Santa Catarina

Projeto leva leitura a 5,5 mil presos em Santa Catarina

Viabilizado por meio de uma parceria entre a Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) e a Secretaria da Educação (SED), o programa estimula a reinserção social do interno

23 Set 2019 - 11h38Por Da Redação
Professora estadual Gabriela Souza Schebella atua no projeto na Penitenciária de Florianópolis - Foto: Divulgação / SAP - Professora estadual Gabriela Souza Schebella atua no projeto na Penitenciária de Florianópolis - Foto: Divulgação / SAP -

Santa Catarina tem 5,5 mil presos participando do Projeto Despertar Pela Leitura desenvolvido no sistema prisional do Estado. Viabilizado por meio de uma parceria entre a Secretaria de Administração Prisional e Socioeducativa (SAP) e a Secretaria da Educação (SED), o programa estimula a reinserção social do interno, por meio do ensino e da literatura e pode resultar em quatro dias de remição de pena.

Banner Dengue

Para integrar o projeto e obter o benefício, não basta apenas ler o livro. Depois de participar de uma prova de nivelamento, os internos selecionados recebem as orientações e um livro, que deverá ser lido na cela em até 30 dias. Passado o período, retornam à sala de aula para escrever uma resenha. O texto é avaliado pela comissão de ensino da unidade prisional e atribuído uma nota, sendo que a média é 6,0. Se for aprovado, o documento é encaminhado para o juiz da Vara de Execuções penais, que concede ou não a remição de quatro dias de pena.

Se o reeducando não conseguir alcançar a média, tem mais uma chance para escrever nova resenha, que se não alcançar a nota 6,0, o detento precisa começar outro livro. Cada interno pode ler até 12 livros por ano o que garante remição de 48 dias de pena.

A professora estadual Gabriela Souza Schebella atua no projeto na Penitenciária da Capital. Formada em Português, Literatura e Espanhol, trabalha desde 2011 com ensino de jovens e adultos e, neste ano, vive uma nova experiência profissional com pessoas privadas de liberdade. “Eu percebo que com a leitura eles trazem muito do que leem para a realidade deles”. Entusiasta do projeto, Gabriela destaca que os textos revelam uma reflexão dos internos acerca dos atos que cometeram e que os levaram a estar atrás das grades. “A literatura ressocializa sim!”

Trabalho ajuda detentos a cursar ensino superior

Mas além promover a autoanálise, o projeto tem se mostrado bastante eficiente na melhoria da produção textual tanto que 160 internos estão cursando o ensino superior. Para a professora, o Despertar pela Leitura dá uma contribuição muito importante para os alunos no sentido de melhorar a redação, um dos requisitos fundamentais para o ingresso na universidade ou para aprovação no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e no Encceja (Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos).

Os livros que fazem parte do projeto são selecionados e devem seguir critérios como contribuir para a formação intelectual do interno e não estimular a violência. “Oferecemos clássicos da literatura brasileira, internacional, realismo fantástico. romance e autoajuda”, comenta a professora.

Gerente de Desenvolvimento Educacional do Departamento de Administração Prisional (Deap), a agente penitenciária e pedagoga Josiane Melo assinala que, no início, o objetivo do interno é apenas a remição da pena. “Mas a partir do momento em que ele começa a ter contato com a literatura, em muitos casos, é possível notar uma mudança no seu comportamento para melhor”, comenta.

Josiane destaca que muitos apenados não tiveram contato com a educação quando estavam em liberdade e têm possibilidade agora de acessar ações educacionais que podem contribuir para reestruturar a vida pessoal. “Nosso objetivo, enquanto estado, é devolver essa pessoa privada de liberdade para a sociedade, para a sua família, para sua comunidade com uma perspectiva de vida melhor do que quando entrou no sistema”, finalizou.  

Para o titular  da SAP, Leandro Lima, a educação constitui-se também uma estratégia de segurança prisional. “Na medida em que podemos oferecer trabalho e ensino para o interno, ele começa a ter uma nova perspectiva de vida, se aproxima dos familiares e tem a possibilidade de recuperar os laços sociais.” 


Quer ser o primeiro a saber das notícias de Jaraguá do Sul e Região? CLIQUE AQUI e receba direto no seu WhatsApp! 

Matérias Relacionadas

Geral

Bancos fecham na segunda e terça-feira de carnaval

Na Quarta-feira de Cinzas o início do expediente será às 12h
Bancos fecham na segunda e terça-feira de carnaval
Trânsito

Municípios da região ainda aguardam valor do programa Recuperar, para manutenção das rodovias estaduais

A informação é do presidente da Amvali, prefeito de Corupá, João Carlos Gottardi
Municípios da região ainda aguardam valor do programa Recuperar, para manutenção das rodovias estaduais
Economia

Sicredi inicia Processo Assemblear de 2020

Cooperativa fará 15 encontros com os associados da região para prestar contas e planejar os investimentos do ano.
Saúde

Confirmada febre amarela em morador de Pomerode

Segundo a Vigilância Epidemiológica de Pomerode, o homem não estava vacinado contra a doença e mora sozinho na localidade de Alto da Serra.
Confirmada febre amarela em morador de Pomerode
Ver mais de Santa Catarina