caragua
caragua mobile
Decisão

Decisão do Supremo deixa Renan sob pressão

04 Nov 2016 - 10h57
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), vive momentos de tensão, com a votação pela maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) a favor da proibição de que réus em ações penais ocupem cargos na linha sucessória da Presidência da República. Seis dos 11 ministros foram favoráveis ontem à ficha limpa.

A decisão atinge diretamente os ocupantes dos cargos de vice-presidente da República e de presidentes da Câmara, do Senado e do STF. Renan, que é o substituto natural de Michel Temer, ainda não é réu em ação penal, embora responda a 11 inquéritos da Lava-Jato no STF.

Além disso, o presidente do Senado já foi denunciado em outro inquérito, no qual é investigado por falsidade ideológica, uso de documento falso e peculato.

Em nota divulgada ontem, Renan reforça que não “é réu em qualquer processo judicial e, portanto, não está afetado pela manifestação dos ministros do STF, ainda inconclusa”. Segundo a nota, o presidente do Senado responde a inquéritos que são “por ouvir dizer ou interpretações de delatores”.

 

Agência Estado
caragua mobile

Matérias Relacionadas

Economia

Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS

Um foco da Doença de Newcastle foi identificado em granja comercial
Ministério da Agricultura descarta novos casos de doença aviária no RS
Esportes

Jogos Olímpicos França 2024: Celebrar o espírito desportivo e a unidade cultural

Quer sejam americanos, africanos, europeus ou asiáticos, os atletas de todas as partes do mundo participam neste evento.
Jogos Olímpicos França 2024: Celebrar o espírito desportivo e a unidade cultural
Economia

Brasil suspende exportações de carne e produtos de aves

Medida preventiva tomada após confirmação de foco de doença no RS
Brasil suspende exportações de carne e produtos de aves
Geral

Uso de cigarros eletrônicos em escolas é tema de reunião promovida pelo MPSC em Joinville

Dados da última Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar revelam que, em 2019, 16,8% dos estudantes no Brasil com idade entre 13 e 17 anos já haviam experimentado o cigarro eletrônico
Uso de cigarros eletrônicos em escolas é tema de reunião promovida pelo MPSC em Joinville
Ver mais de Brasil