Caraguá
Olimpíada

Punição custa caro, e Brasil fica sem medalha no salto por equipes do hipismo

17 Ago 2016 - 15h49
Sem Stephan Barcha, desqualificado na volta 1 da decisão, na terça, por ter usado demais a espora em seu cavalo, o time verde e amarelo teve que competir com apenas três ginetes, logo, sem direito ao descarte que os rivais com quatro têm direito.

Com isso, Álvaro Affonso de Mirada Neto, o Doda, Eduardo Menezes e Pedro Veniss foram à pista tendo que ser praticamente perfeitos para ganharem uma medalha. Mas nenhum conseguiu zerar o percurso.

Cada um derrubou um obstáculo, e Pedro Veniss ainda excedeu o tempo limite de 1m22s, o que acrescenta mais um ponto.

Assim, o Brasil acabou com 13 penalidades, em um quarto lugar que será quinto, já que Canadá e Alemanha empataram em terceiro com oito e disputarão uma prova extra para definir o bronze.

O ouro ficou com a França, com apenas três penalidades, e a prata com os Estados Unidos, que cometeu cinco.

Esta seria a quarta medalha olímpica do Brasil no hipismo. As outras, todas no salto, são três por equipes (bronze em Atlanta-1996 e Sydney-2000) e uma no individual (ouro de Rodrigo Pessoa, em Atenas-2004).

Na volta 1 da final, disputada na terça por quartetos de 15 países, oito se classificaram. Além do do Brasil, os times de Alemanha, Estados Undidos e Holanda foram perfeitos, com nenhum ponto perdido. A França avançou com 1, o Canadá com 4 e Suécia e Suíça com 8 cada.

Em Londres-2012, o pódio do salto por equipes ficou assim: ouro para a Grã-Bretanha, prata prata para a Holanda e bronze para a Arábia Saudita.

A prova
Pela ordem, o time brasileiro era o penúltimo dos oito a ter cavaleiro na pista. Logo, foram quatro rodadas, com um representante por país em cada - no caso do Brasil, três por conta da desqualificação de Barcha na volta 1, terça.

Eduardo de Menezes, montando Quintol, foi o primeiro brasileiro a desafiar os obstáculos, dos quais derrubou apenas um, logo, acrescentando 4 pontos de punição para o Brasil. Ele fez o percurso dentro do tempo estimado, 1m22s - quando isto não acontece, o time tem mais um ponto de punição.

Na segunda rodada, o país não teve representante, que seria Stephan Barcha, desqualificado na volta 1 da final, terça. Com isso, o Brasil ficou sem descarte, já que a pior nota não é considerada, tendo que obrigatoriamente contar as apresentações dos outros três.

Na terceira rodada, o experiente Doda Miranda fez uma apresentação perfeita, zerando o percurso. Na quarta, Pedro Veniss derrubou um dos obstáculos e também ultrapassou por muito pouco o tempo - fez 1m22s02.

Matérias Relacionadas

Economia

WEG inaugura quinta fábrica de transformadores na América do Norte

Localizada na cidade de Washington a nova fábrica recebeu investimentos de 17 milhões de dólares e será dedicada à produção de transformadores de potência até 10 MV
WEG inaugura quinta fábrica de transformadores na América do Norte
Política

Senado aprova PEC da reforma eleitoral

Texto segue para promulgação
Senado aprova PEC da reforma eleitoral
Saúde

Anvisa recomenda quarentena ao presidente e comitiva brasileira

Ministro Queiroga testou positivo para covid-19 em viagem a Nova York
Economia

Dólar fecha acima de R$ 5,30 após anúncio do Banco Central americano

Bolsa subiu 1,84%, fechando em alta pelo segundo dia seguido
Ver mais de Brasil