Delivery Much
VARIEDADES

O personagem perfeito para biógrafos fazerem a festa

26 Mai 2019 - 08h02Por Julio Maria

A cena em que Elton John flutua quando coloca as mãos no piano, fazendo flutuar também a plateia do Troubador, só perde, no mundo das cinebiografias, para a sequência em que Ray Charles, menininho perdendo o que lhe resta da visão, sai pela sala de casa tentando pegar um grilo. Ele não vê mais, apenas ouve. Chama a mãe e a mãe olha, se segurando para não ajudá-lo desta vez e calando até o soluço no outro canto da sala, sem fazer um ruído para, enfim, deixar seu filho sozinho com o que a vida lhe reserva: a escuridão e o som.

Assim como Ray, Elton John tem elementos de sobra para biógrafos refestelarem-se. O último a fazê-lo foi Tom Doyle, um jornalista musical inglês com um bom texto e um trunfo nas mãos: as entrevistas que fez com o quase inacessível Elton John. Ler sua obra Captain Fantastic -A Espetacular Trajetória de Elton John nos anos 1970 (Benvirá) é saber um pouco mais do que outras já vasculharam. E em alguns casos, um pouco menos.

O biógrafo anterior foi David Bucley, outro jornalista inglês que lançou em 2011 Elton John, A Biografia. Alguns episódios são melhores em seu trabalho, como a passagem em que Elton decide demitir o baterista Nigel Olsson e o baixista Dee Murray. É isso não é pouco. Olsson voltaria para a banda anos depois e está lá até hoje. Murray morreu vítima de enfarte em 1992. Enquanto Doyle dribla esse momento dando uma balinha para o leitor, Bucley tem frases dos próprios envolvidos. "Pelo que li na imprensa, o motivo de nos ter dispensado é que ele queria seguir uma nova direção musical. E acho que ainda não conseguiu", diz Olsson, mergulhado na mágoa que nunca deve passar.

Os dramas existenciais de Elton John alimentam os melhores episódios. Afinal, Elton era o avesso do avesso desde que usava o nome de batismo, Reginald Dwight. Gordinho, baixinho, de óculos e atrás de um piano. Qual seriam mesmo suas chances de liderar uma banda de rock como queria desde que se apresentava como integrante do Bluesology? E estamos falando dos anos 1970, quando a guitarra estava no front e a imagem dos heróis era definida por Robert Plant, Paul e Lennon, Roger Daltrey, Jim Morrison, Jimi Hendrix, Mick Jagger e David Bowie. Quem colocaria suas fichas em Reginaldo?

Elton, então, pirou. Em crise de aceitação, ligou o gás do fogão e ajeitou sua cabeça confortavelmente sobre a almofada colocada dentro do forno. Mas Bernie Taupin, seu parceiro, chegou e riu tanto que a morte não teve clima para chegar naquela noite. Someone Saved My Life Tonight é sobre isso.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Corupá confirma sexta morte por Coronavírus

A prefeitura lembra que as medidas de prevenção ao Coronavírus devem ser reforçadas por todos os moradores.
Variedades

Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais

Lives do Fundo Social podem ser conferidas no canal do SESI/SC no YouTube
Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais
Variedades

Fundo Social aborda nesta terça (27) Lei de Incentivo ao Esporte

Mundo

Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição

Além de fazer imagens, a missão pretende coletar areia obtida em solo
Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição
Ver mais de Variedades