POLÍTICA

PF sobre operação que prendeu Temer: 'havia sofisticado esquema de lavagem'

21 Mar 2019 - 18h38Por Vinicius Neder

A operação Descontaminação, que levou o ex-presidente Michel Temer à prisão preventiva na manhã desta quinta-feira, 21, segue em andamento, disseram nesta tarde os investigadores da Polícia Federal (PF) e do Ministério Público Federal (MPF). Segundo a PF, das dez pessoas alvo de pedidos de prisão preventiva e temporária, duas pessoas seguem sendo procuradas.

Os procuradores da Operação Lava Jato do MPF do Rio ligaram Temer diretamente aos casos de corrupção envolvendo a construção da usina nuclear Angra 3, pela Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras. O ex-presidente da Eletronuclear e contra-almirante Othon Luiz Pinheiro da Silva, que trabalhou no programa nuclear da Marinha, foi condenado na Lava Jato. "Foi comprovado que a indicação de Othon foi obra de Michel Temer", afirmou o procurador Eduardo el Hage, coordenador da Lava Jato no Rio.

Segundo o procurador, como contrapartida à indicação, o grupo político liderado por Temer cobrou propina. A ligação entre Temer e o contra-almirante Othon seria estabelecida pelo coronel João Baptista Lima Filho, reformado na Polícia Militar de São Paulo, apontado como operador financeiro do ex-presidente por El Hage.

Segundo a PF, as investigações apontaram um sofisticado esquema de lavagem de dinheiro, com informações também do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) e do Tribunal de Contas da União (TCU), além de outras etapas da Lava Jato, não apenas no Rio. A propina era paga a Temer pela empresa Argeplan, do coronel Lima.

"A ligação entre Argeplan e o círculo de Temer está muito bem comprovado", afirmou El Hage.

A PF destacou ainda que as investigações utilizaram elementos de uma delação premiada homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Já a procuradora da República Fabiana Schneider destacou que o coronel Lima passou a atuar na Argeplan na década de 1980 e, desde então, o operador atua junto com Temer. "O grupo desbaratado hoje tem atuação de pelo menos 40 anos", afirmou Fabiana.

Retaliação

El Hage negou qualquer tipo de relação entre a deflagração da Operação Descontaminação e eventual retaliação do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, ao presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

"O pedido de prisão foi protocolado no dia 15 de março e aceito no dia 19", afirmou El Hage, destacando que isso foi "anterior a qualquer tipo de noticiário na imprensa" sobre desentendimentos entre Maia e Moro.

Maia criticou nesta semana a proposta de emenda constitucional (PEC) de combate ao crime e à corrupção, elaborada por Moro e enviada pelo governo Jair Bolsonaro ao Congresso Nacional.

Premix Concreto

Matérias Relacionadas

Política

Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC

Por 6 votos a 4, o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) foi absolvido da acusação de crime de responsabilidade na compra dos 200 respiradores não entregues pela empresa Veigamed.
Com absolvição, Moisés volta ao governo de SC
Política

Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti

Prefeitos se reuniram nesta semana e querem definir melhor solução nos próximos 30 dias.
Jaraguá do Sul e Guaramirim voltam a tratar da ponte da Zanotti
Economia

Governo do Estado institui o Auxílio Catarina

Benefício emergencial será destinado a mais de 60 mil famílias em situação de vulnerabilidade social e econômica no estado
Governo do Estado institui o Auxílio Catarina
Política

Lunelli participa de encontro regional do MDB

Em Jaraguá do Sul, o encontro acontece hoje às 19h
Lunelli participa de encontro regional do MDB
Ver mais de Política