Saúde

Covid-19: Anvisa reforça que não recebeu pedido de registro de vacina

Agência teve reuniões com laboratórios nesta quinta-feira

07 Jan 2021 - 20h00Por Agência Brasil

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) disse esta quinta-feira (7) que ainda não recebeu nenhum pedido de uso emergencial ou de registro definitivo de vacinas para covid-19 no Brasil. A informação foi dada após nova reunião com técnicos da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e do laboratório Astrazeneca e logo após a apresentação dos estudos clínicos sobre a eficácia da vacina CoronaVac, pelo Instituto Butantan.

“Até o momento, a Anvisa não recebeu nenhum pedido de uso emergencial ou de registro definitivo de vacinas para covid-19 no Brasil”, diz nota divulgada pela agência reguladora.

A reunião na manhã desta quinta-feira tratou de questões envolvendo a autorização emergencial do uso das doses da vacina contra a covid-19 , desenvolvida pela Astrazeneca em parceria com a Fiocruz. Segundo a Anvisa, a troca de informações é a continuidade das reuniões que ocorreram nos últimos dias.

“A Anvisa tem atendido todos os laboratórios que estão desenvolvendo vacinas a fim de orientar e esclarecer questões técnicas para a avaliação de vacinas”, diz a nota.

No dia 31 de dezembro de 2020, a Anvisa autorizou a importação, em caráter excepcional, de 2 milhões de doses da vacina britânica da Oxford, produzida em parceria com a Fiocruz no Brasil. As doses importadas são fabricadas pelo Serum Institute da Índia. No país asiático, o uso emergencial do imunizante já foi aprovado. 

Com a chegada dos ingredientes farmacêuticos ativos (IFAs) importados em meados de janeiro, a Fundação Oswaldo Cruz prevê que a produção da vacina AstraZeneca/Oxford no Brasil deve começar no dia 20 deste mês. O imunizante previne contra a covid-19 e já começou a ser aplicado no Reino Unido.

A expectativa é que a Fiocruz apresente até esta sexta-feira (8) à Anvisa o pedido de uso emergencial dos 2 milhões de doses da vacina AstraZeneca/Oxford que o governo negocia para importar da Índia.

Butatan
Técnicos da Anvisa também se reuniram, nesta manhã, com representantes do Instituto Butantan, quando foram apresentados os estudos sobre a eficácia da vacina Coronavac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac. De acordo com o Butantan, a vacina tem taxa de eficácia mínima de 78%.

De acordo com o diretor do Butantan, Dimas Covas, o governo paulista ainda não vai encaminhar o pedido de registro definitivo da vacina à Anvisa, já que isso teria que ser feito em conjunto com a Sinovac. O que será feito neste momento, segundo ele, será apenas o pedido de uso emergencial da vacina.

Edição: Aline Leal

Matérias Relacionadas

Saúde

Região de Jaraguá segue em risco gravíssimo para a covid-19

As regiões que estão classificadas com o maior risco são Alto Vale do Rio do Peixe, Foz do Rio Itajaí, Médio Vale do Itajaí e a região Nordeste.
Região de Jaraguá segue em risco gravíssimo para a covid-19
Saúde

Jaraguá retoma a vacinação contra a covid para pessoas com 32 anos ou mais

A Central de Vacinas, no Parque Municipal de Eventos, fica aberta de segunda a sexta-feira, das 8h às 20h, e aos sábados e domingos das 8h às 17h
Jaraguá retoma a vacinação contra a covid para pessoas com 32 anos ou mais
Saúde

Brasil tem 20.503 casos e 464 mortes por covid-19 em 24 horas

País acumula quase 20 milhões de diagnósticos e 556.834 mortes
Saúde

Ministro da Saúde visita Hospital Santa Isabel em Blumenau

Marcelo Queiroga foi recebido pelo Diretor de Operações da instituição
Ministro da Saúde visita Hospital Santa Isabel em Blumenau
Ver mais de Saúde