transito
POLÍTICA

O que se exige hoje de um juiz 'não é coragem, mas heroísmo', diz Gilmar Mendes

23 Abr 2019 - 18h59Por Célia Froufe, enviada especial

O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), fez nesta terça-feira, 23, uma grande defesa da magistratura brasileira. Ele avaliou que os juízes têm sido acuados pela opinião pública e disse que é preciso estar atento para a possibilidade de perda da força das instituições e do Estado de Direito. Em fortes declarações a um público formado basicamente por profissionais do setor jurídico brasileiros e portugueses, Mendes disse que são produzidas hoje situações "anômalas". O ministro fez as afirmações durante discurso de encerramento do VII Fórum Jurídico de Lisboa, evento organizado pelo Instituto Brasiliense de Direito Público (IDP) e a Fundação Getúlio Vargas (FGV).

Numa referência a uma expressão de Rui Barbosa, o magistrado citou a frase "o bom ladrão se salvou, mas não há salvação para um juiz covarde". "Mas como exigir de um juiz - não é coragem, é heroísmo - nesse ambiente que se cria, de ataques, perturbações? Criou-se esse ambiente, como se isso fosse correto, a partir desse massacre que se faz nas redes sociais", disse. Ele declarou que trata do assunto com tranquilidade, mas que não iria exigir a mesma atitude de outras pessoas. "Isso precisa ser repudiado, pois passou a ser incentivado como uma distinção entre bons e maus. E quem são os bons? Ah, aqueles que fazem aquilo o que a chamada opinião pública entende o que está correto".

Habeas corpus

O ministro disse ainda que passou a existir um sentimento de que conceder habeas corpus à prisão indevida é um ato heroico. "Isso é o caminho para a barbárie. Negar habeas corpus a quem tem direito porque eu quero me acovardar é o caminho para a barbárie. Assim se constrói o caminho à desinstitucionalização. Por isso, temos que voltar à ortodoxia", defendeu.

"Vamos impedir esse tipo de vilipêndio que se torna extremamente comum e que é repetido. Uma senha que nos envergonha enquanto processo civilizatório, não foi isso o que aprendemos. É preciso que isso seja respeitado de fato", declarou.

Mendes também ressaltou não ser bom para a magistratura a existência de um "ativismo exagerado". "Julgue o processo com a sobriedade necessária. O juiz não é sócio do delegado ou do procurador", argumentou.

Matérias Relacionadas

Política

Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani

Unidade atende quase 700 estudantes, que aguardam para usar os kits na rotina escolar
Lunelli cobra instalação de equipamentos na Escola Professor Lino Floriani
Política

Modal ferroviário é tema de debate na Assembleia Legislativa de Santa Catarina

Encontro foi proposto pelo deputado Antídio Lunelli, presidente da Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da Alesc
Modal ferroviário é tema de debate na Assembleia Legislativa de Santa Catarina
Saúde

Comissão de Saúde da Alesc aprova projetos que asseguram direitos à pessoa com autismo

Ambos os projetos são de autoria do deputado Vicente Caropreso (PSDB)
Comissão de Saúde da Alesc aprova projetos que asseguram direitos à pessoa com autismo
Política

Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte

O deputado estadual Antídio Lunelli, que também preside a Comissão de Transportes e Desenvolvimento Urbano da ALESC, esteve no evento, parabenizou o governo pela iniciativa e disse que a medida é essencial para desafogar
Governo do Estado autoriza contratação do Plano Estadual de Logística de Transporte
Ver mais de Política