Brasil

Rio Jundiaí é despoluído e volta a ter peixes após 30 anos

O rio atravessa as cidades de Mariporã, Atibaia, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Jundiaí, Itupeva, Indaiatuba e Salto

05 Out 2019 - 15h00Por Da Redação
Rio Jundiaí é despoluído e volta a ter peixes após 30 anos - Crédito: Reprodução / Jornal de Jundiaí Crédito: Reprodução / Jornal de Jundiaí

Notícia boa para a natureza e para o homem. O Rio Jundiaí, no interior de São Paulo, foi despoluído e voltou a ter peixes!

O rio atravessa as cidades de Mariporã, Atibaia, Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista, Jundiaí, Itupeva, Indaiatuba e Salto.

O processo de despoluição começou há 34 anos, com a criação do então Comitê de Estudos e Recuperação do Rio Jundiaí (Cerju).

Em 2017, passou pelo processo de reclassificação e mudou da classe 4 para a 3, o que resultou em um rio mais saudável e habitável para os peixes.

Dois anos depois da recuperação, garças e outros pássaros também voltaram a frequentar o entorno do Rio Jundiaí, inclusive para comer peixes pequenos na água.

Agora começa uma fiscalização para manter o rio limpo.

“Temos que atuar de forma preventiva na fiscalização e manutenção de possíveis fontes poluidoras, mas também que pensemos o rio Jundiaí de forma integrada e contextualizada em uma bacia hidrográfica. Isso exige o engajamento de todos os municípios por onde ele passa. A preservação de um corpo hídrico deve ser plural”, disse o diretor de Manancias da DAE Jundiaí, Martim Ribeiro.

Como

Para despoluir o rio houve a construção de interceptores, emissários, redes coletoras e Estações de Tratamento de Esgoto (em Jundiaí são três, nos bairros Jardim Novo Horizonte, São José e Fernandes), que permitiram a coleta, o afastamento e o tratamento de esgotos domésticos e industriais, até então lançados in natura no rio.

“Para termos um rio ainda melhor, é necessário que pensemos neste importante curso d’água em um contexto de bacia hidrográfica. Em outras palavras, de nada adianta um município tomar medidas para despoluir o rio, se em outros trechos os demais municípios não têm programas efetivos para um sistema de esgotamento sanitário”, explica Ribeiro.

“Um curso hídrico passa por diversos municípios e todos têm de trabalhar de forma integrada e ter os mesmos objetivos na preservação da qualidade das águas. Se não atuarem de forma conjunta, os resultados não serão alcançados”, afirma o diretor

Despoluição

Pensar em despoluição é também pensar em ações e projetos para que esgoto da cidade não chegue às águas do rio, como tem feito a Companhia Saneamento de Jundiaí (CSJ).

“O trabalho no pelo município tem sido efetivo. No laboratório da CSJ, são feitas análises mensais para os parâmetros de demandas bioquímica de oxigênio, oxigênio dissolvido, turbidez e nutrientes. As coletas são realizadas antes e depois da CSJ, para que possamos entender também os efeitos da contribuição do esgoto tratado sobre o rio”,  disse a coordenadora do laboratório da unidade, Agnes Janaina Tezotto Gutierrez,

Na prática, com os ensaios de oxigênio dissolvido, é possível saber se existe oxigênio disponível para a vida aquática. “Isso nos possibilita entender mais sobre o rio e é o que nos indica, por exemplo, a possibilidade de existência de peixes em determinado trecho.”

Árvores

Projeto vai plantar 60 mudas de Ipê na beira do rio Jundiaí

Uma exposição dos trabalhos vencedores do Concurso de Ideais do Vale do Rio Jundiaí está aberta na Biblioteca Professor Nelson Foot, no Complexo Argos.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Geral

Depois de 200 anos, jabutis voltam ao Parque Nacional da Tijuca no Rio

É a terceira espécie reintroduzida no local desde 2010 pelo Refauna
Depois de 200 anos, jabutis voltam ao Parque Nacional da Tijuca no Rio
Economia

Seguradora diz ter recebido 386 mil pedidos de restituição do Dpvat

Prazo para pedir valor pago a mais acaba no fim do exercício de 2020
Seguradora diz ter recebido 386 mil pedidos de restituição do Dpvat
Geral

Brasileiro não precisa mais de visto para visitar o Catar

Brasil e Catar vão permitir que seus habitantes permaneçam em território sem visto de entrada por um período máximo de 90 dias por 12 meses
Brasileiro não precisa mais de visto para visitar o Catar
Economia

Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro

Bolsa de valores oscilou, mas fechou com pequena alta
Dólar fecha acima de R$ 4,19, no maior valor desde início de dezembro
Ver mais de Brasil