Santa Catarina

Santa Catarina amplia coleta de material para Banco de Perfis Genéticos

“A meta é fechar o ano com 1.100 perfis cadastrados até o final de 2019.”

25 Ago 2019 - 06h00Por Da Redação
Santa Catarina amplia coleta de material para Banco de Perfis Genéticos - Crédito: Divulgação / Governo de Santa Catarina Crédito: Divulgação / Governo de Santa Catarina

A coleta do perfil genético de um homem preso por assalto a banco em São Paulo permitiu identificá-lo como o autor de pelo menos dois outros arrombamentos a caixas eletrônicos ocorridos em Santa Catarina e no Paraná. Isso foi possível por meio do cruzamento de informações da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG). A perícia havia colhido material biológico nos crimes de SC e PR, mas a identidade do criminoso foi revelada quando ele foi preso em SP, realizado o perfil genético e os dados cruzados no banco.

O caso ilustra a importância da Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos, base de dados com o DNA de autores de crimes hediondos ou coletados na cena de crimes, em 19 estados e do Distrito Federal. O trabalho começou a ser realizado em Santa Catarina em 2010, mas está sendo ampliado por meio de uma parceria entre o Departamento de Administração Prisional (Deap), da SAP, do Instituto Geral de Perícia (IGP) e da Secretaria de Segurança Pública (SSP). A Rede Integrada de Bancos de Perfis Genéticos (RIBPG) é uma das prioridades do Ministério da Justiça e Segurança Pública, pois é uma importante ferramenta para auxiliar na apuração criminal e no processo de investigação.

De acordo com o agente penitenciário e coordenador do projeto de implantação do banco no âmbito do sistema prisional, Gabriel da Silveira, em todo o estado aproximadamente 500 apenados de diversas unidades, condenados por crimes hediondos, já tiveram seu perfil genético identificado e inserido no banco. “A meta é fechar o ano com 1.100 perfis cadastrados até o final de 2019.”

Para garantir a confiabilidade do material recolhido, os agentes penitenciários foram treinados pelos peritos do IGP. Durante o procedimento, os internos são conduzidos a uma sala, onde é feita a identificação por meio digital e coletada a saliva. O material é colocado em invólucro lacrado e levado pelos peritos para o IGP onde, após análise, passa a compor o banco de dados.

O perito criminal do IGP Odilon de Souza Junior assegura que o material genético dá 100% de certeza na identificação da autoria. “Crimes que não foram elucidados mesmo tendo material genético colhido na cena agora podem indicar o autor por meio do cruzamento das informações”, observa o perito. Ele lembra que o DNA pode imputar a responsabilidade de um crime a uma pessoa, mas também é decisivo para provar a inocência de um suspeito.

A coleta de material biológico de suspeitos para fins de cadastro no Banco é prevista quando há decisão judicial. Porém, desde 2012, a Lei de Identificação Criminal possibilita a identificação criminal genética, em casos concretos, a critério da autoridade judiciária. A legislação prevê também que os condenados por crime doloso, com violência de natureza grave contra pessoa, ou por crime hediondo, serão submetidos, obrigatoriamente, à identificação do perfil genético, mediante extração de DNA. 


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp!

Matérias Relacionadas

Saúde

Mais 50 respiradores produzidos pela Weg são distribuídos para hospitais catarinenses

Dez unidades foram entregues ainda nesta sexta ao Hospital São José, em Joinville, e outras 40 foram levadas para a Secretaria de Estado da Saúde
Mais 50 respiradores produzidos pela Weg são distribuídos para hospitais catarinenses
Saúde

Estado confirma 10.846 casos e 159 óbitos por Covid-19

A taxa de ocupação dos leitos de UTI pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em Santa Catarina é de 59,4%.
Estado confirma 10.846 casos e 159 óbitos por Covid-19
Segurança

Ex-secretário da Casa Civil e advogado são presos na segunda fase da operação Oxigênio

Operação investiga a compra de 200 respiradores pulmonares pela Secretaria de Estado da Saúde ao custo de R$ 33 milhões pagos de forma antecipada
Ex-secretário da Casa Civil e advogado são presos na segunda fase da operação Oxigênio
Santa Catarina

Espécie considerada extinta pode voltar a repovoar Florianópolis

Para evitar a interferência humana, a equipe do Instituto acompanha os animais a distância para verificar se estão se alimentando, crescendo e interagindo
Espécie considerada extinta pode voltar a repovoar Florianópolis
Ver mais de Santa Catarina