Unimed - Capa
Olimpíadas

Com cesta no fim e Varejão presente, Brasil bate Espanha e respira aliviado

09 Ago 2016 - 19h32

O confronto desta terça-feira não chegava a ser de vida ou morte para a Brasil e Espanha, mas era de risco, e uma derrota deixaria uma das duas seleções em situação delicada no grupo B do torneio masculino de basquete. Mas para alívio do excelente público que mais uma vez compareceu à Arena Carioca 1, quem levou a pior foram os espanhóis. Com a presença de Anderson Varejão, substituído por Cristiano Felício na reta final da preparação com uma hérnia de disco lombar, entre os torcedores, e sem cometer tantos erros nos lances livres - foram apenas cinco -, seus velhos companheiros jogaram e venceram por ele. Com um tapinha de Marquinhos salvador a cinco segundos do estouro do cronômetro, o time de Rubén Magnano venceu a Espanha por 66 a 65 (34 a 31), conseguiu a primeira vitória na Olimpíada do Rio de Janeiro e respirou aliviado.


Com uma derrota e uma vitória no grupo B, a seleção brasileira volta à quadra nesta quinta-feira, às 14h15, contra a Croácia. Já os atuais campeões espanhóis, que somam duas derrotas e estão com a corda no pescoço, enfrentam a Nigéria, às 19h.

O JOGO

Se contra a Lituânia Magnano optou por uma formação mais pesada, com Alex e Hettsheimeir entre os titulares, nesta terça o treinador argentino preferiu começar com um time mais leve. E as mudanças funcionaram. Com Marquinhos e Augusto desde o início, a seleção até desperdiçou seus dois primeiros ataques e permitiu que a Espanha começasse em vantagem, mas não demorou muito para os donos da casa tomarem conta da partida. Após passar a frente e assumir a ponta pela primeira vez na Olimpíada com uma cesta de Huertas, o Brasil não perdeu mais a liderança no quarto. Com uma defesa agressiva, ótimas atuações individuais de Nenê e Marquinhos e com apenas uma mudança no quinteto que começou o jogo, a seleção segurou os campeões europeus, chegou a abrir 18 a 10, mas fechou o período por 18 a 13.

Apesar da vitória parcial, era hora de rodar o time. Além de Hettsheimeir e Felício, que haviam entrado nos minutos finais do quarto anterior, Alex e Raulzinho também vieram para a quadra no começo do segundo período. No entanto, as mudanças quebraram o ritmo brasileiro, e a Espanha cresceu. Mesmo com um aproveitamento muito ruim nas bolas de três, a campeã europeia buscou o resultado e virou o placar com dois lances livres de Mirotic, a 4'55 do fim do período. Magnano continua tentando encontrar o quinteto ideal e colocou Huertas de volta, além de Benite e Guilherme Giovannoni. O time encaixou, neutralizou o jogo interno com Gasol -  apagadíssimo no primeiro tempo com apenas cinco pontos -, e conseguiu a virada numa bola de três de Giovannoni. A Arena Carioca 1 explodiu, e, com mais dois pontos de Huertas, o Brasil foi para o intervalo vencendo por 34 a 31.

O Brasil voltou arrasador no segundo tempo. Nem a terceira falta de Nenê logo de cara diminuiu o ritmo da seleção. Principalmente porque desta vez Felício entrou ligadíssimo. Impulsionada por uma enterrada sensacional do pivô do Chicago Bulls, a seleção fez uma corrida de 8 a 2, abriu nove pontos e obrigou Sergio Scariolo a pedir tempo. A parada funcionou. Com seis pontos seguidos, a Espanha quebrou a sequência dos donos da casas e diminuiu o prejuízo para apenas três pontos. Pior do que a reação espanhola, era a quantidade de faltas cometidas pelos brasileiros, que jogavam Gasol e cia, para a linha dos lances livres. E foi assim que Felipe Reyes empatou a partida. Quando parecia que o jogo ganharia fortes emoções novamente, a seleção acordou, fez oito pontos seguidos e entrou no quarto decisivo com uma boa vantagem de oito pontos.


 Apesar da vitória parcial, era hora de rodar o time. Além de Hettsheimeir e Felício, que haviam entrado nos minutos finais do quarto anterior, Alex e Raulzinho também vieram para a quadra no começo do segundo período. No entanto, as mudanças quebraram o ritmo brasileiro, e a Espanha cresceu. Mesmo com um aproveitamento muito ruim nas bolas de três, a campeã europeia buscou o resultado e virou o placar com dois lances livres de Mirotic, a 4'55 do fim do período. Magnano continua tentando encontrar o quinteto ideal e colocou Huertas de volta, além de Benite e Guilherme Giovannoni. O time encaixou, neutralizou o jogo interno com Gasol -  apagadíssimo no primeiro tempo com apenas cinco pontos -, e conseguiu a virada numa bola de três de Giovannoni. A Arena Carioca 1 explodiu, e, com mais dois pontos de Huertas, o Brasil foi para o intervalo vencendo por 34 a 31.

O Brasil voltou arrasador no segundo tempo. Nem a terceira falta de Nenê logo de cara diminuiu o ritmo da seleção. Principalmente porque desta vez Felício entrou ligadíssimo. Impulsionada por uma enterrada sensacional do pivô do Chicago Bulls, a seleção fez uma corrida de 8 a 2, abriu nove pontos e obrigou Sergio Scariolo a pedir tempo. A parada funcionou. Com seis pontos seguidos, a Espanha quebrou a sequência dos donos da casas e diminuiu o prejuízo para apenas três pontos. Pior do que a reação espanhola, era a quantidade de faltas cometidas pelos brasileiros, que jogavam Gasol e cia, para a linha dos lances livres. E foi assim que Felipe Reyes empatou a partida. Quando parecia que o jogo ganharia fortes emoções novamente, a seleção acordou, fez oito pontos seguidos e entrou no quarto decisivo com uma boa vantagem de oito pontos.

O Brasil voltou determinado a matar o jogo logo nos minutos iniciais do último quarto e abriu 11 pontos. Mas do outro lado estava a campeã europeia e de prata olímpica. Mesmo com Pau Gasol pouco inspirado e um péssimo aproveitamento nos chutes de três, a Espanha tirou a diferença e diminuiu para apenas um ponto a vantagem dos brasileiros. A seleção reagiu, abriu quatro pontos e respirou. Mas a Espanha é sempre um osso duro de roer e virou numa bola de três de Sergio Llull a 1'44 do fim. A seleção, no entanto, não queria deixar a vitória escapar e com um tapinha salvador de Marquinhos virou a cinco segundos do fim para conquistar uma suada vitória.

Matérias Relacionadas

Economia

Santa Catarina gera mais de 32 mil empregos, melhor outubro da história

No acumulado do ano, Santa Catarina apresenta o melhor desempenho entre todos os estados, com um saldo de 35.210 carteiras assinadas.
Santa Catarina gera mais de 32 mil empregos, melhor outubro da história
Geral

IBGE: esperança de vida do brasileiro aumentou 31,1 anos desde 1940

A expectativa de vida do homem é de 73,1 anos e a da mulher de 80,1
IBGE: esperança de vida do brasileiro aumentou 31,1 anos desde 1940
Geral

Covid-19: ANTT define novas medidas para o transporte interestadual

Resoluções valem apenas para o transporte rodoviário
Saúde

Hemocentros se unem em campanha no Dia Nacional do Doador de Sangue

Pandemia reduziu doações em 50% em algumas regiões
Hemocentros se unem em campanha no Dia Nacional do Doador de Sangue
Ver mais de Brasil