transito
Economia

Agenda econômica do País tem potencial disruptivo, diz economista-chefe do Bradesco

"Caso o PIB brasileiro cresça, nos preocupa se teremos energia e infraestrutura de transporte suficiente para suportar um crescimento"

22 Fev 2019 - 19h00Por FIESC

A agenda econômica do País tem potencial disruptivo e três fatores são crucias nesse processo: o teto de gastos, com a aprovacão da reforma da previdência como eixo central; a simplificação do ambiente, especialmente o tributário, medida que coloca o país numa posição mais favorável no ambiente mundial de negócios, além da abertura comercial. A avaliação é do economista-chefe do Bradesco, Fernando Honorato Barbosa, que destacou as perspectivas econômicas em reunião de diretoria da Federação das Indústrias de Santa Catarina (FIESC), nesta sexta-feira (22), em Florianópolis.    

“São aspectos frontalmente cruciais. O ambiente vai mudar e temos que estar preparados. São três agendas básicas transformacionais. O papel do teto dos gastos é reduzir o tamanho do Estado na economia e isso tem como principal consequência trazer protagonismo ao setor privado. O governo diminuindo de tamanho, necessariamente, traz o setor privado para o jogo. A segunda agenda é a simplificação do ambiente de negócios e isso inclui a reforma tributária para colocar o Brasil entre as 50 melhores economias para fazer negócio nos próximos quatro anos”, explicou, lembrando que hoje o País ocupa a posição 129. Segundo Fernando, nesse novo modelo a ideia é tributar menos a produção e o consumo e mais a renda. “É assim que os países desenvolvidos funcionam”, resumiu, salientando que neste momento não dá para pensar em reforma tributária que reduza a carga. “Mas é uma reforma que tem um potencial enorme de destravar negócios no Brasil”, acredita Barbosa.

Em relação à abertura comercial, é uma agenda que tem potencial para destravar a produtividade. Como vai ser feito importa. Minha impressão é que essa equipe econômica tem plena consciência do desafio. Primeiro você garante sua anuência fiscal, com a reforma da previdência, depois você melhora a competitividade das empresas através da reforma do ambiente de negócios e depois você faz a abertura. Esse é o sequenciamento que temos em mente. Se isso acontecer, tem potencial enorme de transformação.

“Caso o PIB brasileiro cresça, nos preocupa se teremos energia e infraestrutura de transporte suficiente para suportar um crescimento de 2% a 3%”, ressaltou o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, lembrando que a redução do tamanho do estado também é outro desafio.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Santa Catarina

Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia

Implantação do novo sistema comercial teria apresentado instabilidade
Celesc emite comunicado sobre erros nas faturas de energia
Economia

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC

Responsável por 3,7% do PIB, setor de defesa é oportunidade para indústria de SC
Geral

Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos

Estado poderá direcionar R$ 23 bilhões para reconstrução
Senado aprova suspensão da dívida do RS com a União por três anos
Política

Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras

Ela substituirá Jean Paul Prates que pediu saída antecipada
Governo indica Magda Chambriard para presidência da Petrobras
Ver mais de Economia