Delivery Much
VARIEDADES

Nuno Ramos lança livro e faz exposição com obras sobre a tragédia de Antígona

16 Abr 2019 - 09h00Por Antonio Gonçalves Filho

A tragédia de Antígona, filha de Édipo punida pelo rei Creonte por desobedecer a um decreto governamental, já foi interpretada no passado como uma alegoria política da rebelião individual contra o arbítrio do Estado - e o exemplo mais vigoroso dessa versão é o 'aggiornamento' feito pelo dramaturgo francês Jean Anouilh (1910-1987). Sua Antígona, recriação moderna da tragédia de Sófocles, foi um símbolo da resistência ao poder do colaboracionista marechal Pétain em plena Ocupação da França pelos nazistas. Ela volta agora a representar papel semelhante numa série de desenhos que leva seu nome assinada pelo artista multidisciplinar paulistano Nuno Ramos em sua exposição Sol a Pino, que a Galeria Fortes DAloia & Gabriel mantém em cartaz até 18 de maio.

Na mostra, Nuno Ramos apresenta também sua mais recente série de pinturas, renovando o compromisso com a técnica pela qual foi revelado, nos anos 1980, como um dos integrantes do histórico grupo Casa 7, ateliê formado por cinco artistas na época alinhados com o neoexpressionismo. São trabalhos pesados (mais de 250 quilos cada um), feitos em encáustica (mistura de tinta a óleo com parafina, vaselina e pó) e que agregam diversos materiais (tecidos, placas de cobre, alumínio). Ao contrário dos desenhos da série Antígona, as pinturas resistem à alegoria política, embora resultem de um mesmo desejo: o da solarização, da iluminação em tempos sombrios - daí o título Sol a Pino, que, segundo Nuno, pretende "espantar o baixo astral em que o País se encontra".

Esse sol a pino, a 90 graus do horizonte, pode cegar qualquer observador - e a pintura monocromática do venezuelano Reverón (1889-1954) foi, nesse sentido, um testemunho da "impossibilidade" da pintura nos trópicos. Mas, no caso de Nuno Ramos, em oposição a Reverón, sua pintura revela novas cores e uma vontade de transfiguração da matéria inerte em uma força viva, desafiadora. Feitas no chão, à maneira de Pollock, essas pinturas têm algo do anel de Moebius, obrigando Nuno Ramos a buscar nesse trabalho reversível, que volta ao passado, um novo ponto de partida. Essa busca, aliás, é o tema inicial do livro Verifique Se o Mesmo, que será lançado hoje, 16, na livraria Tapera Taperá, pelo também poeta, escritor e agora dramaturgo - em setembro, ele apresenta o espetáculo On Human Nature no Festival de Música de Frankfurt, que dramatiza um diálogo entre Foucault e Chomsky com música do grego Iannis Xenákis (1922-2001).

Em seu novo livro de ensaios, Nuno Ramos elege como ideia central o ciclo-labirinto de Moebius como "marca cultural brasileira". Lygia Clark cortando com uma tesoura um anel de Moebius (na obra Caminhando, de 1963), fita em que verso e reverso são intercambiáveis, seria uma possível ilustração dessa vontade de colocar no mundo uma obra sem moldura mas que, paradoxalmente, não supera "o impulso de interiorização" dos artistas contemporâneos - e ele cita inúmeros exemplos, de Hélio Oiticica a Mira Schendel, passando por Lygia Clark, que suprimiu a moldura para transformar a tela numa extensão desse mundo real. No caso da série Sol a Pino, esse circuito nunca é interrompido. Nada é representação, tudo é concreto. Ele revela, aliás, que seu desejo de afirmar a pintura passa pela observação do pós-impressionista Van Gogh. "Ele não pinta a representação da cadeira, mas torna sua presença real", diz, referindo-se à densa camada de tinta de suas telas, também sua marca registrada.

Os desenhos da série Antígona, lembra o artista, levam igualmente para o papel a matéria do mundo, dispersando-a na superfície: o pó de grafite espalhado sobre ela evoca o sepultamento proibido do irmão morto da trágica heroína, Polinices. Fragmentos de figuras humanas e coroas são soterrados sob esse pó, cujos vestígios são subtraídos por Nuno numa alusão à primeira parte da peça de Sófocles, quando um guarda avisa Creonte que o corpo de Polinices havia recebido uma camada de pó, o que caracterizaria um desrespeito a seu édito (na Grécia antiga, era dever das mulheres enterrar o corpo dos familiares e Antígona violaria a lei dos deuses se não o fizesse). Ao usar o grafite como substituto do ritual fúnebre, a poética de Nuno revela a mesma tenacidade de Antígona, prestando reverência aos mortos em batalhas contra o poder arbitrário do Estado, o que, aliás, já fez no passado com sua instalação 111, que denunciou o massacre de presos no Carandiru, em 1992.

Um dos ensaios de seu livro Verifique Se o Mesmo, Suspeito que Estamos, trata justamente desse desprezo pela vida na sociedade brasileira. É um pouco o resumo da ópera. Mas ainda há esperança. Um exemplo: as fotografias dos índios ianomâmi de Claudia Andujar no IMS (exposição encerrada). "Fiquei simplesmente impactado."

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Corupá confirma sexta morte por Coronavírus

A prefeitura lembra que as medidas de prevenção ao Coronavírus devem ser reforçadas por todos os moradores.
Variedades

Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais

Lives do Fundo Social podem ser conferidas no canal do SESI/SC no YouTube
Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais
Variedades

Fundo Social aborda nesta terça (27) Lei de Incentivo ao Esporte

Mundo

Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição

Além de fazer imagens, a missão pretende coletar areia obtida em solo
Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição
Ver mais de Variedades