Banner Proauto
Olimpíada

Brasil é derrotado pelo Canadá e fica sem o bronze

19 Ago 2016 - 18h09
O Brasil reagiu no fim do segundo tempo e conseguiu o desconto com Bia, já aos 33 minutos do 2º tempo. O destaque fica por conta da torcida, que deu show e não deixou de apoiar nem por um minuto, inclusive após o apito final e a derrota consumada.

Mais do que a dor da derrota, a seleção vive agora a expectativa de saber como será o futuro da modalidade. A exemplo do que sempre acontece após o ciclo olímpico, as mulheres não sabem qual o tamanho do apoio que terão no país, especialmente para o desenvolvimento de novas jogadoras. A medalha de ouro será decidida ainda nesta sexta-feira, entre Suécia e Alemanha, às 17h30.

Apoio de sobra e futebol de menos


O que não faltou foi o apoio da torcida. Desde o trajeto durante no metrô e nas ruas, o clima era completamente dominado pelo otimismo da torcida, composta, em sua maioria, por famílias. Por vezes, o apoio superava até o que se viu em São Paulo no jogo entre Brasil e Colômbia, nas quartas de final do futebol masculino.

Apesar disso, aos 8 minutos, o Canadá mostrou que não se importaria com toda a pressão. Sinclair bateu falta na entrada da área e acertou o travessão de Bárbara naquele que seria só o primeiro susto para a torcida brasileira.

As visitantes mantiveram a pressão e o sufoco. Aparentemente, estavam sobrando no aspecto físico. Aos 25 minutos, Lawrence puxou contra-ataque e tocou para Rose completar quase que livre para o gol. Depois, foi controlar a vantagem e explorar os erros brasileiros para não correr muitos riscos.

Marta muito bem marcada, e Cristiane sumida


Marta e Cristiane, as duas melhores jogadoras da seleção, não apareceram muito para o jogo. A primeira foi muito bem marcada e mostrou certa irritação por não conseguir desenvolver o bom futebol. Em uma reposição errada do gândula, por exemplo, chutou a bola longe e esbravejou. No apito final, deixou o campo antes de todas as companheiras, cabisbaixa e reclamando.

Cristiane, por sua vez, mostrou que não estava em dia fisicamente após se recuperar de uma lesão na coxa. Também bem marcada, ela não apareceu e foi substituída no intervalo pelo técnico Vadão.

Muita posse de bola e pouca chance de gol


Logo aos 7 minutos de jogo, o Canadá dificultou ainda mais a missão brasileira de dar alegria para os presentes na Arena. Lawrence tocou para Sinclair, que ganhou sem dificuldades da zaga brasileira e aumentou o placar. Ainda assim, a torcida tentou apoiar e soltou o tradicional grito de “Eu acredito!”.

O time tinha bastante a posse de bola, mas não adiantou. Aos 10 minutos do segundo tempo, o Brasil teve a sua primeira chance de balançar a rede do Canadá. Depois de bate-rebate, Formiga cabeceou para a área e achou Rafaelle enfiada entre as zagueiras. Ela cabeceou à direita da goleira. Depois, em lance parecido, Debinha desviou cruzamento de Marta também para fora.

As canadenses apenas se seguraram atrás e exploraram os constantes erros brasileiros. De todos os tipos. No penúltimo passes antes de concluir a gol, na saída de bola na defesa e na exposição demasiada ao tentar diminuir o placar. A tática foi explorar o contra-ataque e ficar mais perto de marcar o terceiro do que sofrer o primeiro.

O gol brasileiro veio já aos 33 minutos do 2º tempo, para a explosão da torcida que clamava por um gol. Bia girou em cima da zaga adversária para diminuir a diferença e dar esperança ao público. Mas foi só.
GNet

Matérias Relacionadas

Política

STF valida decisão que suspende despejos até março de 2022

Objetivo é proteger saúde de populações vulneráveis durante pandemia
STF valida decisão que suspende despejos até março de 2022
Saúde

Pfizer diz que proteção contra Ômicron necessita de três doses

Anúncio foi feito pelas farmacêuticas responsáveis pelo imunizante
Pfizer diz que proteção contra Ômicron necessita de três doses
Saúde

Ômicron chega a 57 países e hospitalizações devem subir

Alerta é da Organização Mundial da Saúde
Ômicron chega a 57 países e hospitalizações devem subir
Economia

Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano

Esta é a sétima alta consecutiva
Copom aumenta taxa básica de juros para 9,25% ao ano
Ver mais de Brasil