Saúde

Nova cola cirúrgica pode curar feridas fatais em 20 segundos

Trata-se de um bio-gel que reduz drasticamente o tempo de recuperação do paciente e pode ser usado para salvar as vidas de feridos em zonas de guerra e acidentes graves

19 Mai 2019 - 15h00Por Só Notícia Boa
Nova cola cirúrgica pode curar feridas fatais em 20 segundos - Crédito: Reprodução / Youtube / NPG Press Crédito: Reprodução / Youtube / NPG Press

Cientistas conseguiram desenvolver uma cola cirúrgica que pode curar ferimentos fatais, ou pacientes com sangramentos na mesa de cirurgia, em apenas 20 segundos.

Trata-se de um bio-gel que reduz drasticamente o tempo de recuperação do paciente e pode ser usado para salvar as vidas de feridos em zonas de guerra e acidentes graves.

A revista científica Nature chamou o hidrogel hemostático de “fortemente adesivo para o reparo de hemorragias arteriais e cardíacas”.

Quando ativada por luz UV (ultravioleta), a “bio-cola” forma imediatamente uma vedação completa, mesmo em tecido úmido, sem a necessidade de grampos ou pontos.

A pesquisa

Os pesquisadores conseguiram fechar incisões e buracos de até 6 milímetros de largura nos vasos sanguíneos e órgãos de porcos em menos de 30 segundos.

Depois, três dos porcos foram monitorados por um período de duas semanas e todos tiveram uma recuperação completa sem anormalidades, nem efeitos colaterais.

O professor Hongwei Ouyang, autor do estudo, espera que o gel esteja disponível para uso humano daqui a três ou cinco anos. “O sangramento incontrolável é um grande problema em procedimentos cirúrgicos e após grandes traumas”, explicou Ouyang, especialista em terapia regenerativa da Escola de Medicina da Universidade de Zhejiang, em Hangzhou, China.

“As substâncias coagulantes existentes hoje controlam mal a hemorragia de feridas arteriais e cardíacas traumáticas devido à sua fraca adesão aos tecidos húmidos e móveis.”

Como

O novo bio-gel, no entanto, contém água, gelatina e um coquetel de produtos químicos que são injetados no tecido lesionado.

Esses componentes ajudam a imitar a estrutura de suporte das células chamada de “matriz extracelular”, uma composição complexa de proteínas e outras moléculas. Quando exposta à luz UV, a cola se ajusta rapidamente.

“Após a irradiação UV, os compostos orgânicos na interface hidrogel do tecido reagem com grupos amino das proteínas do tecido, formando fortes ligações”, diz Ouyang. “O hidrogel acionado é como borracha. Podemos até dizer que é como um tecido conjuntivo.

“Os componentes e propriedades mecânicas do hidrogel imitam os dos tecidos moles humanos.”

As soluções baseadas em gel exigem forte adesão ao tecido úmido e a força para resistir à pressão alta e ao movimento de um coração batendo – mas muito poucos materiais atóxicos atendem a esses critérios, diz Ouyang.

“Este hidrogel pode passar por um rápido ajuste para aderir e selar as artérias e paredes cardíacas após a irradiação com luz ultravioleta.

“É a primeira vez que o sangramento de alta pressão do coração batendo com furos de penetração cardíaca de 6 mm de diâmetro foi rapidamente interrompido.”

“Ele pode ser facilmente aplicado em qualquer condição e pode impedir qualquer sangramento grave que os atuais produtos de gel médico não possam parar.”

Mais estudos estão sendo planejados para confirmar a segurança da cola em humanos. “O próximo passo é terminar os dados pré-clínicos e obter aprovação oficial para um ensaio clínico”, diz Ouyang.

Fonte: SóNoticiaBoa


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Saúde

Santa Catarina registra 55 mortes por gripe em 2019

Jaraguá do Sul é a cidade que teve mais mortes
Santa Catarina registra 55 mortes por gripe em 2019
Saúde

Guaramirim segue com ações para evitar febre amarela

Até o momento, o Estado já registrou duas mortes por conta da doença
Guaramirim segue com ações para evitar febre amarela
Saúde

Infestação do mosquito maruim deve começar a diminuir até o final de 2019, afirma pesquisador

O pesquisador Lineu Fernando Del Ciampo, que integra a equipe de profissionais do laboratório, foi o entrevistado de hoje no jornal Diário da Jaraguá
Infestação do mosquito maruim deve começar a diminuir até o final de 2019, afirma pesquisador
Saúde

Pesquisa sobre hábitos de saúde começa no Ilha da Figueira

Os questionários que serão feitos com 382 pessoas da localidade fazem parte de uma pesquisa do Jaraguá Mais Saudável
Pesquisa sobre hábitos de saúde começa no Ilha da Figueira
Ver mais de Saúde