Promoção - MEU PAI É
Política

Prefeita ainda não foi notificada sobre condenação por improbidade administrativa

26 Nov 2012 - 18h47



Até a manhã desta segunda-feira (26), a prefeita Cecilia Konell não tinha sido notificada da decisão da juíza Cândida Inês Zoellner Brugnolli, que condena a chefe do executivo por improbidade administrativa. A sentença foi proferida na última sexta feira, dia 23.


Na sentença, a juíza destaca que o Ministério Público citou que em 18 de outubro de 2010 entrou em vigor a Emenda à Lei Orgânica Municipal n. 01/2010, também conhecida como "Nova Lei Orgânica do Município de Jaraguá do Sul", vedando o artigo 90-C, entre outras disposições, a nomeação para cargos políticos de cônjuges, companheiros, parentes consanguíneos ou não, em linha reta, colateral ou por afinidade até terceiro grau, do Prefeito, do Vice-Prefeito, dos Vereadores e outros agentes que especifica. E segue: não obstante, a ré Cecília Konell, valendo-se da posição de Chefe Maior do Município, e visando, sobretudo, a atender interesses pessoais e familiares, literalmente ignorou a disposição legal, nomeando, em flagrante ato de nepotismo, seu esposo Ivo Konell e sua filha Fedra Luciana Konell Alcântara da Silva para exercerem, respectivamente, os cargos públicos de Secretário Municipal de Administração e de Chefe de Gabinete, junto ao Poder Executivo de Jaraguá do Sul, situação que permanece até o momento.

Desde a nomeação dos familiares, a prefeita Cecília Konell sustentou sua defesa no que diz a Súmula Vinculante n. 13 do Supremo Tribunal Federal, no sentido de que a vedação do nepotismo não se aplica aos "cargos políticos". Na ação, o Ministério Público sugere que "de forma alguma pode se sobrepor aos ditames do artigo 90-C da Lei Orgânica de Jaraguá do Sul, porque os municípios detém autonomia legislativa, não havendo afronta às Constituições Estadual e Federal, e o referido artigo somente veio suplementar o teor da Súmula Vinculante". Ivo e Fedra chegaram a ser afastados dos cargos, mas retornaram após uma decisão judicial.

Na sentença em primeira instância, a juíza Candida Inês Zoellner Brugnolli condena a prefeita Cecília Konell a suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco anos; pagamento de multa civil, arbitrada no valor de 3 (três) vezes a sua remuneração percebida no cargo de Prefeita Municipal; e, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócia majoritária, pelo prazo de 3 (três) anos;

Ao réu Ivo Konell: perda da função Pública de Secretário de Administração; suspensão dos direitos políticos pelo prazo de cinco anos; pagamento de multa civil, arbitrada no valor de 3 (três) vezes a sua remuneração percebida no cargo de Secretário de Administração; e, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de 3 (três) anos;


À ré Fedra Luciana Konell Alcântara da Silva: perda da função de Chefe de Gabinete da Prefeita Municipal de Jaraguá do Sul; suspensão dos direitos políticos pela prazo de 3 (três) anos; pagamento de multa civil, arbitrada no valor de 2 (duas) vezes a sua remuneração percebida no cargo Chefe de Gabinete; e, proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócia majoritária, pelo prazo de 3 (três) anos.

A juíza determina a imediata destituição do réu Ivo Konell do cargo de Secretário Municipal de Administração e da ré Fedra Luciana Konell Alcântara da Silva do cargo de Chefe de Gabinete, ainda que seus efeitos estejam suspensos por força do despacho proferido em Agravo de Instrumento. A prefeita Cecília Konell tem 48 horas para tomar esta medida, a partir da notificação da sentença, sob a pena de pagar multa diária de R$ 5 mil. Para reverter a situação, cabe aos réus entrar com Agravo de Instrumento junto ao Tribunal de Justiça de Santa Catarina.

 

Matérias Relacionadas

Política

Alunos no Legislativo prossegue com visitas virtuais

Foi a terceira visita virtual dos últimos dias e novas edições devem acontecer mediante agendamento prévio
Alunos no Legislativo prossegue com visitas virtuais
Santa Catarina

Governador lamenta abertura de processo de impeachment

Ele recebeu do primeiro secretário da Casa Legislativa, deputado estadual Laércio Schuster, o documento que o informa do início formal do processo
Governador lamenta abertura de processo de impeachment
Política

Pedido de impeachment do governador e da vice de SC é lido em plenário

O próximo passo do processo é a notificação dos citados na denúncia, o que vai ocorrer nesta quinta-feira
Pedido de impeachment do governador e da vice de SC é lido em plenário
Política

Governo retira projeto da reforma da previdência da Assembleia Legislativa

o Ministério da Economia estabeleceu o dia 31 de julho de 2020 como prazo final para que todos os estados e municípios adequem suas regras previdenciárias com base na Reforma da Previdência aprovada pelo Congresso em 2019.
Governo retira projeto da reforma da previdência da Assembleia Legislativa
Ver mais de Política