Delivery Much
VARIEDADES

Antunes Filho se tornou mestre de gerações

03 Mai 2019 - 16h13Por Maria Eugênia de Menezes, especial para AE

Antunes Filho morreu como planejava: sem se afastar do palco. Sua última peça, "Eu Estava em Minha Casa e Esperava que a Chuva Chegasse", estreou em setembro do ano passado no festival Mirada, em Santos. Era mais uma montagem no contexto de uma carreira extensa - foram mais de 60 anos dedicados ao teatro. O diretor, porém, ainda tratava cada peça como uma situação de risco máximo, fazia e refazia as cenas ensaiadas à exaustão, exigia apuro em cada gesto e em cada voz, tinha ganas de mudar tudo mesmo que faltassem poucas horas para as cortinas se abrirem.

O encenador, cuja trajetória se confunde com a do moderno teatro brasileiro, não será lembrado apenas pela sua genialidade. Antunes acreditava em trabalho - horas, dias, meses de dedicação, pesquisa e suor. E foi assim, exigindo sempre a potência máxima de seus atores, que se tornou mestre de gerações: Laura Cardoso, Eva Wilma, Miriam Mehler, Raul Cortez, Stênio Garcia, Cacá Carvalho, Giulia Gam, Marco Antonio Pâmio, Luís Melo, Arieta Côrrea, Lee Thaylor e tantos outros.

Para criar "Macunaíma" (1978), Antunes trabalhou durante um ano inteiro, mais de dez horas por dia. O resultado, um marco do teatro brasileiro de todos os tempos, representou um ponto de inflexão na carreira do artista - momento em que ele deixou de ser um encenador competente para tornar-se um artista que experimenta e vai adiante em tudo o que faz. Mantendo-se fiel ao texto de Mário de Andrade, o que significava deixar de lado qualquer psicologismo e passar a lidar com os pressupostos inexplicáveis da magia, o espetáculo também bebia nas influências que alterariam o seu teatro e significariam uma profunda renovação para as artes cênicas brasileiras. De repente, é como se acertássemos o passo o contexto internacional - bebendo na estética de Bob Wilson, de Tadeusz Kantor e da arte Povera- mas sem deixar de lado uma brasilidade que se exprimia em cores e formas.

A repercussão nacional e internacional - "Macunaíma" tornou-se a peça brasileira mais vista e aplaudida no exterior - abriu espaço também para uma nova forma de criação. Seu grupo de atores passa a se chamar também Macunaíma e surge o importante CPT - Centro de Pesquisa Teatral. A partir desse momento, o diretor prefere lidar com intérpretes mais jovens.

Recentemente, tinha-se, por vezes, a sensação de que seus elencos não possuíam a envergadura necessária para dar corpo às suas ideias. Mas o diretor perseverava, acreditando que primeiro era preciso formar um ser humano completo, com independência de pensamento, para que só depois surgisse o ator. Controverso, chamado por muitos de tirano e autoritário, desenvolveu uma rigorosa e singular metodologia: um sistema de técnicas e meios expressivos que envolvia Stanislavsky, Brecht e ia além.

Antunes não lidava com a ideia da novidade pura, mas do novo que surge em relação ao acúmulo e ao diálogo com as tradições. Antes da revolucionária versão para a rapsódia de Mário de Andrade trabalhou no Teatro Brasileiro de Comédia - TBC, onde esteve ao lado dos encenadores italianos Adolfo Celi, Ruggero Jacobbi e Luciano Salce. À época, já era um acurado diretor de atores, mas criava peças bem-feitas, quase de entretenimento. São desse período criações como "Plantão 21" (1959), obra em que explora recursos cinematográficos. Nesse começo de carreira, seu objetivo parecia criar com o maior realismo possível. Um caminho que começa a se inverter em "As Feiticeiras de Salem" (1960), uma controversa encenação do texto de Arthur Miller.

O encontro com Nelson Rodrigues também foi um marco e o autor pairou como obsessão para Antunes pelo restante de sua carreira. Seu primeiro contato com essa dramaturgia se deu com "A Falecida" (1965). E irá frutificar em outras obras como "Nelson Rodrigues - Eterno Retorno" (1981), "Nelson 2 Rodrigues" (1984) e "Paraíso Zona Norte" (1989). Nelas, o diretor situou o grande dramaturgo no lugar que lhe é devido. Retirou-lhe do terreno das comédias de costume, chave em que muitos ainda leem suas criações, para situá-lo no campo mítico. Para o crítico Sábato Magaldi, Antunes Filho conseguia "colocar Nelson na altitude dos gregos".

Em meio a tão vasta produção, também merece um olhar cuidadoso sua incursão pelas tragédias clássicas: caso de "Fragmentos Troianos" (2000) e "Medeia" (2001). Ainda que não tenham sido unanimemente bem-recebidos, os espetáculos marcariam o seu vocabulário estético e vinham depois de um traumático episódio para o diretor: a saída do ator Luís Melo.

Desde "A Hora e a Vez de Augusto Matraga" (1986), uma aplaudida versão da obra de Guimarães Rosa, Antunes via em Melo o ator com o qual levaria seu método a uma potência máxima. Em "Drácula e Outros Vampiros" (1996) foi obrigado a retroceder em muitos de seus avanços e a buscar novas estratégias para continuar. Mergulhou nas atividades do CPT e de lá a sairia a série Pret-a-Porter. Seria o caminho para Antunes sistematizar suas práticas estéticas e perseguir o seu sonho maior: ter o ator como senhor absoluto do palco.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Corupá confirma sexta morte por Coronavírus

A prefeitura lembra que as medidas de prevenção ao Coronavírus devem ser reforçadas por todos os moradores.
Variedades

Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais

Lives do Fundo Social podem ser conferidas no canal do SESI/SC no YouTube
Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais
Variedades

Fundo Social aborda nesta terça (27) Lei de Incentivo ao Esporte

Mundo

Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição

Além de fazer imagens, a missão pretende coletar areia obtida em solo
Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição
Ver mais de Variedades