105 Ouça
Caraguá
VARIEDADES

Mostra de cinema em suspenso

28 Fev 2019 - 09h30Por Luiz Carlos Merten

É o tema do momento - a questão do patrocínio. A partir desta quinta, 28, o Belas Artes deixa de exibir o logo da Caixa e passa a lutar por subsistência. A própria Mostra, uma instituição do cinema em São Paulo, vive momentos de indecisão. Desde 1999, a BR Distribuidora e a Petrobras têm sido patrocinadoras da Mostra. Já houve um tempo em que a Petrobras assinou contrato de três anos com o evento, depois, no fim de cada Mostra, anunciava o patrocínio do ano seguinte. Isso não ocorreu no fim da Mostra de 2018, acionando um sinal vermelho de perigo.

Em janeiro, Renata de Almeida recebeu um e-mail da gerência de patrocínios da empresa estatal de economia mista que opera no segmento de energia, prioritariamente nas áreas de exploração, produção, refino, comercialização e transporte de petróleo, gás natural e seus derivados. A Petrobras foi sempre grande patrocinadora de atividades culturais no País. O e-mail exortava Renata a enviar seu projeto de patrocínio para a Mostra deste ano, o que ela fez, prontamente. Já trabalhando para a 43.ª edição do evento, que deve ocorrer entre 17 e 30 de outubro, ela foi ao Festival de Berlim garimpar títulos como sempre faz - e antes dela, como fazia Leon Cakoff, que criou a Mostra, ainda durante a ditadura.

Durante a Berlinale, as notícias do Brasil não eram tranquilizadoras. Restrições orçamentárias e cortes de patrocínios movimentavam a mídia quase diariamente. Num encontro com o repórter, Renata chegou a desabafar - "Não sei o que estou fazendo aqui. As perspectivas não são boas, mas a Mostra já está na rua e eu preciso batalhar para sua realização." Renata já acertou, por exemplo, que a Mostra apresente o vencedor do Urso de Ouro - Syonymes, do israelense Nadav Lapid - e negocia para que se repita em São Paulo um dos maiores acontecimentos do Festival de Berlim deste ano - a apresentação da versão restaurada do clássico O Encouraçado Potemkin, de Sergei M. Eisenstein, com música ao vivo.

Está preocupada - "Já estamos entrando em março e não recebi nenhum comunicado da gerência, se manterá o patrocínio da Mostra deste ano. Daqui a pouco - em maio - vem Cannes e eu preciso saber a quantas ando. A Mostra sempre demanda muito dinheiro para ser realizada em condições plenas, mas cada ano é uma batalha e a gente se adapta. Se diminui a verba, aperta aqui, corta ali. O importante é ter claro o tamanho que a Mostra poderá ter." Ao redor, Renata vê a Petrobras cortar os patrocínios. "Embora seja nossa principal patrocinadora, não é a única. Temos já confirmados a Spcine e o Sesc, mas o problema é que vários apoiadores e copatrocinadores utilizam a Lei Rouanet, e ela está fechada. Criou-se essa fantasia de que a lei podia ser fraudada e servir a outros objetivos. Não é verdade, ou pelo menos nunca foi conosco. A lei exige tanta prestação de contas que só um esquema montado para isso consegue burlar."

Renata procura não ideologizar a discussão. "Nesses mais de 40 anos, a Mostra que surgiu como resistência à ditadura, atravessou governos de diferentes partidos. Nunca nos filiamos, partidariamente. A Mostra sempre foi um reduto da estética e do humanismo." Ainda aguardando resposta, ela ouve justificativas, aqui e ali, para possíveis cortes. "Fala-se muito em contrapartida social. A Mostra realiza sessões gratuitas, cria empregos, paga impostos e oferece um retorno midiático muito grande. O que a Petrobras recebeu de retorno como mídia espontânea no ano passado justificaria plenamente o reinvestimento." Durante a recente Berlinale, o cinema brasileiro conseguiu emplacar filmes em diferentes seções do festival.

Marighella, de Wagner Moura, passou na mostra principal e teve direito a coletiva. Os outros dez filmes, incluindo um curta, tiveram Q&A, as seções de pergunta e resposta com as equipes. Mais de um diretor aventou a hipótese de represália. A arte, por seu comprometimento humanista, estaria mais à esquerda e, portanto, na contramão do atual governo. Como atividade econômica, é rentável. Cada real investido no cinema retorna multiplicado por três, ou quatro. Gera empregos - o que se pretende é golpear/silenciar a classe artística, era uma avaliação comum entre os artistas. Renata não quer entrar nessa discussão, que considera desgastante, mas diz que o projeto que encaminhou é detalhado. "Está tudo lá, o investimento, que nem é grande, o retorno, que é imenso. O que espero é uma análise profissional, e respeito. A Mostra pertence aos paulistanos, aos brasileiros. Aguardo respostas."
As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Caraguá

Matérias Relacionadas

Geral

Campanha de arrecadação de brinquedos segue até o dia 18 em Guaramirim

Confira os pontos de coleta e faça o Natal de crianças carentes do município mais feliz
Campanha de arrecadação de brinquedos segue até o dia 18 em Guaramirim
Geral

Musical 'A Fantástica Fábrica do Papai Noel' chega a Jaraguá do Sul

O espetáculo acontece no Grande Teatro da Scar no dia 10 de dezembro às 19h00.
Musical 'A Fantástica Fábrica do Papai Noel' chega a Jaraguá do Sul
Variedades

Grife inspiração: 15 músicas que mencionam marcas de roupas

Com que roupa eu vou pro samba que você me convidou? Não precisa observar muito para perceber que a moda e a música estão sempre ligadas e vamos te provar.
Geral

Morador de Guaramirim, Gustavo Bardin, passa de fase no The Voice Kids

Agora, Gustavo Bardim vai encarar uma nova apresentação no dia 19, de olho na grande final.
Morador de Guaramirim, Gustavo Bardin, passa de fase no The Voice Kids
Ver mais de Variedades