GNet
Moro

Santana e Mônica Moura são soltos após pagamento de fiança de R$ 31,4 milhões

02 Ago 2016 - 09h18
O marqueteiro João Santana e a mulher dele, Mônica Moura, deixaram a carceragem da Polícia Federal (PF) em Curitiba após serem libertados por uma decisão do juiz Sérgio Moro.

Em troca da liberdade, Moro estabeleceu o cumprimento de medidas cautelares, como o pagamento de fiança de R$ 31,4 milhões e a proibição de atuarem em campanhas eleitorais até uma nova decisão sobre o caso. Os valores já estavam bloqueados. Eles estavam presos há cinco meses.

Na decisão, Moro decidiu soltar o casal depois que eles admitiram, em depoimento na ação penal em que são réus, que receberam U$S 4,5 milhões no exterior referente a uma dívida de campanha de 2010 da presidenta Dilma Roussef.

O juiz criticou “a naturalidade e a desfaçatez” com que Santana e Mônica admitiram o caixa 2 na campanha, mas entendeu que a prisão preventiva não é mais necessária porque a ação penal está próxima do fim. A próxima fase será a sentença.

De acordo com o juiz, o uso de caixa 2 nas campanhas eleitorais “é trapaça” e afeta o processo político democrático.

“O álibi ‘todos assim fazem’ não é provavelmente verdadeiro e ainda que o fosse não elimina a responsabilidade individual. Se um ladrão de bancos afirma ao juiz como álibi que outros também roubam bancos, isso não faz qualquer diferença em relação a sua culpa. O mesmo raciocínio é válido para corruptores, corruptos, lavadores de dinheiro e fraudadores de campanhas eleitorais”, argumentou Moro.

Após o depoimento do casal, o PT declarou que todas as “operações do partido foram feitas dentro de legalidade”. O partido também ressaltou que as contas de campanha eleitoral de 2010 foram aprovadas pela Justiça Eleitoral.

A presidenta Dilma Rousseff afirmou em seu Twitter que não autorizou pagamento de caixa 2 “a ninguém”. “Se houve pagamento, não foi com meu conhecimento”, afirmou Dilma.

 

 

Agência Brasil
GNet

Matérias Relacionadas

Economia

SC demanda R$ 18,5 bilhões até 2025 para obras de infraestrutura de transportes

O presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, disse que Santa Catarina precisa de um planejamento integrado e sistêmico da macrologística para o curto, médio e longo prazos
SC demanda R$ 18,5 bilhões até 2025 para obras de infraestrutura de transportes
Economia

Multinacional catarinense, Bold encerra 2021 com abertura de novas filiais

Como resultado de ações estratégicas, a empresa registra um crescimento próximo aos 40%, em 2021
Multinacional catarinense, Bold encerra 2021 com abertura de novas filiais
Política

Barroso pede manifestação do governo sobre passaporte da vacina

Ação quer tornar obrigatória adoção de recomendações da Anvisa
Barroso pede manifestação do governo sobre passaporte da vacina
Economia

Após fala de Bolsonaro, Petrobras afirma que não há decisão sobre ajustes nos preços de combustíveis

Petrobras publicou uma nota nesta segunda-feira (6)
Após fala de Bolsonaro, Petrobras afirma que não há decisão sobre ajustes nos preços de combustíveis
Ver mais de Brasil