Séculus
frete

Empresas de transporte devem repassar aumento do diesel para o frete

01 Out 2015 - 16h50
Empresas de transporte devem repassar aumento do diesel para o frete -

O aumento do preço dos combustíveis nas refinarias, anunciado pela Petrobrás nessa terça-feira (29), impactará nos preços dos serviços de transporte. A elevação de 4% para o diesel e de 6% para a gasolina passou a valer nesta quarta (30). E os efeitos do reajuste devem chegar aos serviços de transporte, já que o diesel é o principal insumo do setor.


A NTC&Logística (Associação Nacional de Transportes de Cargas e Logística) estima que a alta impactará em até 1,4% nos custos operacionais das empresas. “Nós recomendamos aos associados que repassem o valor para o frete. E como é um aumento imediato, não tem muito o que esperar, porque, senão, vai ter aumento de prejuízo”, diz o diretor-técnico da entidade, Neuto Gonçalves. Segundo ele, o frete já está com uma defasagem média de 11%.


O setor de transporte vê com preocupação mais um aumento. Desde o início do ano, o diesel já encareceu 7,4% - mais que a inflação no período, que foi de 6,8%. Isso representa um aumento médio de R$ 0,19 o litro. A alta foi ocasionada, principalmente, pelos impostos PIS/Cofins e Cide, que tiveram o reajuste anunciado pelo governo federal em janeiro.

“Isso traz ainda mais dificuldade para o setor”, diz o diretor-executivo da CNT (Confederação Nacional do Transporte), Bruno Batista. Segundo ele, o enfraquecimento da atividade econômica já tem causado queda na demanda pelo serviço de transporte. “Então, os transportadores passam a viver uma realidade de mais ociosidade, devido à menor busca por seus serviços. No momento em que os insumos sobem de custo, é o pior dos cenários possíveis”, explica Bruno Batista.

Em 12 meses, as empresas do setor transportador acumularam perda de 6% nas receitas líquidas. Apesar disso, até agora, o nível de emprego tem sido mantido. No entanto, as repercussões de novos acréscimos nas despesas podem ter efeitos ainda mais negativos. De acordo com o diretor-executivo da CNT, “isso é insustentável ao longo do tempo. Com a economia sem uma reação, há diminuição na demanda, o que ocasiona uma situação mais complicada. Tende-se a ter elevação do nível de demissão e os autônomos ficarem ociosos por mais tempo”.


E como 60% da produção brasileira é transportada por caminhões, o encarecimento do frete tende a significar, também, aumento do preço final dos itens em supermercados e lojas. “É uma cadeia de repasses. A parcela final deve chegar aos produtos e o consumidor terá que arcar com essa conta”, complementa Bruno Batista.

Fonte: Agência CNT de Notícias

GNet

Matérias Relacionadas

Segurança

Zé do Trovão passa por audiência de custódia em Joinville

Ele permanece preso, isolado dos outros detentos.
Zé do Trovão passa por audiência de custódia em Joinville
Economia

Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio acumulado em R$ 33 milhões

A aposta simples, com seis dezenas marcadas, custa R$ 4,50
Mega-Sena sorteia nesta quarta-feira prêmio acumulado em R$ 33 milhões
Política

Três ministros do TSE votam contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão

Julgamento será retomado na quinta-feira
Três ministros do TSE votam contra cassação da chapa Bolsonaro-Mourão
Geral

Morre no Rio, aos 75 anos, o autor de novelas Gilberto Braga

Ele escreveu obras clássicas da TV, como Dancin' Days
Morre no Rio, aos 75 anos, o autor de novelas Gilberto Braga
Ver mais de Brasil