Delivery Much
VARIEDADES

Roberto Minczuk rege concerto emocionante

27 Mai 2019 - 08h01Por João Marcos Coelho, especial para o Estado

Por viver numa bolha de autovalorização em relação aos demais gêneros, a música clássica exige que o público "aprenda" uma série de regrinhas e pratique o que Adorno chamava de "escuta ativa" nos concertos. Não funciona. Só repele novos públicos. Neste momento ameaçador para as artes, é preciso estabelecer comunicação de primeiro grau com o público.

Dois exemplos radicalmente diferentes aconteceram esta semana. De um lado, a Osesp propôs pontes entre o complexo concerto de Schoenberg e o populismo da Rhapsody in Blue de Gershwin, dividindo o público: uma parte adora a ousadia e detesta a repetição e a outra vice-versa.

No mesmo sábado, 25, a Orquestra Sinfônica Municipal, sob a regência de Roberto Minczuk, optou por chegar até o público. Populismo raso, dirão. Até pode ser. Mas emocionou a plateia que lotou o Teatro Municipal: um telão projetou uma carta de Maria Amélia, jornalista negra de 34 anos, à sua mãe, assassinada pelo pai, ao som da Pavana para uma princesa morta, de Ravel. A peça é arquiconhecida. Mas ganhou atualidade vinculada à luta contra o feminicídio galopante.

E, apostando que o público, capturado pela Pavana, seguiria ligado, encadeou obras que falam da morte como injustiça. Promoveu a estreia mundial de Meia Lágrima, da venezuelana Elodie Bouny sobre poema de Conceição Evaristo ("da língua cortada/ digo tudo,/ amasso o silêncio") e fechou a primeira parte com o sempre impactante Villa-Lobos com seu vibrante Magnificat Aleluia. Três peças curtas e os ouvidos já seduzidos acompanharam com atenção os 45 minutos do Requiem do mago inglês dos musicais Andrew Lloyd Webber. As 10 partes são desequilibradas - qualquer especialista apontaria vários defeitos estruturais. Mas o que vale em Webber são as melodias. E como elas são cativantes. Duvida? Ouça no YouTube o célebre Pie Jesu, angelical duo de sopranos.

Nem tudo foram flores em termos de qualidade de interpretação. Além da orquestra, participaram o Coro Lírico, o Coro Infantojuvenil da Escola Municipal de Música e três solistas. Em destaque, as sopranos Marly Montoni, de bela e potente voz, trágica em Meia Lágrima mas capaz de soar angelical no citado Pie Jesu, Mariana Neves, do coral infantojuvenil (que já brilhara na Missa de Bernstein ano passado), e o veterano Rubem Medina, de 76 anos.

Claudicaram as trompas no início da Pavana. Houve ainda leves desencontros aqui e ali. Acontece (como semana retrasada, com as sempre imprevisíveis trompas, na Sinfonia nº 7 de Bruckner com Thomas Zehetmair e a Osesp).

Fica a lição. Não se deve "exigir" do público que se achegue à música, ao contrário, é a "construção" do concerto que tem de estabelecer pontos de contato com a plateia.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Corupá confirma sexta morte por Coronavírus

A prefeitura lembra que as medidas de prevenção ao Coronavírus devem ser reforçadas por todos os moradores.
Variedades

Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais

Lives do Fundo Social podem ser conferidas no canal do SESI/SC no YouTube
Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais
Variedades

Fundo Social aborda nesta terça (27) Lei de Incentivo ao Esporte

Mundo

Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição

Além de fazer imagens, a missão pretende coletar areia obtida em solo
Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição
Ver mais de Variedades