Caraguá
Inadimplência

Em julho, inadimplência com cheques tem o menor percentual de 2016

26 Ago 2016 - 12h44

No Brasil, o percentual de devoluções de cheques pela segunda vez por insuficiência de fundos foi de 2,26%, em julho, o menor percentual do ano, revela o Indicador Serasa Experian de Cheques Sem Fundos. Foram 1.042.209 devolvidos e 46.134.886 cheques compensados.


No mês anterior, junho, registrou-se 2,36% de devoluções, com 1.142.456 cheques que voltaram e 48.445.972 compensados. Um ano antes, em julho de 2015, o percentual de devoluções havia sido de 2,29%, com 1.295.541 cheques devolvidos e 56.618.376 compensados.

Segundo os economistas da Serasa Experian, apesar do mês de julho/16 ter atingido o menor patamar da inadimplência com cheques no ano, ainda assim representou o segundo pior mês de julho desde 1991 em termos de percentual de devolução de cheques por falta de fundos. Ou seja, ainda é cedo para podermos falarmos em estabilização da inadimplência com cheques já que fatores que proporcionaram a tendência da elevação desta inadimplência (desemprego, recessão e inflação) ainda se encontram presentes no cenário econômico.
Confira abaixo tabela com os totais de cheques devolvidos e compensados:


Nos Estados e regiões

Na avaliação dos primeiros sete meses de 2016 entre as regiões do país, a liderança de devoluções foi do Nordeste, com 4,64% de cheques devolvidos entre janeiro e julho. O Sudeste foi a região que apresentou o menor percentual de devoluções no período: 1,97%.

Já entre os estados, o Amapá liderou o ranking de cheques sem fundos nos primeiros sete meses do ano, com 18,02% de devoluções. Na outra ponta, São Paulo foi o estado com o menor percentual de cheques devolvidos (1,97%).

Confira abaixo o ranking completo de cheques devolvidos de janeiro a julho de 2016:


 

Em todo o país, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,26% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,36% registrada em junho/16 e também menor que o percentual de devoluções de cheques um ano antes, em julho/15, quando o número foi de 2,29%.


Na Região Norte, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,16% do total de cheques compensados, menor que a devolução registrada no mês anterior, junho/16, quando o percentual foi de 4,27%, e maior que os 4,13% registrado em julho/15.

No Acre, a devolução em julho/16 foi de 7,91% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 6,76% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Acre havia sido de 7,01% do total de cheques compensados.

No Amazonas, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,69% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 6,63% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Amazonas havia sido de 5,76% do total de cheques compensados.

No Amapá, a devolução de cheques em julho/16 foi de 17,31% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 16,10% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Amapá havia sido de 11,22% do total de cheques compensados.

No Pará, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,13% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 6,40% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Pará havia sido de 5,70% do total de cheques compensados.

Em Rondônia, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,87% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,96% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Rondônia havia sido de 2,09% do total de cheques compensados.

Em Roraima, a devolução de cheques em julho/16 foi de 9,46% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 11,12% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Roraima havia sido de 8,60% do total de cheques compensados.

No Tocantins, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,72% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 4,51% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Tocantins havia sido de 4,48% do total de cheques compensados.



Na Região Nordeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,56% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,73% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Nordeste havia sido de 4,47% do total de cheques compensados.

Em Alagoas, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,50% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,54% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Alagoas havia sido de 5,78% do total de cheques compensados.

Na Bahia, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,16% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,21% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Bahia havia sido de 3,86% do total de cheques compensados.

No Ceará, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,61% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 4,85% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Ceará havia sido de 4,51% do total de cheques compensados.

No Maranhão, a devolução de cheques em julho/16 foi de 8,61% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 9,22% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Maranhão havia sido de 7,68% do total de cheques compensados.

Na Paraíba, a devolução de cheques em julho/16 foi de 4,75% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,08% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Paraíba havia sido de 4,81% do total de cheques compensados.

Em Pernambuco, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,48% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,61% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Pernambuco havia sido de 3,75% do total de cheques compensados.

No Piauí, a devolução de cheques em julho/16 foi de 6,24% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 6,67% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Piauí havia sido de 5,93% do total de cheques compensados.

No Rio Grande do Norte, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,19% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 5,57% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio Grande do Norte havia sido de 5,00% do total de cheques compensados.

Em Sergipe, a devolução de cheques em julho/16 foi de 5,35% do total de cheques compensados, maior que a devolução de 5,18% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Sergipe havia sido de 5,33% do total de cheques compensados.


Na Região Sudeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,86% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,94% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Sudeste havia sido de 1,82% do total de cheques compensados.

No Espírito Santo, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,44% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,48% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Espírito Santo havia sido de 2,47% do total de cheques compensados.

Em Minas Gerais, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,06% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,17% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Minas Gerais havia sido de 2,08% do total de cheques compensados.

No Rio de Janeiro, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,97% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio de Janeiro havia sido de 1,79% do total de cheques compensados.

Em São Paulo, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,72% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,79% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em São Paulo havia sido de 1,69% do total de cheques compensados.



Na Região Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,91% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,03% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Sul havia sido de 2,10% do total de cheques compensados.

No Paraná, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,83% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 1,99% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Paraná havia sido de 2,03% do total de cheques compensados.

No Rio Grande do Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,01% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,10% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Rio Grande do Sul havia sido de 2,18% do total de cheques compensados.

Em Santa Catarina, a devolução de cheques em julho/16 foi de 1,92% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,00% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Santa Catarina havia sido de 2,11% do total de cheques compensados.



Na Região Centro-Oeste, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,99% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos na Região Centro-Oeste havia sido de 3,03% do total de cheques compensados.

No Distrito Federal, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,60% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,81% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Distrito Federal havia sido de 3,52% do total de cheques compensados.

Em Goiás, a devolução de cheques em julho/16 foi de 3,03% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 3,09% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos em Goiás havia sido de 3,10% do total de cheques compensados.

No Mato Grosso do Sul, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,59% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,73% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso do Sul havia sido de 2,60% do total de cheques compensados.

No Mato Grosso, a devolução de cheques em julho/16 foi de 2,73% do total de cheques compensados, menor que a devolução de 2,82% registrada em junho/16. Em julho/15, a devolução de cheques pela segunda vez por falta de fundos no Mato Grosso havia sido de 2,83% do total de cheques compensados.



  

Matérias Relacionadas

Saúde

Conselhos de secretários de Saúde defendem vacinação de adolescentes

Sociedade Brasileira de Imunizações também defende vacinação
Conselhos de secretários de Saúde defendem vacinação de adolescentes
Economia

Caixa reduz juros do crédito habitacional na modalidade poupança

Banco reduziu parte fixa da parcela de 3,35% para 2,95% ao ano
Caixa reduz juros do crédito habitacional na modalidade poupança
Saúde

Anvisa não recomenda mudar orientação sobre vacinação de adolescentes

Ministério da Saúde suspendeu orientação para a vacinação
Anvisa não recomenda mudar orientação sobre vacinação de adolescentes
Saúde

Covid-19: ministro destaca eventos adversos em adolescentes vacinados

Queiroga explica revisão de recomendação sobre vacinas de covid-19
Covid-19: ministro destaca eventos adversos em adolescentes vacinados
Ver mais de Brasil