#ficaemcasa
Saúde

Aprovada 1ª ressonância magnética portátil: 20 vezes mais barata

O aparelho permite obter de maneira prática e segura imagens cerebrais precisas do paciente

22 Fev 2020 - 15h00Por Da Redação

Acaba de ser aprovada a primeira máquina portátil de ressonância magnética do mundo – um alívio para quem tem claustrofobia e não consegue ficar naquele túnel frio, apertado e barulhento.

Tuberculose

O aparelho inovador, aprovado pelo FDA – agência que controla alimentos e remédios nos EUA – foi desenvolvido pela Hyperfine Research Inc e é 20 vezes mais barato que os sistemas atuais.

“O dispositivo pode ser transportado para a cabeceira [da cama] do paciente e conectado diretamente a uma tomada elétrica padrão. É controlado usando um tablet sem fio, como um iPad”, diz a página do FDA.

“O sistema pesa menos que os sistemas convencionais de ressonância magnética e consome menos energia. A empresa planeja lançar os dispositivos comercialmente neste verão”, concluiu.

O aparelho permite obter de maneira prática e segura imagens cerebrais precisas do paciente.

Além de o sistema Hyperfine ser muito mais barato que as atuais máquinas fixas de ressonância magnética convencionais, ele também consome 35 vezes menos energia e pesa 10 vezes mais leve.

O FDA aprovou o sistema após uma série de resultados clínicos positivos que serão apresentados nesta semana na International Stroke Conference 2020 da American Stroke Association, em Los Angeles, uma reunião mundial de estreia para pesquisadores e clínicos dedicados à ciência do derrame e à saúde cerebral.

Os exames

De acordo com a pesquisa preliminar, 85 pacientes com AVC (46% mulheres, idade entre 18 e 96 anos, 46% AVC isquêmico, 34% hemorragia intracerebral, 20% hemorragia subaracnóidea) receberam a ressonância magnética portátil sete dias após o início dos sintomas.

O tempo do exame durou em média 30 minutos e a maioria dos pacientes conseguiu concluir o exame inteiro.

“Mudamos o conceito de levar os pacientes à ressonância magnética para levar a ressonância magnética para os pacientes”, disse Kevin Sheth, autor sênior e médico chefe, Divisão de Atendimento Neurocrítico e Neurologia de Emergência da Escola de Medicina de Yale e Yale New Haven Hospital em Connecticut.

“Os ímãs de alto campo são a pedra angular das ressonâncias magnéticas comerciais. A ressonância magnética portátil de baixo campo poderia ser usada em hospitais que atualmente possuem uma ressonância magnética de alto campo e em qualquer outro ambiente em que uma ressonância magnética não esteja disponível no momento”, diz Sheth.

Ele acrescentou que os dispositivos portáteis de ressonância magnética também diminuirão a necessidade de uma fonte de alimentação especial, requisitos de refrigeração, custo e outras barreiras que atualmente limitam o acesso fácil ao paciente

Além disso, o scanner de ressonância magnética de baixo campo não interferiu com outros equipamentos e os metais não precisaram ser removidos da sala. Não foram relatados eventos adversos significativos.

O dispositivo também pode ajudar bastante em áreas rurais e em vilarejos remotos do mundo, onde é difícil obter uma ressonância magnética

Fonte: SóNotíciaBoa


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Saúde

Vale do Itapocu tem 13 casos confirmados de coronavírus

Santa Catarina chegou a 693 casos confirmados de pessoas com Covid-19 nesta quinta-feira, 9.
Vale do Itapocu tem 13 casos confirmados de coronavírus
Saúde

Microrregião registra primeira morte por covid-19

Paciente de Massaranduba estava internada no hospital São José, em Jaraguá do Sul
Microrregião registra primeira morte por covid-19
Santa Catarina

PMSC usa tecnologia que mostra percentual da população em isolamento no estado

A última semana registrou 64,6% da população que adotou o distanciamento social, estratégia recomendada pelo Ministério da Saúde
PMSC usa tecnologia que mostra percentual da população em isolamento no estado
Brasil

São Paulo usará celulares para monitorar aglomerações

Governo tentará dispersar multidões e pede que se fique em casa
São Paulo usará celulares para monitorar aglomerações
Ver mais de Saúde