VARIEDADES

'Billy Elliot' conserva a força da versão original no cinema

15 Abr 2019 - 09h00Por Ubiratan Brasil

Quando estreou o filme "Billy Elliot", em 2000, fazia dez anos que Margaret Thatcher deixara de ser primeira ministra britânica. Hoje, sua figura controversa tornou-se ainda mais desconhecida do grande público. É feliz, portanto, a decisão da montagem nacional de "Billy Elliot - O Musical", em cartaz no Teatro Alfa, de minimizar sua importância (nem em foto, mrs. Thatcher aparece) e se concentrar na importância da arte (especificamente a dança) na transformação de consciências. Billy perdeu a mãe, o que desestabilizou a família. Desanimado com as sessões de boxe, o menino descobre uma aula de balé, na qual seu talento se revela. Auxiliado pela senhora Wilkinson, Billy aprende os conceitos básicos que o levarão até o Royal Ballet. Antes, porém, terá de combater o preconceito local. A chance do garoto está na transformação do pai, que percebe ser o filho o único naquela comunidade condenada pelo fracasso a ter êxito na vida.

Eis aí o ponto forte da montagem brasileira. Carmo Dalla Vecchia traz a verdade esperada em Jackie, o pai brutalizado, mas que percebe o talento do garoto. Também Beto Sargentelli, ator especial, como Tony, o irmão cabeça-dura, revela a transformação e aceitação do potencial do menino. A família se completa com a avó e o espectro da mãe, em iluminadas interpretações de Inah de Carvalho e Sara Sarres. Finalmente, Vanessa Costa traz a garra esperada como sra. Wilkinson.

O espetáculo, porém, tem sua força na presença dos garotos. Billy é defendido alternadamente por Pedro Sousa, Tiago Fernandes e Richard Marques. Com características distintas, eles apresentam o menino que descobre, aos poucos, a força de seu talento. Surpreendem também como bailarinos, com passos precisos. Outro destaque é o trio Felipe Costa, Paul Gomes e Tavinho Canalle, que vive Michael, o amigo de Billy, que não se importa em se vestir de mulher. É encantadora a forma como eles mostram isso, sem trejeitos. Fortalece a mensagem contra o preconceito, que marca a peça. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

BILLY ELIOTT.
Teatro Alfa. Rua Bento Branco de Andrade Filho, 722, tel. (011) 5693-4000. 6ª, 20h30; Sáb., 15h/20h; dom., 14h/18h. Ingressos: de R$ 40 a R$ 260. Até 28/4.

Matérias Relacionadas

Santa Catarina

Em um ano, Santa Catarina resgata 1,4 mil animas vítimas de tráfico

Destes, 1.008 foram destinados ao Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), em Florianópolis
Em um ano, Santa Catarina resgata 1,4 mil animas vítimas de tráfico
Variedades

Festival de Cinema se reinventa em meio à pandemia

A organização conta com um número recorde de inscrições (377), quase 100 a mais que no ano passado, quando houve 280
Festival de Cinema se reinventa em meio à pandemia
Jaraguá do Sul

Fujama prepara cartilha sobre as espécies nativas da região

Material será ilustrado com fotos de exemplares dos animais silvestres que habitam no Vale do Itapocu
Fujama prepara cartilha sobre as espécies nativas da região
Jaraguá do Sul

Câmara.com Você completa 10 anos nesta segunda-feira (25)

O programa leva conhecimento político para as escolas e proporciona aos estudantes uma vivência mais próxima ao Poder Legislativo Municipal
Câmara.com Você completa 10 anos nesta segunda-feira (25)
Ver mais de Variedades