Eleições 2020
Olimpíada

Punição custa caro, e Brasil fica sem medalha no salto por equipes do hipismo

17 Ago 2016 - 15h49
Sem Stephan Barcha, desqualificado na volta 1 da decisão, na terça, por ter usado demais a espora em seu cavalo, o time verde e amarelo teve que competir com apenas três ginetes, logo, sem direito ao descarte que os rivais com quatro têm direito.

Com isso, Álvaro Affonso de Mirada Neto, o Doda, Eduardo Menezes e Pedro Veniss foram à pista tendo que ser praticamente perfeitos para ganharem uma medalha. Mas nenhum conseguiu zerar o percurso.

Cada um derrubou um obstáculo, e Pedro Veniss ainda excedeu o tempo limite de 1m22s, o que acrescenta mais um ponto.

Assim, o Brasil acabou com 13 penalidades, em um quarto lugar que será quinto, já que Canadá e Alemanha empataram em terceiro com oito e disputarão uma prova extra para definir o bronze.

O ouro ficou com a França, com apenas três penalidades, e a prata com os Estados Unidos, que cometeu cinco.

Esta seria a quarta medalha olímpica do Brasil no hipismo. As outras, todas no salto, são três por equipes (bronze em Atlanta-1996 e Sydney-2000) e uma no individual (ouro de Rodrigo Pessoa, em Atenas-2004).

Na volta 1 da final, disputada na terça por quartetos de 15 países, oito se classificaram. Além do do Brasil, os times de Alemanha, Estados Undidos e Holanda foram perfeitos, com nenhum ponto perdido. A França avançou com 1, o Canadá com 4 e Suécia e Suíça com 8 cada.

Em Londres-2012, o pódio do salto por equipes ficou assim: ouro para a Grã-Bretanha, prata prata para a Holanda e bronze para a Arábia Saudita.

A prova
Pela ordem, o time brasileiro era o penúltimo dos oito a ter cavaleiro na pista. Logo, foram quatro rodadas, com um representante por país em cada - no caso do Brasil, três por conta da desqualificação de Barcha na volta 1, terça.

Eduardo de Menezes, montando Quintol, foi o primeiro brasileiro a desafiar os obstáculos, dos quais derrubou apenas um, logo, acrescentando 4 pontos de punição para o Brasil. Ele fez o percurso dentro do tempo estimado, 1m22s - quando isto não acontece, o time tem mais um ponto de punição.

Na segunda rodada, o país não teve representante, que seria Stephan Barcha, desqualificado na volta 1 da final, terça. Com isso, o Brasil ficou sem descarte, já que a pior nota não é considerada, tendo que obrigatoriamente contar as apresentações dos outros três.

Na terceira rodada, o experiente Doda Miranda fez uma apresentação perfeita, zerando o percurso. Na quarta, Pedro Veniss derrubou um dos obstáculos e também ultrapassou por muito pouco o tempo - fez 1m22s02.

Matérias Relacionadas

Eleições 2020

Tire suas dúvidas sobre as eleições municipais

Na microrregião, mais de 181,9 mil eleitores devem ir urnas neste ano.
Tire suas dúvidas sobre as eleições municipais
Economia

Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis

Decisão saiu no Diário Oficial de hoje
Confaz divulga nova tabela de preços médios de combustíveis
Economia

Confiança do comércio recua 3,8 pontos em outubro, diz FGV

Indicador passou para 95,8 pontos, em uma escala de zero a 200 pontos
Confiança do comércio recua 3,8 pontos em outubro, diz FGV
Economia

Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%

Produto Interno Bruto (PIB) deve crescer 3,42% em 2021
Mercado financeiro eleva projeção da inflação para 2,99%
Ver mais de Brasil