Saúde

Cafeína reduz gordura corporal e riscos à saúde, diz novo estudo

Os efeitos foram semelhantes com a cafeína sintética e a extraída do café

04 Jan 2020 - 06h00Por Da Redação

Um novo estudo feito em animais demonstrou que o consumo cafeína pode compensar alguns dos efeitos negativos de uma dieta rica em gordura ou açúcar.

Os ratos que consumiram a cafeína extraída do chá mate ganharam 16% menos peso e acumularam 22% menos gordura corporal do que os ratos que consumiram chá mate descafeinado, descobriram cientistas da Universidade de Illinois em um novo estudo.

Os efeitos foram semelhantes com a cafeína sintética e a extraída do café. O estudo foi publicado no Journal of Functional Foods.

Chá mate

O chá mate é uma bebida à base de plantas rica em fitoquímicos, flavonóides e aminoácidos que é consumida como estimulante por pessoas nos países do sudeste da América Latina.

A quantidade de cafeína por porção no chá mate varia de 65 a 130 miligramas, em comparação com 30 a 300 miligramas de cafeína em uma xícara de café, de acordo com o estudo.

Durante quatro semanas, os ratos do estudo fizeram uma dieta que continha 40% de gordura, 45% de carboidratos e 15% de proteína.

Eles também ingeriram uma das formas de cafeína em uma quantidade equivalente à de um ser humano que bebe quatro xícaras de café por dia.

Resultados do experimento

No final do período de quatro semanas, a porcentagem de massa corporal magra nos vários grupos de ratos diferiu significativamente.

Os ratos que ingeriram cafeína do chá mate, café ou fontes sintéticas acumularam menos gordura corporal do que os ratos nos outros grupos.

O estudo, publicado recentemente no Journal of Functional Foods , contribui para um crescente corpo de pesquisa que sugere que o chá mate pode ajudar a combater a obesidade

Também há efeitos benéficos à saúde associados aos compostos fenólicos, vitaminas e flavonóides que ele contém.

“Considerando as descobertas, o chá mate e a cafeína podem ser considerados agentes anti-obesidade”, disse Elvira Gonzalez de Mejia, coautora do estudo e diretora da divisão de ciências nutricionais da U. de I.

“Os resultados da pesquisa pode ser dimensionada para seres humanos para entender os papéis do chá mate e da cafeína como estratégias potenciais para prevenir sobrepeso e obesidade, bem como os subsequentes distúrbios metabólicos associados a essas condições.”

Nos ratos, o acúmulo de lipídios nos adipócitos foi significativamente associado ao maior ganho de peso corporal e aumento de gordura corporal, segundo o estudo.

Redução de gordura

Para determinar o mecanismo de ação, os cientistas realizaram estudos de cultura de células nos quais expuseram células adiposas de camundongos à cafeína sintética ou aos extratos de café ou de cafeína mate.

Eles descobriram que, independentemente de sua fonte, a cafeína diminuiu o acúmulo de lipídios nas células adiposas em 20% a 41%.

Os cientistas também acompanharam a expressão de vários genes associados à obesidade e ao metabolismo lipídico.

Nos ratos que consumiram a cafeína do chá mate, houve redução de 39% no tecido adiposo e 37% no fígado, segundo os pesquisadores.

Fonte: SóNotíciaBoa


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Saúde

Municípios da região têm dia 'D' de vacinação contra a gripe neste sábado

Além da vacinação contra a gripe, os municípios irão aproveitar para imunizar crianças e adolescentes, de 10 a 14 anos, contra a dengue
Municípios da região têm dia 'D' de vacinação contra a gripe neste sábado
Saúde

Brasil já tem mais de 3 milhões de casos de dengue em 2024

Desde o início do ano, foram registradas 1.256 mortes pela doença
Brasil já tem mais de 3 milhões de casos de dengue em 2024
Saúde

Pronto Atendimento de Barra Velha passa por inspeção após morte da pequena Sofia

Unidade de Saúde pode fechar; Entenda os pontos
Pronto Atendimento de Barra Velha passa por inspeção após morte da pequena Sofia
Saúde

'Febre do Maruim' preocupa autoridades da Saúde na região

Estados do Norte concentram maior número de casos
'Febre do Maruim' preocupa autoridades da Saúde na região
Ver mais de Saúde