POLÍTICA

Padilha quer levar à Justiça Eleitoral inquérito sobre R$ 14 milhões da Odebrecht

21 Dez 2018 - 12h09Por Julia Affonso

A defesa de Eliseu Padilha reagiu a um recurso da procuradora-geral, Raquel Dodge, que pediu ao ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, para levar à Justiça Federal investigação contra o ministro-chefe da Casa Civil e também contra o ministro de Minas e Energia, Moreira Franco - supostamente beneficiários, com o presidente Michel Temer, de uma propina de R$ 14 milhões da Odebrecht.

Os advogados Daniel Gerber, Joana Vargas e Danniel Moura solicitaram a Fachin que mantenha a decisão que remete o inquérito ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo. No final de outubro, o ministro do Supremo decidiu suspender temporariamente investigação contra o presidente Michel Temer a pedido de Raquel.

Delatores da Odebrecht apontam que integrantes do grupo político liderado por Temer e pelos ministros Padilha e Moreira teriam recebido recursos ilícitos da empreiteira como contrapartida ao atendimento de seus interesses pela Secretaria de Aviação Civil - pasta que foi comandada pelos dois ministros de Temer entre 2013 e 2015.

No relatório final do inquérito, que apura propinas de R$ 14 milhões da Odebrecht para a cúpula do MDB, a Polícia Federal concluiu pela existência de indícios de que Temer, Padilha e Moreira Franco cometeram os crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O caso está relacionado ao jantar no Palácio do Jaburu, em 2014, e que foi detalhado nos acordos de delação premiada de executivos da Odebrecht. Então vice-presidente, Temer teria participado do encontro em que os valores foram solicitados.

Quanto a Moreira Franco e a Padilha, Fachin decidiu encaminhar o processo para o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, uma vez que o Supremo reduziu o alcance do foro privilegiado para crimes no exercício do mandato e em função do cargo no caso de deputados federais e senadores.

A decisão de Fachin em relação aos ministros foi no sentido contrário do que solicitava a procuradora-geral. Para ela, as investigações contra os ministros devem ser enviadas à Justiça Federal, no Distrito Federal.

No recurso, a defesa relata a Fachin que a Procuradoria-Geral da República dividiu a investigação em dois fatos. O fato 1 está ligado à Secretaria de Aviação Civil. O fato 2 é o encontro no Palácio do Jaburu.

A defesa de Padilha solicitou a Fachin que arquive a investigação sobre o fato 1, pois "a Procuradoria-Geral da República admitiu que tal delito teria sido consumado por terceiro, antes de qualquer ato praticado pelo peticionário (Eliseu Padilha)", e mantenha sua decisão sobre o fato 2.

"Manutenção da decisão agravada em relação ao segundo fato, ao passo que os argumentos da Procuradoria-Geral da República para a delimitação delituosa do delito de corrupção passiva não encontram amparo em nenhum depoimento ou prova", requer a defesa.

Matérias Relacionadas

Política

Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec

A iniciativa visa tornar os benefícios do principal programa de incentivo ao desenvolvimento da indústria mais acessíveis ao investidor
Secretário e deputados discutem aperfeiçoamento do Prodec
Política

Ricardo Salles pede demissão do Ministério do Meio Ambiente

Exoneração foi publicada hoje no Diário Oficial da União
Ricardo Salles pede demissão do Ministério do Meio Ambiente
Política

Almeida pede vistas de projeto que permite publicidade sonora em Jaraguá

O projeto recebeu parecer favorável da Comissão de Legislação e Justiça e dos demais vereadores da Casa durante a sessão de terça-feira (22)
Almeida pede vistas de projeto que permite publicidade sonora em Jaraguá
Política

Vereadora sugere recuo em faixas de pedestres em Jaraguá

O objetivo é o de evitar que os carros fiquem em cima das faixas, atrapalhando a passagem das pessoas que estão a pé
Vereadora sugere recuo em faixas de pedestres em Jaraguá
Ver mais de Política