Unimed - Capa
Decisão

Decisão do Supremo deixa Renan sob pressão

04 Nov 2016 - 10h57
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), vive momentos de tensão, com a votação pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor da proibição de que réus em ações penais ocupem cargos na linha sucessória da Presidência da República. Seis dos 11 ministros foram favoráveis ontem à ficha limpa.

A decisão atinge diretamente os ocupantes dos cargos de vice-presidente da República e de presidentes da Câmara, do Senado e do STF. Renan, que é o substituto natural de Michel Temer, ainda não é réu em ação penal, embora responda a 11 inquéritos da Lava-Jato no STF.

Além disso, o presidente do Senado já foi denunciado em outro inquérito, no qual é investigado por falsidade ideológica, uso de documento falso e peculato.

Em nota divulgada ontem, Renan reforça que não “é réu em qualquer processo judicial e, portanto, não está afetado pela manifestação dos ministros do STF, ainda inconclusa”. Segundo a nota, o presidente do Senado responde a inquéritos que são “por ouvir dizer ou interpretações de delatores”.

 

Agência Estado

Matérias Relacionadas

Economia

Santa Catarina gera mais de 32 mil empregos, melhor outubro da história

No acumulado do ano, Santa Catarina apresenta o melhor desempenho entre todos os estados, com um saldo de 35.210 carteiras assinadas.
Santa Catarina gera mais de 32 mil empregos, melhor outubro da história
Geral

IBGE: esperança de vida do brasileiro aumentou 31,1 anos desde 1940

A expectativa de vida do homem é de 73,1 anos e a da mulher de 80,1
IBGE: esperança de vida do brasileiro aumentou 31,1 anos desde 1940
Geral

Covid-19: ANTT define novas medidas para o transporte interestadual

Resoluções valem apenas para o transporte rodoviário
Saúde

Hemocentros se unem em campanha no Dia Nacional do Doador de Sangue

Pandemia reduziu doações em 50% em algumas regiões
Hemocentros se unem em campanha no Dia Nacional do Doador de Sangue
Ver mais de Brasil