105 Ouça
Valeio Gorges
POLÍTICA

Nabhan e presidente da Caixa são alvo de queixas de deputados

28 Fev 2019 - 09h04Por Camila Turtelli e Mariana Haubert

O presidente da Caixa, Pedro Fernandes, o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, e o secretário especial de Assuntos Fundiários, Luiz Antonio Nabhan Garcia entraram na mira do Congresso. A queixa chegou ao presidente Jair Bolsonaro durante reunião com deputados na terça-feira, 26, quando ele foi avisado que seus auxiliares estariam se recusando ou demorando a receber parlamentares, o que é considerado uma ofensa no Congresso.

A interlocutores, o presidente da Caixa já disse que está no governo para ajudar o País e não consta dos seus planos passar o dia atendendo parlamentar. Fernandes costuma brincar que se muda para Miami se for obrigado a fazer isso. Nabhan, por sua vez, diz que a maior parte do seu tempo é destinada a atender parlamentares, "mas tudo tem limite" e "alguns não compreendem".

A orelha do presidente da Caixa esquentou na reunião que deputados tiveram com Bolsonaro na terça-feira. O líder do DEM, Elmar Nascimento (BA), foi quem delatou o executivo. "Levei como exemplo ao presidente que parlamentares pedem audiência com ele e são recebidos pelo assessor parlamentar. O pessoal está acostumado com outro tratamento."

Nem mesmo o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, escapou da agenda com o assessor. Nesta quarta-feira, ele postou nas suas redes sociais que havia se reunido com "assessores parlamentares da Caixa" para se oferecer na interlocução com o Congresso. O presidente do banco, porém, não estava presente. Eduardo jura que os dois se falaram pelo telefone.

Vélez

O ministro da Educação se salvou das críticas levadas por deputados ao presidente, mas não de queixas públicas sobre seu comportamento. "Estou desde o dia 15 de janeiro tentando marcar uma audiência com o ministro e não consigo", relatou o deputado Júlio César Ribeiro (PRB-DF) na tribuna.

O líder do Podemos, deputado José Nelto (GO), também disse que tenta desde o início do mês uma audiência com Vélez Rodríguez. "Queremos apresentar proposta do Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa. Faz três semanas e não tem nem resposta", disse.

O líder do PSD, deputado André de Paula (PE), garante que os parlamentares tentam agendar reuniões com os ministros para pedir "coisas simples". E coloca mais um nome na lista dos inacessíveis. O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, estaria demorando muito para atender deputados.

Ao ouvir as queixas, o presidente foi político. Segundo relatos, Bolsonaro teria afirmado que deu ordem para que os ministros priorizem as agendas com parlamentares. E contou que, até por ser ex-deputado, sabe como é importante o contato dos congressistas com o Executivo.

Reação

Nem bem assumiu a liderança do governo no Congresso, a deputada Joice Hasselmann (PSL-SP) revela que já recebeu demandas a esse respeito. "Vou tentar resolver", promete. Ela sabe que deputado irritado vota contra o governo.

Procurada, a Caixa informou que desde janeiro prefeitos, secretários e governadores foram recebidos em mais de 60 audiências com o corpo diretivo do banco. Só não diz em quantas dessas audiências o presidente estava. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Valeio Gorges

Matérias Relacionadas

Geral

Paróquia Luterana da Barra recebe homenagem pelos 100 anos de história

Paróquia Luterana da Barra recebe homenagem pelos 100 anos de história
Política

TSE divulga cálculo para distribuição de tempo no horário eleitoral

Propaganda no rádio e TV no 1º turno começa dia 26 de agosto
TSE divulga cálculo para distribuição de tempo no horário eleitoral
Política

Paulo Bornhausen lança livro sobre modelo de trabalho de 30 anos de vida pública

Ex-deputado federal compilou no livro uma série de artigos que publicou
 Paulo Bornhausen lança livro sobre modelo de trabalho de 30 anos de vida pública
Política

Maioria do STF vota a favor de reajuste de 18% para o Judiciário

Salário de ministro passa de R$ 39,6 mil para R$ 46,3 mil
Maioria do STF vota a favor de reajuste de 18% para o Judiciário
Ver mais de Política