Saúde

Mulheres e crianças infectadas por Zika desenvolvem imunidade ao vírus

Pesquisa mostra que 80% dos pacientes analisados ficaram imunes

06 Out 2019 - 15h00Por Da Redação
Mulheres e crianças infectadas por Zika desenvolvem imunidade ao vírus - Crédito: Sumaia Villela/Agência Brasil Crédito: Sumaia Villela/Agência Brasil

Pesquisa realizada pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e pela Universidade Federal Fluminense (UFF) constatou que mulheres e crianças que já foram infectadas pelo vírus Zika podem desenvolver imunidade à doença. Os pesquisadores detectaram que 80% dos 100 pacientes analisados ficaram imunes depois de serem submetidos à infecção.

As crianças nasceram em 2016 e vêm sendo acompanhadas desde então junto às mães pela UFF e pela Fiocruz. Segundo a pesquisadora da Fiocruz Luzia Maria de Oliveira Pinto, a partir de 2018, elas começaram a ter o sangue coletado e analisado para entender a resposta do sistema imunológico delas a uma nova exposição ao vírus.

“A gente começou a avaliar o sangue tanto das mães quanto das crianças para entender um pouco da imunidade delas, ou seja, para entender se, um dia, caso essas pessoas reencontrem o vírus, elas teriam a capacidade de responder a esse vírus e não ficar mais doente, ou seja, adquirindo a imunidade”.

Segundo ela, participam do estudo 50 mães e 50 crianças infectadas pelo Zika e o resultado foi de 80% de imunidade em ambos os casos.

Além do acompanhamento laboratorial desses 100 pacientes, a UFF também faz o acompanhamento clínico de mais de 260 crianças infectadas pelo vírus que nasceram na região de Niterói. O objetivo, segundo a pesquisadora da UFF Claudete Araújo Cardoso, é verificar se elas desenvolvem alguma doença ou complicação ao longo dos cinco primeiros anos de vida.

Nesse acompanhamento, os pesquisadores verificaram, por exemplo, que alguns bebês que nasceram aparentemente saudáveis desenvolveram um quadro de microcefalia de três a seis meses após o parto. Claudete explica que o fenômeno já havia sido constatado em 13 crianças do Nordeste e foi confirmado agora em seis crianças que estão sendo acompanhadas pela UFF.

“Elas nasceram com perímetro cefálico normal, mas, por ação do vírus, o cérebro da criança para de crescer e de se desenvolver. Esse é um alerta que a gente passa para a população: se nasceu durante uma epidemia ou a mãe teve manchas na pele durante a gravidez, tem que ser feito um acompanhamento criterioso na rede básica, no posto de saúde”, disse.

Fonte: Agência Brasil


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Saúde

Beber chá verde 3 vezes por semana reduz risco de derrame, diz estudo

A explicação está nos polifenóis, um poderoso antioxidante com ação nos vasos sanguíneos
Beber chá verde 3 vezes por semana reduz risco de derrame, diz estudo
Saúde

Jackson de Ávila quer ser o Secretário de Saúde

Jackson disse só precisa de seis meses no cargo para dar resultados como maior celeridade em exames e cirurgias eletivas e de média complexidade
Jackson de Ávila quer ser o Secretário de Saúde
Saúde

Santa Catarina recebe mais 28 mil doses da vacina pentavalente

Esse é o segundo lote de vacinas recebido pelo Estado neste ano
Santa Catarina recebe mais 28 mil doses da vacina pentavalente
Saúde

Costureira com problemas renais reclama de dificuldade para conseguir fazer exames

Ela conta que na semana passada, teve mais uma crise com muitas dores e procurou o Pronto Socorro do Hospital São José
Costureira com problemas renais reclama de dificuldade para conseguir fazer exames
Ver mais de Saúde