caragua
caragua mobile
Saúde

Ministério da Saúde amplia oferta de medicamentos a crianças que realizaram transplante de fígado

Uma nova versão do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para imunossupressão de transplante de fígado em pediatria foi publicada neste ano e disponibilizará mais 3 medicamentos

05 Mai 2019 - 15h00Por Lídia Maia / Agência Saúde

O Ministério da Saúde ampliou o tratamento disponibilizado no Sistema Único de Saúde (SUS) às crianças que são submetidas a transplante de fígado. Agora, o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT), que orienta o cuidado relacionado ao transplante hepático pediátrico, passa a contar com mais três medicamentos: basiliximabe, everolimo e timoglobulina. Esses imunossupressores já eram ofertados no SUS, mas não havia indicação para uso em crianças e adolescentes até os 18 anos no pós-transplante para diminuir o risco de rejeição ao novo órgão.

caragua 3

Além desses três medicamentos, o SUS já ofertava para o transplante de fígado em pediatria 09 imunossupressores: o azatioprina, ciclosporina, metilprednisolona, micofenolato de mofetila, micofenolato de sódio, prednisolona, prednisona, sirolimo e o tracolimo. São medicamentos para equilibrar a resposta imunológica e evitar a rejeição e perda do órgão transplantado. A indicação de qual desses medicamentos deve ser usado é feita pela equipe médica responsável pelo acompanhamento do paciente, que agora conta com novas opções.

O Ministério da Saúde, por meio da Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC), que inclui os demais gestores do SUS, mantém uma política permanente de atualização e revisão dos PCDTs que orientam os profissionais de saúde quanto aos critérios para diagnóstico e tratamento de cada doença ou condição, incluindo a indicação e o uso de medicamentos. O objetivo é ampliar as tecnologias e aperfeiçoar o tratamento disponibilizado no SUS, garantindo o cuidado adequado a cada paciente.

O transplante de fígado só é indicado para pessoas com doenças hepáticas agudas ou crônicas irreversíveis e progressivas. Em crianças e adolescentes, a principais indicações são a atresia de vias biliares (obstrução progressiva, sem causa definida), que corresponde a 57% dos casos, e as doenças metabólicas (alterações no funcionamento do organismo, como a esteatose - que é o excesso de gordura no fígado), que representam 19% das indicações.

Inúmeros avanços nas diversas fases do transplante de fígado têm possibilitado excelentes resultados em crianças, principalmente com o uso de imunossupressores. De modo geral, os resultados no Brasil de transplante de fígado em crianças são positivos em mais de 90% dos casos, conforme registra o Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas recém-atualizado.

TRANSPLANTE DE FÍGADO
O fígado é um órgão indispensável para o bom funcionamento do corpo humano e, apesar de sua capacidade regenerativa, certas doenças podem provocar a necessidade de transplante. Os primeiros sinais e sintomas de problemas são a dor abdominal do lado direito e a barriga inchada. Além desses sintomas, também podem ocorrer cor amarelada na pele e nos olhos e urina amarela forte ou escura, sinais da insuficiência hepática.

Neste ano, entre janeiro e fevereiro, foram realizados 32 transplantes pediátricos (crianças de 0 a 17 anos) no Brasil. Em 2018, foram 239 transplantes em crianças e adolescentes.

O Brasil é referência mundial na área de transplantes e possui o maior sistema público de transplantes do mundo. Mais de 90% dos procedimentos de todo o país são financiados pelo SUS. Em números absolutos, o Brasil é o segundo maior transplantador do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos.

No SUS, os pacientes recebem assistência integral e gratuita, incluindo exames preparatórios, cirurgia, acompanhamento e medicamentos pós-transplante, pela rede pública de saúde, em um programa de atenção à saúde e assistência farmacêutica conjunto do Ministério da Saúde e secretarias de saúde.

CONITEC
As sugestões de ampliação da oferta de medicamentos no Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas (PCDT) para imunossupressão de transplante hepático em pediatria foram analisadas pela Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS, que tem a função de assessorar o Ministério da Saúde na incorporação, alteração ou exclusão de tecnologias no âmbito do SUS e da Saúde Suplementar, bem como analisar a tecnologia em consonância com as necessidades sociais em saúde e com a gestão do SUS. 

As decisões da CONITEC são tomadas com base na existência de evidências científicas de eficácia, efetividade, segurança e de estudos de avaliação econômica da tecnologia proposta, em comparação às demais incorporadas anteriormente, bem como na relevância e no impacto da nova inclusão ao SUS.


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

caragua mobile

Matérias Relacionadas

Saúde

Campanha de vacinação contra poliomielite alcançou menos da metade da meta em SC

Levantamento foi divulgado pelo Ministério Público de Santa Catarina
Campanha de vacinação contra poliomielite alcançou menos da metade da meta em SC
Saúde

Governo Sanciona Lei que Incentiva Diagnóstico Tardio do Autista em Adultos e Idosos em SC

Projeto de Lei é de autoria do deputado estadual Vicente Caropreso
Governo Sanciona Lei que Incentiva Diagnóstico Tardio do Autista em Adultos e Idosos em SC
Saúde

Posto de Saúde do Santa Luzia estará fechado nesta quinta e sexta-feira

A Unidade de Saúde está em obras e precisa ser desocupada. Atendimentos serão transferidos para uma sala comercial que fica na esquina da UBS
Posto de Saúde do Santa Luzia estará fechado nesta quinta e sexta-feira
Saúde

Faltas em consultas somam mais de 1.200 e atrasam atendimentos em Guaramirim

Pré-confirmação pelo WhatsApp é uma das iniciativas para diminuir o impacto das ausências nos atendimentos
Faltas em consultas somam mais de 1.200 e atrasam atendimentos em Guaramirim
Ver mais de Saúde