Pielonefrite: infecção no trato urinário requer atenção

A doença desestabiliza o funcionamento dos rins

12 Mar 2020 - 07h30Por Raphael Lahr

Qualquer alteração no sistema urinário deve ser levada a sério. Um alerta importante, por exemplo, é dado pela pielonefrite. Ela é uma inflamação que pode surgir a partir de uma infecção urinária não tratada, que evolui para os rins, ou ainda devido a um tipo de bactéria que habita, normalmente, o intestino, representando cerca de 90% dos episódios da doença. A bactéria penetra o organismo pela uretra, alcança a bexiga, sobe pelos ureteres e acaba se instalando em um ou nos dois rins, o que compromete o funcionamento normal desses órgãos.

A pielonefrite requer atenção, pois, se não tratada, pode ocasionar complicações graves para a saúde, como uma doença renal crônica ou até falência dos rins. Esse incômodo é mais comum no público feminino, por causa do tamanho da uretra, que é mais curta, medindo apenas três centímetros, em relação à masculina, com cerca de 12 centímetros. A posição próxima entre vagina e ânus nas mulheres favorece a entrada de micróbios, principalmente, durante o ato sexual. Além disso, pedras nos rins, gravidez e aumento benigno da próstata são outros fatores de risco. 

A doença se manifesta com febre, calafrios, sudorese, náuseas, vômitos, mal-estar, dor lombar e pélvica ou urgência e dor ao urinar, com presença de sangue ou pus. Procurar um médico especialista ao sentir esses desconfortos é o melhor caminho, pois ele irá solicitar exames para investigar e confirmar o diagnóstico. 

Para quem ficou assustado, uma boa notícia: a pielonefrite tem cura. O tratamento envolve medicamentos e, em alguns casos, dependendo da gravidade da infecção, internação hospitalar. E, atenção: é importante seguir a recomendação médica durante esse período para evitar a recorrência do incômodo.