POLÍTICA

Tuíte de Bolsonaro gera críticas até de apoiadores

07 Mar 2019 - 12h00Por Tânia Monteiro, Naira Trindade, Julia Lindner, Tulio Kruse, Matheus Lara, Paulo Beraldo e Fabi

O presidente Jair Bolsonaro ouviu nesta quarta-feira, 6, de auxiliares próximos a avaliação de que a postagem em sua conta no Twitter de um vídeo no qual dois homens aparecem em atos obscenos no carnaval foi considerada "inapropriada" e "chocante". A repercussão causou desconforto no núcleo central do governo. A polêmica publicação do presidente gerou críticas entre seus opositores e mesmo entre os apoiadores nas redes sociais. O Palácio do Planalto precisou divulgar uma nota no início da noite para explicar a atitude de Bolsonaro.

Uma pesquisa de monitoramento diário das mídias sociais encomendada pela Secretaria de Comunicação (Secom) e apresentada a Bolsonaro indicou que, no início da tarde, 69% das mensagens sobre o episódio eram negativas. Na avaliação de ministros e auxiliares ouvidos pelo jornal O Estado de S. Paulo, as imagens provocaram uma reação "virulenta" especialmente do "público interno", como são classificados os seguidores do presidente nas redes sociais. Diversas publicações estrangeiras repercutiram o tuíte do presidente.

Em pouco mais de dois meses de governo, Bolsonaro tem utilizado o Twitter como principal meio de comunicação com a população. Na plataforma, porém, o presidente fez poucas menções a assuntos classificados como prioridade de sua gestão. A reforma da Previdência foi tema de apenas cinco mensagens desde o início do ano, - o equivalente a menos de 1% das postagens na rede social.

A maior parcela de comentários são textos com teor ideológico em que o presidente critica o globalismo, a suposta partidarização da educação e ações dos governos petistas e da esquerda. O pacote anticrime foi tratado em duas mensagens, e a reforma tributária, em apenas uma.

Durante o carnaval, Bolsonaro fez 29 postagens no Twitter. No fim da tarde de terça-feira, dia 5, ele publicou o vídeo polêmico - dois foliões de um bloco em São Paulo praticam o fetiche chamado "golden shower" ("chuva dourada", que envolve o ato de urinar no parceiro ou na parceira). "Temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades", escreveu. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro."

Nesta quarta, Bolsonaro voltou ao tema, ao perguntar qual era o significado de "golden shower". Na nota divulgada na quarta, o Planalto afirma que as cenas do vídeo escandalizaram não só o presidente, mas grande parte da sociedade. "É um crime, tipificado na legislação brasileira, que violenta os valores familiares e as tradições culturais do carnaval", destacou. "Não houve intenção de criticar o carnaval de forma genérica, mas, sim, caracterizar uma distorção clara do espírito momesco."

No Palácio, no entanto, o episódio foi considerado um "constrangimento imensurável", conforme um dos militares do governo. O próprio presidente se impressionou com a reação negativa. O clima de desconforto só foi atenuado no fim do dia, quando nova parcial de análise mostrou que o porcentual crítico ao tuíte caiu para menos da metade.

Entre assessores, contudo, a expectativa é de que a insatisfação e crítica dos próprios apoiadores de Bolsonaro levem o presidente e seus filhos a "caírem na real" sobre os perigos de postagens "inconsequentes".

Analistas de diferentes áreas ouvidos pelo Estado afirmaram que a conduta constitui "quebra de decoro social" porque "não corresponde à liturgia do cargo" e pode ter reflexos na imagem do País no exterior e na aprovação das reformas para que a economia volte a crescer.

O professor de Relações Internacionais da FGV Oliver Stuenkel relatou que a divulgação do vídeo causou "perplexidade" em diplomatas e investidores internacionais e que a mensagem foi interpretada como "sinal de que o governo está com problemas". "A percepção foi de que isso faz parte da estratégia do governo em função da dificuldade que ele está tendo em relação aos projetos relevantes, como a reforma da Previdência e o projeto anticrime."

Para o chefe do Centro de Crescimento Econômico do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre/FGV), Samuel Pessôa, a postagem é "mais um episódio na série de trapalhadas do governo" que podem "dificultar" a aprovação de reformas necessárias para a retomada da economia brasileira.

O professor de comunicação digital da Escola de Comunicação e Artes da USP Luli Radfahrer apontou uma "desmontagem do ritual do cargo". "Ele não fala ali no Twitter da Previdência, que é a bandeira maior que ele tem, o seu grande trunfo. Tem também o exemplo da reunião dos ministros em que ele estava com chinelo e camiseta pirata de time de futebol."

Temas

O Estado contabilizou 515 mensagens publicadas pelo presidente desde 1.º de janeiro. O principal conteúdo é o de agradecimento e saudação a aliados (95 tuítes). Depois, vêm textos com teor ideológico em que o presidente critica o globalismo, a suposta partidarização da educação e ações dos governos petistas e da esquerda. São 51 mensagens com esse tom.

Textos sobre relações internacionais, com críticas a Cuba e Venezuela, e sua passagem pelo Fórum Econômico de Davos são o terceiro tipo de publicação mais comum: somam 43. Ações e projetos para melhorar a infraestrutura do País foram tema de 41 mensagens. Pelo menos 31 tuítes foram críticas à imprensa.

A modificação no sistema de aposentadorias, no entanto, ficou de fora do canal durante todo o mês de janeiro. Em 20 de fevereiro, dia do anúncio da nova Previdência, surgiu a primeira mensagem sobre o tema, com uma entrevista do ministro da Economia, Paulo Guedes. No mesmo dia, o presidente republicou texto dizendo que a reforma acaba com a "aposentadoria especial" de políticos.

Comunicação dividida

A divisão do setor de comunicação preocupa a equipe de governo. A área é dividida em três grupos: o do porta-voz, general Otávio do Rêgo Barros; o de amigos de Carlos Bolsonaro (de onde partiria a maioria dos ataques na internet); e o da Secretaria de Comunicação, vinculada ao ministro da Secretaria de Governo, general Carlos Alberto dos Santos Cruz.

Na avaliação de interlocutores de Jair Bolsonaro, o momento não é de abrir flancos com polêmicas "sem sentido", quando o governo enfrenta um tema "muito sério", que é a reforma da Previdência. O Planalto estuda, agora, se renova os contratos das agências Isobar e TV1, que cuidam das mídias digitais do governo. Esta quarta-feira foi o último dia de contrato das duas, que, juntas, recebem R$ 45 milhões por ano. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política