dengue
Saúde

Prótese brasileira devolve a voz a quem perdeu laringe por câncer

O Instituto Nacional de Câncer estima que quase 8 mil pessoas descubram ter câncer de laringe no Brasil, a cada ano

23 Nov 2019 - 15h00Por Da Redação

Cientistas brasileiros desenvolveram uma prótese para que pacientes que perderam a laringe, em decorrência do câncer, possam voltar a falar.

O modelo, mais acessível e barato do que os existentes atualmente no mercado, foi feito por pesquisadores do Departamento de Engenharia Mecânica (EMC) da UFSC, Universidade Federal de Santa Catarina, no Laboratório de Vibrações e Acústica (LVA).

A prótese de voz é um tipo de válvula que permite a produção de som semelhante à voz de um falante saudável com rouquidão moderada, porém quase normal em termos de volume e intensidade. Ela é diferente da oferecida pelo SUS, conhecida como “laringe eletrônica” que deixa a voz meio robótica.

“Nossa pesquisa tem grande apelo social porque viabilizaria uma prótese de voz para uma parcela enorme da população”, diz o professor Andrey Ricardo da Silva, cuja equipe trabalha em cooperação com o Centro de Pesquisas Oncológicas de Santa Catarina (Cepon).

A doença

O Instituto Nacional de Câncer estima que quase 8 mil pessoas descubram ter câncer de laringe no Brasil, a cada ano. Se diagnosticado tardiamente – algo comum no país -, 80% dos casos exigem a retirada total da laringe (laringectomia total). Ainda que necessário, o procedimento implica na perda da capacidade de falar dos pacientes.

Os únicos modelos de prótese disponíveis no Brasil, importados dos Estados Unidos ou da Suécia, saem por por aproximadamente R$ 2.400 e o custo se torna ainda mais elevado quando é preciso trocar as válvulas, a cada seis meses.

Além de dominar a tecnologia de fabricação – com auxílio de impressora 3D – os pesquisadores estão adaptando os modelos das válvulas importadas para melhor adequação aos laringectomizados brasileiros.

Como as características fisiológicas divergem muito de paciente para paciente, mais de 10 protótipos foram testados e o modelo ideal será patenteado para oficializar a detenção da tecnologia EM SC em termos de próteses de voz.

SUS

Médicos creem que a forma mais efetiva para restabelecer a voz em pacientes cuja laringe foi totalmente retirada seja a prótese tráqueo-esofágica, como a que está em desenvolvimento no LVA.

“Só existem três formas de reabilitar a fonação dos pacientes que perderam a laringe: laringe eletrônica, prótese tráqueo-esofágica e voz esofágica, com treino fonoaudiológico. A prótese é a mais eficiente em qualidade vocal, mas ainda não é padronizada pelo SUS. A possibilidade de termos uma prótese nacional, ampliaria a possibilidade de padronização dessa alternativa. E a absoluta maioria dos pacientes laringectomizados poderá recebê-la”.

Palavras de Luiz Medina Santos, médico do Centro de Pesquisas Oncológicas de Santa Catarina (Cepon).

O Instituto Nacional de Câncer estima que quase 8 mil pessoas descubram ter câncer de laringe no Brasil, a cada ano. Se diagnosticado tardiamente – algo comum no país -, 80% dos casos exigem a retirada total da laringe (laringectomia total).

Ainda que necessário, o procedimento implica na perda da capacidade de falar dos pacientes.

A prótese de voz 100% brasileira já poderia estar pronta se os aportes prometidos pelo governo federal tivessem sido feitos. E com os recentes cortes, sua fabricação pode atrasar ainda mais.

Produção

A impressão de uma única peça leva até 15h.

São necessários dois dias para que a secagem completa do silicone injetado no molde.

Parte do processo está a cargo do engenheiro André Miazaki da Costa Tourinho, que foi de Brasília para Santa Catarina e conseguiu bolsa de doutorado em 2018 para trabalhar com modelagem numérica e bancadas experimentais no LVA.

“O legal da pesquisa é poder ajudar pessoas laringectomizadas que precisam de ajuda”, afirma.

Algumas não falam nada e recorrem à escrita para ser entendidas.

A maioria fala com dificuldades, porque mesmo com a laringe eletrônica a pessoa precisa aprender certos macetes. Às vezes as pessoas entram na Justiça para que o SUS pague uma parte da prótese importada, e mesmo conseguindo, acabam tentando usar a prótese por mais tempo que o recomendado. É difícil para todo mundo,” concluiu.

Fonte: SóNotíciaBoa


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Saúde

Comissão aprova validade permanente para diagnóstico de autismo

Matéria segue para análise da Câmara
Comissão aprova validade permanente para diagnóstico de autismo
Saúde

Jaraguá do Sul decreta Situação de Emergência em função da dengue

O decreto estabelece, também, que os órgãos públicos municipais tenham um momento semanal para realizar atividades de conscientização e prevenção à Dengue
Jaraguá do Sul decreta Situação de Emergência em função da dengue
Saúde

Governo de SC lança painel com dados da Dengue

As pessoas podem acessar e ter conhecimento sobre como está a situação do seu município e isso pode até servir como mais um alerta
Governo de SC lança painel com dados da Dengue
Saúde

Vacinação contra a dengue começa hoje em Jaraguá do Sul

Imunização ocorre em 22 Unidades de Saúde com sala de vacinas
Vacinação contra a dengue começa hoje em Jaraguá do Sul
Ver mais de Saúde