado o bom humor externo e certo otimismo com o possível desenlace da disputa entre Carlos Bolsonaro, filho do presidente, e o Secretário-geral da Presidência, Gustavo Bebianno. "Os movimentos na bolsa foram mais técnicos, não houve influência do componente político, como se viu no dólar e nos juros", afirma.

O Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou ao longo da tarde que o presidente Jair Bolsonaro teria decidido manter Bebianno no cargo e afastar seu filho Carlos de questões relacionadas ao governo. A pacificação no Palácio do Planalto é vista pelo mercado como essencial para que haja uma interlocução fluida no Congresso. Com os negócios praticamente encerrados, a colunista Sonia Racy informou que a permanência do secretário-geral da Presidência não estava garantida. Mais cedo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), defendeu mais uma vez a capacidade de articulação política de Bebianno e sinalizou que, caso o governo demore a resolver o imbróglio, há risco para o andamento da reforma da Previdência.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Economia

Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás

Reajuste será nas refinarias e entra em vigor amanhã
Petrobras anuncia nova alta nos preços da gasolina, diesel e gás
Economia

Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Receita espera receber 32,6 mi de declarações até 30 de abril
Prazo para entregar declaração do Imposto de Renda começa hoje

Mega-Sena sai para um apostador que ganha 49 milhões

Próximo sorteio será quarta-feira
Saúde

Entidades empresariais manifestam apoio ao decreto do Governo do Estado

Ver mais de Economia