Delivery Much
VARIEDADES

A força e a beleza da cultura indígena em registro ficcional

22 Abr 2019 - 10h16Por Luiz Zanin Oricchio

O título poético, talvez um tanto assustador - Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos - indica a história de uma vocação não assumida e um luto mal realizado. O protagonista é Ihjãc, jovem indígena da etnia Krahô. Na primeira cena o vemos em uma cachoeira dirigindo-se ao pai, morto. Esse cenário voltará nas sequências finais desse belo longa dirigido por Renée Nader Messora e João Salaviza.

Muito do seu encanto vem do protagonista, desenhado como ser problemático. Ele não se sente à vontade na aldeia. Teme ser levado à condição de pajé, destino que não deseja. Para escapar à sina, refugia-se na cidade, a pretexto de estar doente e precisar de tratamento médico. Na terra dos brancos será um estranho. Ninguém o compreende e seu desejo de permanecer mais tempo no abrigo governamental é visto como malandragem.

Se a história é interessante, não menos é a forma como o enredo se desenha numa visão respeitosa e profunda sobre a cultura indígena. Em muitos sentidos, Chuva é Cantoria… parece um documentário disfarçado de ficção. E vice-versa, uma história com viés documental para melhor se expressar.

O protagonista vê-se atormentado tanto pela vocação de se tornar xamã quanto por uma obrigação não realizada em relação à figura paterna. O pai morreu, mas a cerimônia fúnebre de sua despedida ainda não foi realizada. Ele não partiu de vez. Paira, como memória, sobre o filho. E sobre toda a aldeia. Será preciso realizar a cerimônia da tora. Um tronco de árvore é enfeitado pelo filho e a comunidade é convocada para chorar o homem morto pela última vez. Faz-se a cerimônia e, em seguida, a vida segue seu curso. Não se derramam mais lágrimas e não se evoca mais a lembrança do morto porque a rotina dos vivos deve seguir. Mas o filho não consegue realizar o luto e segue sentindo a presença do pai. Essa incapacidade será a sua condição trágica.

Neste momento em que a população indígena se encontra novamente ameaçada, este filme tem reforçada sua importância e atualidade. Sem falar de maneira direta em massacres (caso dos já clássicos Martírio, de Vincent Carelli, e Serras da Desordem, de Andrea Tonacci), Chuva é Cantoria... acena como gesto de respeito à cultura indígena. À sua beleza e complexidade, já conhecidas há muito por etnólogos como Claude Lévi-Strauss. Não há nada de primitivo na maneira como indígenas se relacionam entre si e com a natureza. Pelo contrário, são sofisticadíssimos. Primitivos são os que ignoram essa cultura e cobiçam suas terras.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Saúde

Corupá confirma sexta morte por Coronavírus

A prefeitura lembra que as medidas de prevenção ao Coronavírus devem ser reforçadas por todos os moradores.
Variedades

Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais

Lives do Fundo Social podem ser conferidas no canal do SESI/SC no YouTube
Prestação de contas amplia chances de captação de recursos para projetos sociais
Variedades

Fundo Social aborda nesta terça (27) Lei de Incentivo ao Esporte

Mundo

Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição

Além de fazer imagens, a missão pretende coletar areia obtida em solo
Missão japonesa fará imagens de Marte e suas luas em alta definição
Ver mais de Variedades