Imobiliária Coralli
Inadimplência

Em julho, inadimplência com cheques tem o menor percentual de 2016

26 Ago 2016 - 12h44

No Brasil, o percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos foi de 2,26%, em julho, o menor percentual do ano, revela o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos. Foram 1.042.209 devolvidos e 46.134.886 cheques compensados.

Multivacinação


No mês anterior, junho, registrou-se 2,36% de devoluções, com 1.142.456 cheques que voltaram e 48.445.972 compensados. Um ano antes, em julho de 2015, o percentual de devoluções havia sido de 2,29%, com 1.295.541 cheques devolvidos e 56.618.376 compensados.

Segundo os economistas da Serasa Experian, apesar do mês de julho/16 ter atingido o menor patamar da inadimplência com cheques no ano, ainda assim representou o segundo pior mês de julho desde 1991 em termos de percentual de devolução de cheques por falta de fundos. Ou seja, ainda é cedo para podermos falarmos em estabilização da inadimplência com cheques já que fatores que proporcionaram a tendência da elevação desta inadimplência (desemprego, recessão e inflação) ainda se encontram presentes no cenário econômico.
Confira abaixo tabela com os totais de cheques devolvidos e compensados:


Nos Estados e regiões

Na avaliação dos primeiros sete meses de 2016 entre as regiões do país, a liderança de devoluções foi do Nordeste, com 4,64% de cheques devolvidos entre janeiro e julho. O Sudeste foi a região que apresentou o menor percentual de devoluções no período: 1,97%.

Já entre os estados, o Amapá liderou o ranking de cheques sem fundos nos primeiros sete meses do ano, com 18,02% de devoluções. Na outra ponta, São Paulo foi o estado com o menor percentual de cheques devolvidos (1,97%).

Confira abaixo o ranking completo de cheques devolvidos de janeiro a julho de 2016:


 

Em todo o país, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,26% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,36% registrada em junho/16 e também menor que o percentual de devoluções de cheques um ano antes, em julho/15, quando o número foi de 2,29%.


Na Região Norte, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,16% do total de cheques compensados, menor que a devolução registrada no mês anterior, junho/16, quando o percentual foi de 4,27%, e maior que os 4,13% registrado em julho/15.

No Acre, a devolução em julho/16 foi de 7,91% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 6,76% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Acre havia sido de 7,01% do total de cheques compensados.

No Amazonas, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,69% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 6,63% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Amazonas havia sido de 5,76% do total de cheques compensados.

No Amapá, a devolução de cheques em julho/16 foi de 17,31% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 16,10% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Amapá havia sido de 11,22% do total de cheques compensados.

No Pará, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,13% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 6,40% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Pará havia sido de 5,70% do total de cheques compensados.

Em Rondônia, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,87% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,96% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Rondônia havia sido de 2,09% do total de cheques compensados.

Em Roraima, a devolução de cheques em julho/16 foi de 9,46% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 11,12% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Roraima havia sido de 8,60% do total de cheques compensados.

No Tocantins, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,72% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 4,51% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Tocantins havia sido de 4,48% do total de cheques compensados.



Na Região Nordeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,56% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,73% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Nordeste havia sido de 4,47% do total de cheques compensados.

Em Alagoas, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,50% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,54% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Alagoas havia sido de 5,78% do total de cheques compensados.

Na Bahia, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,16% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,21% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Bahia havia sido de 3,86% do total de cheques compensados.

No Ceará, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,61% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,85% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Ceará havia sido de 4,51% do total de cheques compensados.

No Maranhão, a devolução de cheques em julho/16 foi de 8,61% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 9,22% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Maranhão havia sido de 7,68% do total de cheques compensados.

Na Paraíba, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,75% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,08% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Paraíba havia sido de 4,81% do total de cheques compensados.

Em Pernambuco, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,48% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,61% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Pernambuco havia sido de 3,75% do total de cheques compensados.

No Piauí, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,24% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 6,67% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Piauí havia sido de 5,93% do total de cheques compensados.

No Rio Grande do Norte, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,19% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,57% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio Grande do Norte havia sido de 5,00% do total de cheques compensados.

Em Sergipe, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,35% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 5,18% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Sergipe havia sido de 5,33% do total de cheques compensados.


Na Região Sudeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,86% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,94% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Sudeste havia sido de 1,82% do total de cheques compensados.

No Espírito Santo, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,44% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,48% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Espírito Santo havia sido de 2,47% do total de cheques compensados.

Em Minas Gerais, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,06% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,17% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Minas Gerais havia sido de 2,08% do total de cheques compensados.

No Rio de Janeiro, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,97% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio de Janeiro havia sido de 1,79% do total de cheques compensados.

Em São Paulo, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,72% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,79% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em São Paulo havia sido de 1,69% do total de cheques compensados.



Na Região Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,91% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,03% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Sul havia sido de 2,10% do total de cheques compensados.

No Paraná, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,83% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,99% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Paraná havia sido de 2,03% do total de cheques compensados.

No Rio Grande do Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,01% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,10% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio Grande do Sul havia sido de 2,18% do total de cheques compensados.

Em Santa Catarina, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,92% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,00% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Santa Catarina havia sido de 2,11% do total de cheques compensados.



Na Região Centro-Oeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,99% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Centro-Oeste havia sido de 3,03% do total de cheques compensados.

No Distrito Federal, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,60% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,81% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Distrito Federal havia sido de 3,52% do total de cheques compensados.

Em Goiás, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,03% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Goiás havia sido de 3,10% do total de cheques compensados.

No Mato Grosso do Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,59% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,73% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso do Sul havia sido de 2,60% do total de cheques compensados.

No Mato Grosso, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,73% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,82% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso havia sido de 2,83% do total de cheques compensados.



  

Matérias Relacionadas

Geral

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades

Evento online mostra que direcionar recursos a projetos sociais locais transforma comunidades
Segurança

PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville

A ave, da espécie papagaio-verdadeiro, é nativa da fauna brasileira e protegida por lei
PRF flagra papagaio silvestre preso em automóvel na BR 101 em Joinville
Economia

Guedes prevê queda de 4% na economia este ano

Para o ministro, a atividade econômica está em recuperação no país
Guedes prevê queda de 4% na economia este ano
Esportes

Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila

Na última semana, times confirmaram a boa fase, outros tropeçaram, alguns conseguiram se recuperar e há ainda quem, mesmo que a matemática não indique, poderá se classificar.
Liga Nacional de Futsal: Fase de grupos se afunila
Ver mais de Brasil